RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Bandeira do Rio Grande hasteada na chaminé de 92 metros do Shopping Total em Porto Alegre. Foto: Divulgação Shopping Total.

sábado, 15 de outubro de 2022

 

O GAÚCHO QUE NÃO QUIS SER BARÃO


General Gomes Portinho


Por duas vezes o general José Gomes Portinho, herói da Guerra dos Farrapos, das campanhas do Prata e da Guerra do Paraguai, recusou o título nobiliárquico de barão, que o imperador do Brasil lhe outorgava. Ficou famoso, também, por isso. 

A primeira recusa ocorreu por ocasião da Guerra do Paraguai. Em reconhecimento aos feitos de Gomes Portinho, o Conselheiro Paranhos lhe acenara com o título de Barão de Vila Rica. A segunda, alguns anos depois, foi uma homenagem que o Visconde de Pelotas lhe conferiu: a de ser Barão de Cruz Alta, em decreto datado de 11 de maio de 1878.

Procurando manter a coerência com seu pensamento e conduta pró-república, Gomes Portinho guardou o título de nobreza, muito mais adequado àqueles que defendiam a monarquia. Mas, para não magoar os sentimentos do amigo Visconde de Pelotas, não o devolveu, embora nunca o tenha usado. No verso do documento, que ao final acabou rasgando, o antimonarquista e republicano ex-farroupilha escreveu que tinha "razões óbvias" para recusar a honraria do Império.

José Gomes Portinho nasceu em 1º de setembro de 1814, na freguesia de Cachoeira (RS), onde também morreu em 8 de agosto de 1886. 

Fonte: Roberto Fonseca / História do RS para jovens.