RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Inscrições até o dia 1º de julho pelo e-mail: tertuliamaconica@outlook.com

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

segunda-feira, 30 de maio de 2016

VENCEDORAS DA TAFONA DE OSÓRIO


Fonte: Site Identidade Campeira



1º Lugar - Maria Fumaça
Música: Maria Fumaça
Letra - Sélio da Rosa Neto
Melodia - Paulinho di Casa
Intérprete: Tribo Maçambiqueira
Cidade: Osório
 
2º Lugar - Décima da Égua Tormenta
Música: Décima da Égua Tormenta
Letra - Rodrigo Bauer
Melodia - Joca Martins
Intérprete: Alex Har
Cidade: São Borja e Pelotas


Melhor Grupo Instrumental
Música: As Velhas Casas das Estâncias
Letra - Juan Daniel Isernhagem
Melodia - Alex Har
Intérprete: Joca Martins
Cidade: Camboriú e Livramento
 
Melhor Intérprete
Música: As Velhas Casas das Estâncias
Letra - Juan Daniel Isernhagem
Melodia - Alex Har
Intérprete: Joca Martins
Cidade: Camboriú e Livramento

Melhor música na opinião do público
Música: Décima da Égua Tormenta
Letra - Rodrigo Bauer
Melodia - Joca Martins
Intérprete: Alex Har
Cidade: São Borja e Pelotas
 
 
 

RODRIGO BAUER VENCE O CARIJO


DA CANÇÃO GAÚCHA

Rodrigo Bauer, ao microfone, vencedor do 31º Carijo
 
1º lugar - A ALMA ÍNDIA DO MATE.
Ritmo: Chamamé
Letra: Rodrigo
Música: Cristian Camargo...
Intérpretes: Marcelo Oliveira / André Teixeira / Shana Müller






domingo, 29 de maio de 2016

HOJE É DOMINGO


E TEM FUTEBOL PELO INTERIOR DO MEU RIO GRANDE


Nove horas da matina. Na costa do Capão do Enforcado a cancha está preparada. Só falta botar as redes que vem chegando de carroça. O cal já foi largado por de riba do capinzal seco. O time do Boqueirão se prepara para receber o Canela Preta, escrete formado, em sua maioria, pela peonada da Estância São Gregório. A rivalidade já vem dos torneios de laço da região.
 
O arqueiro do Boqueirão, o Mão de Pilão, já adiantou que se perderem nas quatro linhas, ganham no jogo do osso, no truco cego, no cuspe a distância.... Na capela o vigário dá um apurão no seu sermão dominical pois percebe que os beatos estão impacientes, em virtude da grande peleja.
 
Nos preparatórios, o capitão do Boqueirão, o Sete Facadas, beque que visa mais a medalhinha do atacante adversário do que a própria bola, utiliza seu cigarro de palha e fumo crioulo para acender um a um os foguetes armazenados em duas caixas, num chamamento do vizindário.

Os políticos aproveitam a ocasião para despejar suas promessas. Outros atam negócios, carreiras, serenatas. No balcão do galpão de costaneiras, misto de vestiário e bolicho, a canha e o pastel correm soltos.

Depois da contenda, com qualquer resultado, haverá churrasco assado na vala, cantoria e muita rancheira.

Enquanto no resto do mundo os jogadores que ganham milhões perderam a identidade, o amor a camiseta, por aqui os atletas dão a vida pelos seus escretes.

Este é o futebol na costa da restinga do interior do meu Rio Grande. Que assim permaneça por muito tempo.

Texto: Léo Ribeiro
Chapa: autor desconhecido







   

sábado, 28 de maio de 2016

PÉS DESTAPADOS


 
 
Quando postamos aqui neste espaço que trocar o "status" de Ministério da Cultura para Secretaria da Cultura era o mesmo que trocar seis por meia dúzia, em face de que pouco importa a nomenclatura mas sim as atitudes de quem administra tais pastas, recebemos uma onda de impropérios dos fiscais políticos.
 
Tudo voltou ao que era, e quem o novo ministro da cultura recebe para aconselhar-se? Alexandre Frota, um zero a esquerda, culturalmente falando, que saiu-se com esta: "estive com o ministro da educação hoje e pude colocar algumas ideias para ajudar país que tanto amo".
 
Apenas lembrando. Em tempos de indignações em virtude do criminoso estrupo coletivo da adolescente, no Rio, este "ator" (Alexandre Frota) é o mesmo que gaba-se em pleno programa de televisão de ter "estuprado uma velha".
 
E agora? Aqueles fiscais políticos que me dirigiram impublicáveis terminologias, o que dizem?
 
Peço desculpas por fugir um pouco dos objetivos do blog (embora estejamos falando em cultura), mas é que hoje, com toda esta friaca, amanheci com os pés destapados.  
 
  
 
  


sexta-feira, 27 de maio de 2016

SIGNIFICADO DE CARIJO


Para que não se confunda Carijo com Carijó (galinha pedrês) e também para que os próprios participantes, se questionados, não respondam algo de que não tenham conhecimento, trazemos aos leitores o significado desta terminologia que empresta o nome a um dos maiores festivais musicais do Rio Grande do Sul. 
 

carijo ca.ri.jo

sm (do caingangue) Armação de varas em que se põem os ramos da erva-mate e por baixo da qual se ateia fogo para crestá-la; barbacuá, barbaquá.


 

DOIS GRANDES FESTIVAIS


NESTE FIM DE SEMANA
 
Na cidade de Palmeira das Missões
 
Na cidade de Osório
 
 
 
 
 

quinta-feira, 26 de maio de 2016

PARA CRUZAR O FERIADO


UM POUCO DE HISTÓRIA
 
OS NOMES DE NOSSO CHÃO GAÚCHO AO LONGO DO TEMPO 

 
1534 – São Pedro. Em Homenagem a Pero Lopes de Souza, que teria navegado pela Lagoa dos Patos.

1550 – Rio Grande. Conforme mapa de Pierre Desvaliers.

1562 – Capitania d’El Rei Nosso Senhor. Mapa de capitanias.

1637 – Porto de São Pedro. Mapa dos Jesuítas.

1698 – Província do Rei. Mapa do Frei José de Santa Tereza.

1721 – Rio Grande de São Pedro. Presente em documentos a partir de 1721.

1737 - Continente do Rio Grande. Denominação posterior a fundação do presídio de Rio Grande.

1751 – Continente de Viamão. Segundo mapa.

1760 – Governo do Rio Grande. Quando houve a elevação para a categoria de governo.

1769 – Continente do Rio Grande de São Pedro. Conforme documentos oficiais da época.

1807 – Capitania de São Pedro. Quando da elevação à Capitania Geral.

1819 – Província do Rio Grande de São Pedro do Sul. Segundo a documentação oficial à época.

1824 – Província do Rio Grande do Sul. A partir da primeira Constituição do Império.

1836 – República Rio-Grandense. Proclamado pelos Farroupilhas.

1889 – Estado do Rio Grande do Sul. Com a proclamação da República.


Gravura: Marciano Schmitz


 
 
 

quarta-feira, 25 de maio de 2016

REPONTANDO DATAS / 25 MAIO



NASCE O GENERAL FARRAPO ANTONIO DE SOUSA NETTO
 

Antônio de Sousa Netto nasceu em Rio Grande em 25 de maio de 1803 e morreu em Corrientes em 2 de julho de 1866.
Veio ao mundo na estância paterna, em Capão Seco (Rio Grande), no distrito de Povo Novo; lá é lembrado pelo CTG General Netto (de Povo Novo). Era filho de José de Sousa Neto, natural de Estreito (São José do Norte), e de Teutônia Bueno, natural de Vacaria. Por parte de pai, era neto de Francisco Sousa, natural de Colônia do Sacramento. Descendia, pelo lado materno, do português João Ramalho, que vivia em São Paulo antes do povoamento e que casou com a índia Bartira (Isabel), filha do cacique Tibiriçá.
Era coronel comandante de legião da Guarda Nacional de Bagé, quando começou a Revolução Farroupilha. Organizou, junto com José Neto, Pedro Marques e Ismael Soares da Silva, o corpo de cavalaria farroupilha. Era o general da primeira brigada do exército liberal republicano.
Em 1º de junho de 1836, participou do ataque a Rio Grande sem sucesso. Após a Batalha do Seival, proclamou a República Rio-Grandense, no Campo dos Menezes, a 11 de setembro de 1836. Lutou em diversas batalhas pelos republicanos, tendo comandado o cerco a Porto Alegre, durante vários meses, e a retomada de Rio Pardo, que estava nas mãos dos imperiais.
Em 7 de janeiro de 1837, travou o combate do Candiota, em que foi derrotado por Bento Manuel, mas já no dia 12 de janeiro, em Triunfo, vencia as tropas do coronel Gabriel Gomes, que morreu em combate.
Em abril de 1837 comandou a conquista de Caçapava, recebendo a adesão dos novecentos homens da guarnição imperial ali comandada por João Crisóstomo da Silva, apoderando-se de quinze peças de artilharia, quatro mil armas de infantaria e farta munição de boca e de guerra. Esses recursos possibilitaram a subsequente conquista de Rio Pardo, a 30 do mesmo mês, levando a que o comandante militar da Província, marechal Barreto, respondesse a um Conselho de Guerra.
Em Rio Pardo, em 30 de abril de 1838, junto a Davi Canabarro, Bento Manuel e João Antônio da Silveira, derrotou os legalistas, comandados por Sebastião Barreto Pereira Pinto e os brigadeiros Francisco Xavier da Cunha e Bonifácio Calderón. Em 18 de junho de 1840, acampado perto do Arroio Velhaco, foi atacado de surpresa por Francisco Pedro de Abreu e perdeu diversos homens, inclusive o coronel José de Almeida Corte Real, um dos melhores oficiais farroupilhas.
Abolicionista ferrenho, foi morar no Uruguai após a guerra, com os negros que o acompanharam por livre vontade e onde continuou com a criação de gado.
Retornou à luta em 1851, na Guerra contra Rosas, com sua cavalaria na brigada de Voluntários Rio-Grandenses, organizada inteiramente à sua custa, o que lhe valeu a promoção a brigadeiro Honorário do exército, e a transformação de sua brigada em Brigada de Cavalaria Ligeira.
Voltou ao combate na Guerra contra Aguirre e depois, juntamente com seu exército pessoal, na Guerra do Paraguai. No comando em brigada ligeira fez a vanguarda de Osório na invasão do Paraguai, no Passo da Pátria, em 16 de abril de 1866. Sua brigada ostentava sempre, ao lado da bandeira do Brasil Imperial, o pavilhão tricolor da República Rio-Grandense. Na batalha de Tuiuti, foi importante na defesa do flanco da tropa brasileiro, mas foi ferido a bala e mandado para um hospital em Corrientes, Argentina, onde morreu e foi inicialmente sepultado. Em 1966, no centenário de sua morte, seu corpo foi exumado e transferido para um mausoléu em Bagé.


ACENDIMENTO DA CHAMA CRIOULA


VEJAM A PROGRAMAÇÃO


O Acendimento da Chama Crioula acontecerá de 12 a 14 de Agosto de 2016, na cidade de Triunfo.  Informações: Carlos Alberto Glaeser (54) 9947-9347
 
 
 
 

ESTÂNCIA DIVULGA RESULTADOS


DO CONCURSO DE POESIAS SIMÕES LOPES NETO




PEDRO JR NO GALPÃO CRIOULO




Por: Pedro Jr da Fontoura
 
Gravação hoje a tarde do poema do mestre RODRIGO BAUER com o amadrinhamento dos grandes Mário Tressoldi e Diogo Barcelos para homenagearmos o nosso comandante ANTÔNIO AUGUSTO FAGUNDES com o poema vencedor do Esteio da Poesia

Obrigadaço Shana Goulart, Neto Fagundes, Rosane e toda a equipe da produção do GALPÃO CRIOULO pela confiança e parceria de sempre.

O programa irá ao ar no dia 19 de junho.
 
 
 

terça-feira, 24 de maio de 2016

ROPONTANDO DATAS



Num dia 24 de maio, do ano de 1818 nascia Joca Tavares. João Nunes da Silva Tavares, primeiro e único barão de Itaqui, nasceu em Herval e morreu em Bagé no 9 de janeiro de 1906. Lutou na Revolução Farroupilha contra os revoltosos farrapos. Foi presidente do Estado do Rio Grande do Sul de 17 de junho a 4 de julho de 1892 e responsável por iniciar a guerra civil que se transformaria, posteriormente, na Revolução Federalista (1893 - 1895).
 
 
O então Coronel João Nunes da Silva Tavares, conhecido como Joca Tavares (segundo sentado, da esquerda para a direita) e seus auxiliares imediatos, incluindo Francisco Lacerda, mais conhecido como "Chico Diabo" (terceiro em pé, da esquerda para a direita)

Também num 24 de maio, mas já no ano de 1870, o Presidente da Província do Rio Grande de São Pedro cria as colônias Conde D'Eu (atuais Garibaldi e Carlos Barbosa) e Dona Isabel (Bento Gonçalves).
 
 
 

ISTO É VALORIZAÇÃO DA CULTURA


PRIMEIRA PRENDA JUVENIL DO RS 
É RECEPCIONADA COM CARREATA EM SUA CIDADE
 

A primeira prenda juvenil da 28ª Região Tradicionalista, qual pertence Frederico Westphalen, Giovana Pertussatti Rossatto, foi eleita a primeira prenda juvenil do Rio Grande do Sul gestão 2016/2017, na noite de sábado, 21, em Passo Fundo.
 Para recepcionar a prenda e comemorar a conquista, uma carreata foi realizada na manhã deste domingo, 22. Um grande número de automóveis participou da carreata, que foi liderada pelo carro que levava a primeira prenda juvenil do Estado, e passou pelas principais ruas do município.  
 
 

SARAU DA ESTÂNCIA


 
 
 

segunda-feira, 23 de maio de 2016

"NOITE DOS MUSEUS" FOI SUCESSO


EM PORTO ALEGRE
 
Organização estima em mais de 16 mil pessoas no evento

Fonte: Josmar Leite, Da RBS TV

Margs também lotou no Centro de Porto Alegre (Foto: Reprodução/RBS TV)
Milhares de pessoas viveram uma noite cultural em Porto Alegre no sábado (21). Inédito na capital gaúcha, o evento 'Noite dos Museus', criado em Berlim, na Alemanha, abriu as portas de oito prédios para visitação, sem cobrar entrada. As atrações uniram artes plásticas e música das 19h às 23h.
Na avaliação dos organizadores, o evento deu tão certo, que uma nova edição já começa a ser planejada. Desde antes do horário da abertura dos museus, filas se formavam do lado de fora. A estimativa inicial é de que 16 mil pessoas aproveitaram as atrações, mas o número ainda pode aumentar.
"Os museus superaram a sua previsão de público anual na noite de hoje [sábado]. Quanto ao público, não há dúvidas... Extraordinário", destaca Francisco Marschall, curador do evento.
"Já estamos trabalhando para a edição do ano que vem (...) Vamos fazer nossa avaliação interna, o que funcionou, o que não funcionou, o que podemos melhorar, e como podemos crescer. Mas sempre de forma muito calculada, muito bem pensada, planejada", completa o idealizador Rodrigo Nascimento, que vislumbra levar o evento também para o interior, não somente para capitais.
Os visitantes puderam montar seus roteiros entre Fundação Iberê Camargo, Museu de Arte Contemporânea, Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), Memorial do Rio Grande do Sul, Museu da UFRGS, Museu Joaquim Felizardo, Pinacoteca Ruben Berta e Planetário. Da parte do público, muitos elogios.
"Maravilhosa, maravilhosa", repete a farmacêutica Beatriz Carneiro. "Nossa, isso aí devia acontecer mais vezes, inclusive no verão (...) Gostaria que isso acontecesse sempre", acrescenta.
Músico que fez parte do evento, Wilton Matos também fez uma análise positiva do que viveu na noite de sábado. "Pra gente é um privilégio enorme. Poder fazer cultura e fazer música para um público desse que tava no outro museu, veio pra cá... Isso é fantástico", diz.
No total, 30 atrações musicais se revezaram entre os museus. Mas do lado de fora, a movimentação também chamou atenção de quem não costuma ver pessoas circulando por regiões como o Centro da cidade, por exemplo.
"O que mais me deixa feliz é as pessoas na rua, ocupando as ruas, perdendo um pouco aquele medo, aquele terrorismo da insegurança. Temos que trabalhar para melhorar a segurança, sem dúvida. Mas não importa ter polícia se as pessoas não vão pra rua, que é uma coisa que esse evento busca muito. O que a gente prega muito é a ocupação dos espacos públicos. Vamos democratizar as praças, vamos retomar as praças", analisa o idealizador Rodrigo Nascimento.
"A gente vinha caminhando e observou isso, o jogo de luzes e o pessoal todo ali embaixo. Não parece até que a gente ta no Brasil, parece Europa, bem legal", comenta o artista plástico Antonio Carlos Rodrigues.
Museus ficaram lotados durante a noite na capital (Foto: Alice Urbim/RBS TV)
Nota do Blog: Nota mil para esta iniciativa. A lamentar, o mesmo de sempre. Não tivemos nenhum memorial mostrando a cultura regional gaúcha. Culpa dos organizadores? Não! Culpa dos políticos, dos administradores públicos, das pessoas envolvidas com o tradicionalismo, de nós mesmos, que não movemos uma palha para a concretização deste sonho.
Enquanto isto, a casa que serviu de sede para o Grêmio Gaúcho, o precursor do tradicionalismo, evento que ontem, dia 22 de maio, completou 120 anos, está ali, abandonada, sofrendo vetos e mais vetos do prefeito da capital contra o seu tombamento. 
 Museu com temática da cultura gaúcha? NENHUM


 

1ª PATRULHA URUGUAIANENSE



DA POESIA GAÚCHA
 RESULTADO 

1º. lugar Poema – Troféu Silvio Aymone Genro, ficou com Pequena Sonata ao Grande Rio, de Vaine Darde, declamado por Afonso Falcao e amadrinhado por Renato Fagundes
2º. lugar Poema – Troféu Kenelmo Amado Alves – para O Bolso Cheio de Afetos, de Adão Quevedo, declamado por Betina Hugo e amadrinhado pelo autor.
3º. lugar Poema – Troféu Ubirajara Raffo Constant, para Rugas, autoria de Marcelo Davila, declamado por Neiton Bittencourt Perufo e amadrinhado por Juliano Moreno 

1º. lugar Interpretação – Troféu Miguel Ramos, teve como vencedora Silvana Andrade, que declamou Estradeando, de Jadir Oliveira; 
2º. lugar Interpretação – Troféu Naide Ribas, que foi entregue ao ator e declamador Sirmar Antunes, pelo poema Nunca Mais, Porongos! Nunca Mais, de Moisés Silveira de Menezes; 
3º. lugar Interpretação – Troféu Marco Aurélio Campos – para Neilton Bittencourt Perufo,que declamou Rugas, de Marcelo Davila 

 1º. lugar Amadrinhamento – Troféu Cid Guez – conquistado por Benhur da Costa, com o poema Patas e Botas, de José Luiz Flores Moró
2º. lugar Amadrinhamento – Troféu João Batista Machado, conquistado por Jean Carlo Godoy, amadrinhou Quero Casar Com Uma Estrela, de Sebastião Teixeira Corrêa;
3º. lugar Amadrinhamento – Troféu Antônio Carlos Lara – vencido por Rodrigo Cavalheiro, que declamou Cerzido de Rimas nos Rastros dos Panos, de Joseti Gomes.  

Melhor Tema sobre Uruguaiana – Troféu Flodoardo Martins da Silva, foi para Reverência a uma Princesa, de Jorge Claudemir Soares, interpretado por Franco Ferreira e amadrinhado por Benhur da Costa


 

domingo, 22 de maio de 2016

VENCEDORAS DA 46ª CIRANDA DE PRENDAS


É DE BAGÉ A GRANDE VENCEDORA DA
46ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS

Roberta Barbosa Rodrigues Jacinto (a esquerda) recebe a faixa
 
 
Relação das vencedoras em suas respectivas categorias
 
Categoria Adulta:
 
- PRIMEIRO LUGAR: Roberta Barbosa Rodrigues Jacinto (foto). CTG Prenda Minha (Bagé)
 
- SEGUNDO LUGAR: Luise Moraes. CTG Piquete da Querência (São José do Ouro).
 
- TERCEIRO LUGAR: Carolina Amaral Ehlert. CTG Querência Crioula (Giruá). 

Categoria Juvenil:
 
- PRIMEIRO LUGAR: Giovana Pertuzatti Rossato. CTG Rodeio da Querência (Frederico Westphalen)
 
- SEGUNDO LUGAR: Dayala Marina Ubessi Streit. CTG Rancho dos Tropeiros (Ibirubá)
 
- TERCEIRO LUGAR: Luana Rachel Wojciechowski. CTG Os Legalistas (Santo Ângelo)

Categoria Mirim:
 
- PRIMEIRO LUGAR: Nicoly Cimento. CTG Sentinelas do Pago (Marau)
 
- SEGUNDO LUGAR: Ana Luísa Antoniolli. CTG Retorno à Querência (Nova Prata)
 
- TERCEIRO LUGAR: Isabela Nunes da Silva. CTG Estância da Serra (Osório)



 

TROCAR SEIS POR MEIA DÚZIA


No dia de hoje, 22 de maio, em 1896, portanto há exatos 120 anos, foi registrada a primeira manifestação cultural tradicionalista liderada pelo Major Cezimbra Jacques (hoje Patrono do Tradicionalismo), ou seja, a fundação do Grêmio Gaúcho. A casa que serviu de sede para tão importante movimento social e que se reflete tão intensamente nos dias atuais, agora serve de abrigo a mendigos e drogados da capital (foto abaixo). Um projeto de tombamento para futura restauração e transformação em museu, elaborado pelo vereador Bernardino Vendruscolo, aprovado pela câmara de vereadores da capital, foi vetado pelo prefeito José Fortunati.


Também agora, abre-se uma discussão nacional sobre a transformação, ou não, do Ministério da Cultura em Secretaria (ontem, ao que parece, o governo interino voltou atrás). 
 
De um lado, tivemos protestos de um grande número de pessoas envolvidas com a arte.  

De outro, os que aprovavam a transformação dizem que tais "mi mi mis" são lamentações pela possível perda de verbas da Lei Rouanet onde, segundo estes, os artistas graúdos é que tem vez na aprovação de projetos milionários e duvidosos (liberação para captação de recursos com isenção fiscal para as empresas).

Pessoalmente, apesar dos valores diversos distribuídos a um Ministério e a uma Secretaria, penso que, se não houver um acompanhamento, é trocar seis por meia dúzia pois se falcatruas porventura são cometidas, não é o nome mas a fiscalização quem vai impedir.

Eu conheci pessoas que, na função de membros do Conselho Estadual de Cultura, faziam venda casada, isto é, aprovavam projetos na LIC em troca de seus shows nos eventos. Faltava o que? Nomenclatura ou averiguação dos fatos? 

Mas e o povo? Ele está preocupado com cultura? - Da mesma forma que os administradores públicos, em sua imensa maioria, não.

Qual a média de livros lidos por brasileiros ao ano?

Excluindo o carnaval, que apoio as mídias dão às diversas e riquíssimas manifestações culturais de cada região do país?

Falando em mídia, qual o nível da programação televisiva no Brasil?

Um bom termômetro para estas respostas são as redes sociais.

O twitter virou espaço de luxo para recados.

Os blogs que fazem sucesso, com milhões de acessos, são aqueles voltados para as fofocas e as intimidades dos artistas.

O facebook é um lugar que serve mais a autopromoção, a desopilação, a ofensas políticas, a publicações de casamento, aniversário, doença ou morte. Mensagens de teor cultural? Existem mas quando acontecem não tem a mesma receptividade junto ao grande público. Facebook é descontração. 

Não é bem assim? - Vejam um exemplo dentre milhares que poderíamos citar.

No dia 13 de maio, o radialista, produtor cultural e amigo Jairo Reis postou matéria agradecendo o recebimento de um livro Um Canto de Terra e Pátria do grande poeta e compositor Edilson Villagran.


Dois dias após, o mesmo Jairo Reis postou uma foto sobre sua "unha encravada".


Comentários sobre o livro: 2
Comentários sobre a unha encravada: 65

Ao postarmos esta matéria parece que desejamos transformar o mundo num convento de Carmelitas, mas não. Queremos, apenas, um pouco mais de espaço, de ofertas culturais, de opções de conhecimento, de apoio sem protecionismos, de não focar somente no monetarismo, pouco importando que nome vamos dar a isto tudo.




 

sábado, 21 de maio de 2016

46ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS



 
Pelas chapas obtidas do blog do meu amigo Rogério Bastos, pode-se comprovar que a 46ª, lá pelas bandas de Passo Fundo, vai de vento em popa. Este é um evento que deve ser prestigiado, elogiado e ter seus méritos reconhecidos pois envolve a singeleza, a beleza, o conhecimento, de nossas prendinhas.   
 
Na boca desta madrugada saberemos quais prendas Mirins, Juvenis e Adultas fizeram jus a esta honraria de carregar a faixa de representantes femininas de nossa cultura.
 
Parabéns ao Movimento Tradicionalista Gaúcho, a Região  Tradicionalista anfitriã e ao CTG Lalau Miranda por esta grandiosa festividade.
 
 
 

DO LITORAL A FRONTEIRA



Por: Jairo Reis

Gauchada amiga.

Acompanhem, ao amanhecer deste domingo, 22 de maio, mais uma edição do programa Do Litoral a Fronteira, o rincão da cultura gaúcha na programação da Rádio Bandeirantes FM 94,9 e AM 640. Estarão chimarreando comigo, o cantor e guitarreiro Jader Leal, o acordeonista Paulo Santos e o poeta e parceiro de lides regionalistas, Léo Ribeiro de Souza, amigos dos buenos que me deram o privilégio da parceria.

Prosa de fundamento e música de qualidade, ao vivo e "a cores".

Eu espero a audiência de todos, das 6h as 8h da manhã.
www.band.com.br/rs




PROGRAMA RONDA GAÚCHA



 
 
 



sexta-feira, 20 de maio de 2016

46ª CIRANDA CULTURAL DE PRENDAS



Esta acontecendo, de 19 a 21, no CTG Lalau Miranda, em Passo Fundo, a 46ª edição da Ciranda Cultural de Prendas, que já teve, dentre as diversas denominações, A Mais Bela Prenda do Rio Grande, Mais Prendada Prenda, Primeira Prenda do Rio Grande, e outros. O concurso, um dos eventos mais destacados do Movimento Tradicionalista Gaúcho, é composto de provas escritas, orais e artísticas nas categorias Mirim, Juvenil e Adulta. A TV Tradição transmitira ao vivo conforme programação do folder acima. Na foto abaixo o prendado que se despede.   




quinta-feira, 19 de maio de 2016

NUM DIA 19 DE MAIO DE 1872...


..JACOBINA MENTZ MAURER (LÍDER DOS MUCKERS)...

...aparece vestida de branco ao pastor luterano João Jorge Klein, dizendo ser Jesus Cristo. O pastor crê e se postra de joelhos, adorando-a.

O casal Mauer, João Jorge e Jacobina Mentz Maurer, organizadores do ‘movimento milenarista’ entre os colonos de origem alemã da cidade de São Leopoldo, também foram fieis as tradições: Jacobina casou-se vestida de preto.



Em 1824 o governo brasileiro cria uma colônia alemã no Rio Grande do Sul. Muitos passam a imigrar da Alemanha para o Brasil. Os avós de Jacobina imigraram para São Leopoldo. Fugiram da Alemanha pois estavam sendo perseguidos após abandonarem a Igreja Evangélica e criarem uma seita própria.

Jacobina Mentz é criada em Sapiranga, em meio a uma comunidade de imigrantes alemães fanáticos. Sua família foi responsável pela construção da primeira igreja protestante do Sul do Brasil.

Um dos momentos mais conturbados da história de Sapiranga se deu no final do século XIX. Jacobina Mentz e seu marido, João Maurer, fundaram uma seita religiosa no Morro Ferrabráz, em que os membros eram conhecidos como muckers (em alemão significa falso santo).

Jacobina e João Jorge Maurer se conheceram em Hamburgo Velho, na metade do século XIX. Casaram-se e mudaram-se para Leoner-Hof (como era denominada Sapiranga). Jacobina sofria de ataques epilépticos, desde criança, o que fazia com que ela fosse vista como vítima de um transtorno do sistema nervoso, agravados por leituras de natureza religiosa.

Além disso, Jacobina auxiliava o marido no curandeirismo. Naquela época, os médicos eram escassos. Então, as pessoas apelavam para os curandeiros. Aos poucos, Jacobina misturava a religião com o atendimento aos doentes, através de leituras de passagens bíblicas para os pacientes. Logo, ela tornava-se famosa por suas meditações milagrosas.

Os adversários de Jacobina, preocupados com os acontecimentos no Ferrabraz, realizaram um abaixo-assinado, levando a imprensa da época a tomar partido contra Jacobina.

Em pouco tempo surgiram diversos conflitos entre esses dois grupos, acarretando em violência e mortes. Em 28 de junho de 1874, forças policiais atacaram os muckers, que venceram o conflito. Isso contribuiu para a crença da divindade de Jacobina. Após outro ataque falho, Jacobina conseguiu fugir e se esconder no Ferrabraz. O fim do conflito se deu em 2 de agosto do mesmo ano, quando um traidor levou as forças policiais até o esconderijo de Jacobina Mentz, que foi morta junto da maioria dos muckers.
 
 
 

quarta-feira, 18 de maio de 2016

AVALIADORES DA 6ª TERTÚLIA MAÇÔNICA


DA POESIA CRIOULA 
 
 Wilson Tubino - Radialista, poeta, escritor.
 Presidente da Estância da Poesia Crioula
 

Adão Bueno - Declamador, instrutor de danças,
bailarino do lendário grupo Os Muuripás 
 


Ewerton dos Anjos Ferreira (a direita) - Músico, poeta, compositor. 
Autor de clássicos como Veterano.
 
 
 
 
 
 

terça-feira, 17 de maio de 2016

UMA CRÔNICA CRIATIVA


Tudo que vicia começa com C
(Luiz Fernando Veríssimo)!

Por alguma razão que ainda desconheço, minha mente foi tomada por uma ideia um tanto sinistra: vícios.

Refleti sobre todos os vícios que corrompem a humanidade. Pensei, pensei e, de repente, um insight: tudo que vicia começa com a letra C!

De drogas leves a pesadas, bebidas, comidas ou diversões, percebi que todo vício curiosamente iniciava com cê.

Inicialmente, lembrei do cigarro que causa mais dependência que muita droga pesada. Cigarro vicia e começa com a letra c. Depois, lembrei das drogas pesadas: cocaína, crack e maconha. Vale lembrar que maconha é apenas o apelido da cannabis sativa que também começa com cê.

Entre as bebidas super populares há a cachaça, a cerveja e o café. Os gaúchos até abrem mão do vício matinal do café mas não deixam de tomar seu chimarrão que também - adivinha - começa com a letra c.

Refletindo sobre este padrão, cheguei à resposta da questão que por anos atormentou minha vida: por que a Coca-Cola vicia e a Pepsi não? Tendo fórmulas e sabores praticamente idênticos, deveria haver alguma explicação para este fenômeno. Naquele dia, meu insight finalmente revelara a resposta. É que a Coca tem dois cês no nome enquanto a Pepsi não tem nenhum.

Impressionante, hein?

E o computador e o chocolate? Estes dispensam comentários.

Os vícios alimentares conhecemos aos montes, principalmente daqueles alimentos carregados com sal e açúcar. Sal é cloreto de sódio. E o açúcar que vicia é aquele extraído da cana.

Algumas músicas também causam dependência. Recentemente, testemunhei a popularização de uma droga musical chamada "créeeeeeu". Ficou todo o mundo viciadinho, principalmente quando o ritmo atingia a velocidade... cinco.

Nesta altura, você pode estar pensando: sexo vicia e não começa com a letra C. Pois você está redondamente enganado. Sexo não tem esta qualidade porque denota simplesmente a conformação orgânica que permite distinguir o homem da mulher. O que vicia é o "ato sexual", e este é denominado coito.

Pois é. Coincidências ou não, tudo que vicia começa com cê. Mas atenção: nem tudo que começa com cê vicia. Se fosse assim, estaríamos salvos pois a humanidade seria viciada em Cultura...


 
 
 
 

segunda-feira, 16 de maio de 2016

UM CANTO DE PAZ


 
 
Hoje, aqui, peço perdão
pros males que tenho feito,
por dar valor aos defeitos,
por me apossar da razão.
Pra que levar ao empurrão
se sou mais gente calado?
A vida é um belo legado,
chega de apontar o dedo!
Tolerância, não é medo.
E a razão? Tem dois lados!
 
 
 
 


domingo, 15 de maio de 2016

A TIGELA DE MADEIRA



Um senhor de idade foi morar com seu filho, nora e o netinho de quatro anos de idade. As mãos do velho eram trêmulas, sua visão embaçada e seus passos vacilantes.

A família comia reunida à mesa. Mas, as mãos trêmulas e a visão falha do avô o atrapalhavam na hora de comer. Ervilhas rolavam de sua colher e caíam no chão. Quando pegava o copo, leite era derramado na toalha da mesa. O filho e a nora irritaram-se com a bagunça.

- "Precisamos tomar uma providência com respeito ao papai", disse o filho. - "Já tivemos suficiente leite derramado, barulho de gente comendo com a boca aberta e comida pelo chão."

Então, eles decidiram colocar uma pequena mesa num cantinho da cozinha. Ali, o avô comia sozinho enquanto o restante da família fazia as refeições à mesa, com satisfação.

Desde que o velho quebrara um ou dois pratos, sua comida agora era servida numa tigela de madeira.
Quando a família olhava para o avô sentado ali sozinho, às vezes ele tinha lágrimas em seus olhos. Mesmo assim, as únicas palavras que lhe diziam eram admoestações ásperas quando ele deixava um talher ou comida cair ao chão.

O menino de 4 anos de idade assistia a tudo em silêncio. Uma noite, antes do jantar, o pai percebeu que o filho pequeno estava no chão, manuseando pedaços de madeira.

Ele perguntou delicadamente à criança: "O que você está fazendo?" O menino respondeu docemente: - "Ah, estou fazendo uma tigela para você e mamãe comerem, quando eu crescer."

O garoto de quatro anos de idade sorriu e voltou ao trabalho. Aquelas palavras tiveram um impacto tão grande nos pais que eles ficaram mudos. Então lágrimas começaram a escorrer de seus olhos.

Embora ninguém tivesse falado nada, ambos sabiam o que precisava ser feito. Naquela noite o pai tomou o avô pelas mãos e gentilmente conduziu-o à mesa da família.

Dali para frente e até o final de seus dias ele comeu todas as refeições com a família. E por alguma razão, o marido e a esposa não se importavam mais quando um garfo caía, leite era derramado ou a toalha da mesa sujava.

De uma forma positiva, aprendi que não importa o que aconteça, ou quão ruim pareça o dia de hoje, a vida continua, e amanhã será melhor.

Aprendi que se pode conhecer bem uma pessoa, pela forma como ela lida com três coisas: um dia chuvoso, uma bagagem perdida e os fios das luzes de uma árvore de natal que se embaraçaram.

Aprendi que, não importa o tipo de relacionamento que tenha com seus pais, você sentirá falta deles quando partirem.

Aprendi que "saber ganhar" a vida não é a mesma coisa que "saber viver".

Aprendi que a vida às vezes nos dá uma segunda chance. Aprendi que viver não é só receber, é também dar.

Aprendi que se você procurar a felicidade, vai se iludir. Mas, se focalizar a atenção na família, nos amigos, nas necessidades dos outros, no trabalho e procurar fazer o melhor, a felicidade vai encontrá-lo.

Aprendi que sempre que decido algo com o coração aberto, geralmente acerto. Aprendi que quando sinto dores, não preciso ser uma dor para outros.

Aprendi que diariamente preciso alcançar e tocar alguém. As pessoas gostam de um toque humano – segurar na mão, receber um abraço afetuoso, ou simplesmente um tapinha amigável nas costas.

Aprendi que ainda tenho muito que aprender...


Autor desconhecido