RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Gauchos do Equador / Retratista: Desconhecido

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

domingo, 30 de agosto de 2015

OS "MANGRULHOS" DE HOJE


 

Esta arquitetura da foto é o legítimo "Mangrulho* Contemporâneo", ou seja, um posto de observação dos dias atuais. Na verdade este é o galpão da Perdigão no Acampamento Farroupilha, donde, de seu topo, se poderá observar os 360 ranchos de costaneiras que estão ganhando forma e que comporão o cenário da cidade que abrigará os gaúchos tradicionalistas de Porto Alegre até o dia 20 de setembro. Estivemos, no dia de ontem, dando uma volteada pelo rancheiro e a coisa está pegando corpo, com galpões de todo o porte e preço (coisas que variam de 10 a 80 mil). As comemorações farroupilhas, com todos os problemas que enfrentamos, prometem. E a novidade será, com certeza, este galpão panorâmico das atividades culturais gauchescas.
 
  * Mangrulho. Construção elevada que serve de posto de observação do gado nas grandes estâncias e, nas guerras, para vigiar o movimento das tropas inimigas.


 


 

sábado, 29 de agosto de 2015

DESAFIO FARROUPILHA

 
 
Rogério Mello e Cesar Oliveira apontaram hoje, no Jornal do Almoço, o quarto candidato do Desafio Farroupilha que busca descobrir novos talentos da musicalidade riograndense. Na realidade, foram duas as escolhidas. A percussionista Migue e a acordeonista Paloma Trevisan, que fazem suas apresentações na Maria Fumaça, na serra gaúcha.
 
 
    



SEMANA FARROUPILHA NO RJ


 
 
O Dia 20 de setembro, na Casa do Minho, na cidade do Rio de Janeiro, será comemorada em grande estilo. Como em anos anteriores, começa com uma Missa Crioula (foto), depois, atividades artísticas. Ao meio dia a tradicional e concorrida Costelada na Brasa. As reservas poderão ser feitas pelos fones:  22367551 / 2547 4413


 

MARENCO NO GALPÃO CRIOULO

 
 
A grande atração do Galpão Crioulo deste domingo (30) é Luiz Marenco! O cantor e compositor reúne alguns de seus amigos e parceiros de música para relembrar clássicos e lançar seu novo disco, 'Sul'.
Além de Marenco, os convidados de Shana Müller e Neto Fagundes são os poetas Gujo Teixeira e Sérgio Carvalho Pereira, Leonel Gomez, Marcello Caminha e Thedy Corrêa. O programa está imperdível! O Galpão Crioulo vai ao ar na manhã deste domingo (30), às 6h20, na RBS TV. 
 


RONDA GAÚCHA DESTE DOMINGO

 
 


DIA DO JOVEM TRADICIONALISTA


 

 
 
 


sexta-feira, 28 de agosto de 2015

UM BOM FINAL DE SEMANA "EN FAMILIA"



EN FAMILIA

Con la familia riunido
con la crioyaza cocina,
viendo que'l fin se avecina
del día qu'hemos vivido,
endispués de haber cumplido
trabajos y obligaciones
comparto unos cimarrones
con María, mi patrona,
mujer guapa y camperona
que me ha dao "dos ilusiones".

Mientras entibia el brasero
el agua que'stá en la pava,
tomando un mate pensaba
en mi vida de campero:
¿... si hay que zarandiar el cuero?
¡Que a naides le quede duda!
Pero en verdá, cuanto ayuda
saber que uno tiene atrás
una familia capaz
si la vida es peliaguda.

(30/05/1986)

(Imagen tomada de "El Gaucho Floro Corrales", por Eleodoro Marenco
Poema de J.M.Monty Luro. Ed. Kraft, 10/1949 - página 199). 





LEI DO ARTISTA DE RUA É DEBATIDA


Após repercussão negativa da minuta que regulamentava as atividades dos artistas de rua em Porto Alegre, com verdadeiros absurdos, o poder executivo, através da Secretaria de Cultura, resolveu ouvir os reais interessados no tema, ou seja, os próprios artistas.


 Prefeitura recebe propostas de artistas de rua em audiência pública
Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS

Por: Felipe Martini / 
Via Conselho Municipal de Cultura

Mais de 300 pessoas lotaram o Teatro Renascença em uma audiência pública convocada pela Secretaria da Cultura para discutir as mudanças e a regulamentação da lei dos artistas de rua de Porto Alegre. Mais de 42 coletivos, além de entidades como Sindicato dos Artistas e Técnicos de Espetáculos de Diversões do Rio Grande do Sul, Associação de Músicos da Cidade Baixa e Associação dos Expositores do Brique da Redenção compareceram ao evento.

"Desconsiderem o texto", diz vice-prefeito da Capital sobre regulamentação de artistas de rua — A minuta polêmica não existe mais. Esse evento é um marco zero na discussão sobre a regulamentação da lei. Essa audiência é o primeiro encontro para discutir um novo formato de forma harmônica a lei do artista de rua — explicou Vinícius Cáurio, secretário-adjunto da Cultura, que comandou a audiência.

Também estavam presentes as vereadoras Fernanda Melchionna e Sofia Cavedon que foram articuladores na criação da lei nº 11.586, de 5 de março de 2014. As duas se manifestaram sobre a regulamentação.
— A lei foi feita de forma coletiva e traduz a atividade do artista. A cidade está acolhendo, aplaudindo e assistindo. Esse é o resultado da aplicação da lei. Não vejo a necessidade de regulamentação — afirma Sofia.

Artistas de rua têm em comum a relação com a música ainda na infância
— Não aceitaremos retrocessos na lei, apenas avanços — pontuou Fernanda.

No evento, entidades, coletivos e autônomos apresentaram propostas por escrito e defenderam suas ideias. Diversos pontos da lei foram questionados, como a necessidade de informar à prefeitura o dia e hora da apresentação e a questão do artista poder receber apenas uma doação espontânea sem poder estabelecer um preço por seu produto. Muitos representantes também se posicionaram contra a regulamentação.

Durante as apresentações, a extinção da minuta, que se tornou polêmica na última semana, foi muito questionada.
— A minuta está descartada, mas não está descartada a visão de cidade que essa gestão do governo tem — afirmou Ricardo Bordin, da Associação dos Músicos da Cidade Baixa.
— Temos que agradecer a minuta, pois graças a ela os artistas de rua estão unidos de uma forma nunca antes vista — pontuou Márcio Petraco, do Conjunto Bluegrass Porto-Alegrense.

Ao fim do evento, um grupo de trabalho foi formado para redigir um calendário e marcar os próximos debates. Nos encontros futuros, também serão envolvidos o Sindilojas, Federasul e algumas associações de moradores. As vereadoras afirmaram que vão acompanhar de perto as negociações.



quinta-feira, 27 de agosto de 2015

NÃO DÁ PARA ENTENDER


Foto: Jonathas Caputo

Sinceramente, não conseguimos entender a suspensão do Desfile Tradicional (cavalarianos) na cidade de Passo Fundo, determinada dia 24, agora.

No domingo passado o município reviveu a tradicional Batalha do Pulador, numa representação teatral a campo aberto, no lombo de quase trezentos cavalos, relembrando o confronto entre os maragatos ou federalistas e os pica-paus ou republicanos sendo considerado o mais importante e sangrento da Revolução Federalista ocorrida em 1894.

Mas para fazer este bonita e representativa festividade os animais não tinham que ter a vacina do Mormo?

Da mesma forma, cabe outra pergunta.

Diversos componentes do grupo Cavaleiros do Planalto Médio estão conduzindo a Chama Crioula, do Chuí a Passo Fundo. Com certeza estes animais estão legalizados em termos de vacinação.

Se juntarem estes cavaleiros, com os diversos ginetes da "Batalha do Pulador" não daria um bonito desfile?

Começo a pensar que a suspensão dos desfiles tem sido uma maneira mais cômoda de não se comprometer. Digo isto porque, em algumas localidades, até mesmo os desfiles temáticos, que não envolvem animais, foram suspensos.

Será que o clima de derrotismo começa a pairar sobre nossa gente?
   

CIDADES QUE CONFIRMARAM A SUSPENSÃO DOS DESFILES

Bagé
Caçapava do Sul
Cacequi
Candiota
Dilermando de Aguiar
Dom Pedrito
Formigueiro
Hulha Negra
Jaguari
Júlio de Castilhos
Lagoa Vermelha
Lavras do Sul
Montenegro
Nova Santa Rita
Passo Fundo
Piratini
Rio Grande
Santa Maria
Sant'Ana do Livramento
Santana da Boa Vista
Santiago
Santo Ângelo
São Borja
Vacaria

CIDADES QUE CONFIRMARAM A MANUTENÇÃO DOS DESFILES

Alegrete
Canguçu
Palmeira das Missões
Porto Alegre
Rosário do Sul
Santa Cruz do Sul
Venâncio Aires





quarta-feira, 26 de agosto de 2015

ACAMPAMENTO NO "CONVERSAS CRUZADAS"



O programa Conversas Cruzadas, da TV COM, de ontem a noite, teve como tema o projeto do vereador de Porto Alegre, Claudio Janta, que visa levar todos os desfiles e festejos populares da capital para o Porto Seco.   
 
Sob a mediação do jornalista Claudio Brito (foto), estiveram presentes o Vereador Bernardino Vendruscolo, que fez emenda ao citado projeto onde o legislador defende que os carnavais de bairro, os desfiles de sete e vinte de setembro, bem como o Acampamento Farroupilha devam permanecer nos locais em que acontecem atualmente. Também presentes como debatedores Leonardo Maricato, da Secretaria Municipal de Cultura (na área de Descentralização da Cultura); Joaquim Lucena Neto, também da SMC, Coordenador das Manifestações Populares, e o vereador Reginaldo Pujol, representando o autor do projeto, Claudio Janta.
 
O incrível é que, mesmo com alguns debates acirrados que fugiram do tema como Orçamento Participativo, CPI dos Festejos Farroupilhas e outros, TODOS os participantes do programa (inclusive o mediador) tiveram a mesma opinião, ou seja, o projeto original do Porto Seco tem que ser acabado com a devida construção das arquibancadas e camarotes pois, a cada ano, gasta-se em torno de 3 milhões com os lugares desmontáveis. Tais construções, se fossem perenes, poderiam ser melhor otimizadas. Contudo, foi consenso que as festas populares como o Acampamento e os carnavais de rua, os desfiles, enfim, tudo que tenha raiz e identidade com a natureza onde foram criados, devem permanecer como estão.
 
O próprio vereador Pujol, entre a cruz e a espada, e como bom político, não abraçou por inteiro a causa do colega o qual estava representando.  
 
 
        

MANTIDO DESFILE EM PORTO ALEGRE


 
O desfile tradicional (Cavalarianos) está mantido na cidade de Porto Alegre. Entretando, serão exigidas todas as vacinas requisitadas pela Secretaria da Agricultura, que fará fiscalização intensa, mas por amostragem. A responsabilidade pelas condições dos animais será de cada entidade (CTG) a que o proprietário do animal estiver vinculado ou representando. 
 
 
    

terça-feira, 25 de agosto de 2015

CONTRAPONTO


Sobre a postagem que fizemos, dias atrás, em relação às mudanças na Ficha de Avaliação de Declamação nos eventos onde o MTG tem ingerência, postamos, abaixo, um contraponto de Carlinhos Lima, Diretor de Manifestações Espontâneas Individuais da entidade.
 
Queremos esclarecer que em nosso blog nem "tudo é permitido" e refugamos dezenas de postagens diariamente somente aproveitando aquilo que, através do bom debate, venha enriquecer a cultura de nosso Estado. Quem nos enviou aquela matéria talvez seja um dos maiores entendedores de poesia, tanto na parte de declamação, quanto na de avaliação e que, após a postagem, recebemos diversas comunicações de pessoas do meio, também descontentes com os inúmeros itens a serem avaliados mas que, não sei porque razão, preferiram ter seus nomes resguardados.

Queremos, também, agradecer ao Diretor Carlinhos Lima por sua manifestação esclarecendo o ponto de vista de quem direciona a arte declamatória dentro do MTG.
        


Embora o comentário equivocado não tenha repercutido, por respeito a este veículo de comunicação cabe alguns esclarecimentos.

A planilha é um documento administrativo, instrumento de trabalho do avaliador e não do declamador. Serve para facilitar as anotações do que está ocorrendo no palco e, assim, expressar a percepção do avaliador para aquele momento, procurando a maior fidelidade possível ao que foi apresentado. Não deve nunca servir para expressar a “vontade” do avaliador.

Tem que ser fiel ao regulamento utilizado e que, como sabemos, é fruto da discussão em fórum próprio onde qualquer interessado tem voz, basta que queira participar das decisões, embora muitos prefiram se omitir das discussões para depois criticarem livremente nas redes sociais, onde tudo é permitido, todos sabem tudo e a verdade de cada um é absoluta.

As planilhas, em todas as modalidades, são modificadas e aperfeiçoadas todos os anos, sempre com a finalidade de facilitar a transposição do pensamento do avaliador daquele momento. E nunca vi ou ouvi nenhum questionamento, até porque nunca é divulgada publicamente, não há esta necessidade pois, como disse antes e repito: é um instrumento do avaliador e não do declamador. Para quem não sabe, a planilha que se utilizava até ontem, defasada pelo tempo, foi por mim elaborada em 1999.

Talvez esta minha mania de ser transparente e de sempre trazer as informações de forma pública, sem privilegiar apenas os “amigos”, tenha servido como pretexto para aguçar alguns recalques de uma “maioria de uma pessoa só”, com meia dúzia de seguidores, que talvez tenham perdido as benesses de conhecidos privilégios.

Mas respondendo pontualmente:

- Nenhum dos avaliadores precisou utilizar calculadora até agora; quem não sabe somar 2+2 não pode ter uma missão tão importante.

- Os quesitos continuam sendo quatro, nada mudou. Apenas a forma de percepção foi organizada de maneira a ficar mais claro para todos.

- Agora existe a possibilidade de valorizar a postura cênica, fundamental na expressão do corpo, pois a planilha antiga contemplava apenas mãos e rosto, como se o resto do corpo não existisse.

- O tempo não inclui a passagem de som; quem informou está perdido ou foi mal intencionado. O regulamento prevê a contagem a partir da liberação do microfone; definimos que a liberação ocorre quando o intérprete anuncia o poema e seu autor. Além disso, como diz o regramento, “desconta-se um ponto por minuto inteiro que ultrapassar”. Isto significa que o declamador tem mais 59 segundos de “bônus”, além dos 9 minutos.

- Pergunto aos “entendidos”: quando o intérprete troca a pronúncia de alguma palavra, mudando-lhe o sentido, ou atropela a pontuação do texto, modificando a idéia do poeta, a mensagem foi interpretada corretamente?... Sempre foi avaliado desta forma, apenas não estava explícito. Quando se quer achar chifres em cabeça de cavalo se procura anomalias onde não há. Falta de argumentos de quem se esconde no anonimato e não vem pra discussão com a maioria bem intencionada.

O mais importante que destaco é que, na planilha anterior, o avaliador dava a nota que queria sem precisar explicar nada a ninguém, sendo a sua vontade acima da apresentação do palco. Agora fica registrado cada desconto, em qual quesito o declamador falhou e a sua justificativa, que além de deixar claro o que o avaliador percebeu no palco, serve como orientação, que também é uma das finalidades da avaliação.

Houve ampla discussão para formatar a tal planilha, incansáveis reuniões de estudos para formar conceitos unos, incontáveis mates na roda de prosa sorvendo a essência da sensibilidade da poesia, que se encontrava aprisionada em técnicas artificiais e apresentações teatrais, adquiridas em cursos e interesses monetários, que foram úteis e serviram no seu tempo.

Hoje o declamador é a estrela; a essência da poesia é o motivo de estarmos ali; o avaliador é mero coadjuvante e assim é entendido pela nossa equipe de avaliadores.

Por derradeiro, afirmamos que estamos abertos a todas as opiniões que quiserem se somar a estes esforços. Críticas construtivas serão bem vindas. Sejamos mais avaliadores e menos jurados...

Carlinhos Lima
 
 
 

2ª MOSTRA SONORA BRASIL


EM PORTO ALEGRE, HOJE, TERÁ VALDIR VERONA


O caxiense Valdir Verona abrirá a 2ª Mostra Sonora Brasil Sesc no dia 25 deste mês (hoje), em Porto Alegre. O violeiro dividirá o palco do Teatro do Sesc, em Porto Alegre, com o brasiliense Roberto Correa a partir das 20h. A dupla promete levar ao público uma qualificada amostra do tema desta edição, “Violas Brasileiras”.
 
Com mais de 25 anos de carreira, Valdir Verona desenvolve um trabalho de resgate da viola na música do Sul em recitais, shows, composições, gravações, edições de partituras, aulas e oficinas de música. O músico já representou o Brasil em terras estrangeiras, como no Fórum Econômico Mundial de Davos, em 2012 na Suíça, quando o país foi homenageado no evento. Valdir Verona tem em seu currículo várias premiações, como o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira 2013, na categoria “Arranjador” e, em 2012, na categoria “Novas Vertentes”.
 
A 2ª Mostra Sonora Brasil Sesc ocorre entre 25 e 30 de agosto e reunirá apresentações e oficinas gratuitas sobre a temática Violas Brasileiras. Durante a programação, diversos músicos apresentarão um panorama da viola e de variantes do instrumento: Viola Caipira, Violas de Concerto, Viola Nordestina e Violas Singulares.
 
Central de Conteúdo Rádio São Francisco
 
 
 

JOCA MARTINS E LUCIANO MAIA


ARTISTAS DE FUNDAMENTO FAZEM PARCERIA


Bom dia Léo,

É com muito alegria que anuncio que o premiado e aplaudido acordeonista, cantor, compositor, produtor musical e arranjador Luciano Maia, passa a exercer a direção musical de meu espetáculo, já a partir deste setembro!

Forte abraço

Joca Martins


 

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

PASSO FUNDO REVIVE BATALHA DO PULADOR


ONTEM, DOMINGO, FOI O DIA DA TRADICIONAL ENCENAÇÃO 

Rádio Uirapuru fez a cobertura

                                                          Fotos: Jonatha Caputo
 
O programa Sem Segredo do último sábado (22), apresentado por Ronaldo Rosa, com a participação do comunicador JG foi transmitido do Distrito de Pulador.
 
Participaram do programa o historiador Eduardo Knack, um dos organizadores da encenação, Jabs Paim Bandeira, o comandante dos Cavaleiros do Mercosul, Varlei Catto e voluntários do evento. O conflito que foi encenado ontem tem grande relevância histórica não só para Passo Fundo e região ou para o estado, mas também para o país.
 
O historiador Eduardo Knack destacou que a Batalha do Pulador que deixou marcas, encerrou o conflito da Confederação Federalista, no dia 27 de junho de 1894,  e que, apesar da derrota dos Maragatos, deixou um legado para a historia do Rio Grande do Sul.
 
 
A batalha foi o combate mais importante e sangrento da Revolução Federalista ocorrida em 1894 entre duas facções representadas pelos maragatos ou federalistas e os pica-paus ou republicanos. O comunicador Lucas Brasil narrou aos ouvintes da Rádio Uirapuru a encenação da batalha.
 
A Batalha do Pulador aconteceu no dia 27 de junho de 1894, quando cerca de 4.600 homens entraram em violento combate que perdurou por seis horas, com grande número de baixas nos dois lados, terminando com pica-paus e maragatos, já sem munição, lutando no corpo-a-corpo.
 
O saldo final de mortos e feridos ficou entre 800 a 1000 mortos. Um dos organizadores da encenação, Jabs Paim Bandeira, agradeceu o apoio da Rádio Uirapuru que contribuiu para que mais de 300 atores voluntários participassem do evento e que a comunidade acompanhasse ao vivo essa manifestação artística.
 
 

 
Colaboração: Hilton Araldi
 

"PERFIL GAÚCHO" NOVO CD DOS MONARCAS


 
"Perfil Gaúcho”, o novo CD do conjunto Os Monarcas, já chegou ao mercado e está à disposição dos fãs e dos admiradores da música tradicional gaúcha. É o 36º álbum da carreira do grupo e apresenta canções com muita vaneira, xote, chamamé, valsa e milongas. Um repertório dançante produzido com o tradicional trancão d´Os Monarcas. O novo álbum traz quinze faixas e destaca a música que empresta o nome ao CD: “Perfil Gaúcho”. A canção é um chamamé, escrita pelo compositor Miro Saldanha, que fala do amor do gaúcho por sua terra e suas tradições. O novo CD pode ser adquirido nas principais lojas de discos e também nos bailes do conjunto Os Monarcas.
 
Daiana Silva
Jornalista
(51) 8187.0085 (Vivo)
 
 
 
 

UM POUCO DE HISTÓRIA


SALADEIRO SÃO MIGUEL - UMA CHARQUEADA PASSO-FUNDENSE
 

Em 1914 a firma J.J. Magalhães & Cia. iniciou as atividades saladeris em Passo Fundo, tendo como local escolhido para a sua implantação a região conhecida como Umbu, próximo a Pulador.

Estando a cidade de Passo Fundo geograficamente situada na região do Planalto Médio e no interior do Estado, ou seja, sem litoral e observando que o modo tradicional e mais utilizado de escoamento da produção na época era o marítimo, seja pelos gastos com os fretes ou pela dificuldades do transporte rodoviário ou a pé, que emagrecia o gado e que era moroso, era preciso buscar outra forma de escoar a produção da charqueada passo-fundense.

Assim, para solucionar este problema o Saladeiro de São Miguel foi estabelecido às margens da linha da Viação Férrea do Rio Grande do Sul, isso facilitou a distribuição de seus produtos para o seu mercado interno e consumidor do centro do país.

Ainda não se pode esquecer de outro fator importante para a constituição de uma charqueada interiorana e fora do eixo principal – no caso, fronteiriço e litorâneo no Estado: a grande quantidade de gado aqui existente, aproximadamente 65.000 cabeças.

Mo que diz respeito ao Saladeiro de São Miguel, a sua produção na fase inicial foi de aproximadamente 10 mil cabeças de gado abatidas anualmente e exportadas para os principais centros como Bahia, Rio de Janeiro e Pernambuco. O Saladeiro comercializava em média 850 mil quilos de charque por safra, uma soma nada inexpressiva para uma empresa, que no início, era basicamente artesanal, não era provida de luz elétrica, nem água encanada e que dependia das linhas do trem para escoar sua produção.

Anos mais tarde, houve a ampliação da empresa, com a adesão na sociedade do pecuarista Jonathas Waihrich e do investidor Domingos Lopes, época em que a charqueada passou a ser denominada como Magalhães, Lopes & Waihrich.

No ano de 1927, Passo Fundo estava em 15º lugar no Estado em quantidade de bovinos com um rebanho de aproximadamente 196.500 cabeças de gado, contudo, o Saladeiro de São Miguel também sofria com a crise, pois a mesma trouxe a diminuição da procura do produto. Ocorre que o charque estava se acumulando, e parado em seu estabelecimento, onde as pilhas só aumentavam. Esse era o primeiro indício de prejuízos na indústria charqueadora e consequentemente do Saladeiro.

Mas o desfecho para a charqueada passo-fundense seria outro. Em meados de dezembro de 1931, à meia noite, após a passagem do trem de passageiros o Saladeiro de São Miguel incendeia e as chamas o consomem por completo. Neste fatídico episódio de destruição são perdidos maquinários, casas, equipamentos e todo o depósito de charque que possuía em seu estabelecimento. Segundo relatos, o fogo teria iniciado com as fagulhas do trem de passageiros que por ali passara.

Assim, o entreposto comercial saladeiril de São Miguel decreta a sua falência no ano de 1932, e põe a leilão o que restou de sua estrutura, como terras e imóveis, pois era necessário pagar o sinistro para que os seus proprietários recebessem o valor da apólice de seguros que haviam feito há aproximadamente um ano antes do acontecido.

Quanto à vila que existia ao redor do Saladeiro e ao entreposto comercial, composto por depósito de madeiras, moradias, armazéns que ali existiam, foram gradativamente se extinguindo como as chamas que consumiram com a empresa comercial ou indústria saladeiril que antes se situava naquele lugar.

Daniel Ricardo Damiani
Acadêmico do Curso de História
Imagem: Funcionários do Saladeiro São Miguel
Acervo particular João Carlos Wahrich Neto
Fonte: Acervo AHR

Arquivo Histórico Regional – UPF
R. Paissandu, 1576 – Centro
Fone: 3316 8516 – e-mail: ahr@upf.br – site: www.upf.br/ahr
Doações de documentos são recebidas o ano inteiro.

Colaboração: Hilton Araldi
 
 
 

domingo, 23 de agosto de 2015

DESAFIO FARROUPILHA



Nossos parabéns ao amigo e repórter Giovani Grizotti, a RBS TV e a dupla Cesar Oliveira e Rogério Mello (que receberão o Troféu Guri desta emissora) pela criativa iniciativa do "Desafio Farroupilha" que busca novos talentos da música regional gaúcha. Ontem ao meio dia, no programa Jornal do Almoço, os artistas apresentaram dois nomes, dos sete que serão escolhidos para a grande final. Foram vários minutos de um horário nobre falando e mostrando a nossa arte crioula. Na verdade, esta emissora é uma das poucas redes de comunicação de grande porte que ainda preocupa-se com a nossa cultura local (embora tenha muita gente que ainda reclame).
 
 
No CTG Caiboaté, em São Gabriel, foi escolhido o intérprete Fernando Saccol. No FEGGART, em Farroupilha (foto), foi selecionada Virginea Martins Mello.   
 
 
 
 

"PARELHA" JÁ É SUCESSO



Quinta-feira, no Pioneiro 35 CTG, foi o lançamento, aqui em Porto Alegre, deste belo e importante projeto cultural intitulado Parelha, isto é, espetáculos promocionais do CD de Érlon Péricles e Cristiano Quevedo. Pelo que se viu nesta noitada, o trabalho veio coroado de sucesso. 
 
E nosso amigo Érlon nos envia o seguinte chasque:
 
- Gostaria de agradecer ao MARCELLO CAMINHA e JOÃO LUIZ CORREA que fizeram as participações especiais, e agradecer ao trabalho da HARDEN CONSULTORIA, na pessoa do FABRICIO HARDEN nosso produtor que é o cara que fez o projeto e fez com que a coisa andasse...no mas foi uma bela festa no palco sagrado do tracionalismo em porto alegre, a primeira vez que tocamos lá, foi maravilhoso...




sábado, 22 de agosto de 2015

MORMO - NOTA DE ESCLARECIMENTO


Departamento de Defesa Agropecuária - Seap

Assunto: Ocorrência de mormo em Santana do Livramento/RS
 
Considerando as notícias veiculadas na mídia acerca da ocorrência de mormo em Santana do Livramento, o Departamento de Defesa Agropecuária tem a informar:
 
1) Não há casos suspeitos ou confirmados de mormo em equinos no município   de Santana do Livramento até o momento;
2) Não foram identificados vínculos epidemiógicos de propriedades de Santana
do Livramento, sendo o único foco confirmado de mormo, em Junho, no município de Rolante;
3) O DDA/SEAP localizou a propriedade envolvida na situação, visitada nesta sexta feira (21) – equinos existentes serão avaliados clinicamente – e interditada
preventivamente.
 
Fernando Henrique Sauter Groff
Diretor de Defesa Agropecuária/SEAP
IF 2372550 – CRMV/RS 5456

Av. Getúlio Vargas, 1384, sala 33, 2º andar – Prédio Central – Bairro Menino Deus – Porto Alegre – CEP 90150-900 – fone/fax: (51) 3288-6314



A FORÇA DAS REDES SOCIAIS



No semana passada, em nosso blog, resgatamos um projeto do legislativo municipal que vinha passando desapercebido por todos. Para dar um ar de atualidade, retiramos a data da citada proposição (que é lá de 25 de janeiro). 

Estamos fazendo referência ao PROC. NO 0247/15 - PLL NO 021/15, do vereador Claudio Janta, que estabelece que desfiles e paradas de caráter civil, militar ou folclórico, bem como festas da cultura popular, sejam realizados no Complexo Cultural do Porto Seco e determina que, para esse fim, sejam disponibilizadas estruturas permanentes nesse local.

Pois bueno. Compartilhado por dezenas de pessoas no facebook e por outros blogs que tratam da cultura nativa do Rio Grande, inclusive pelo Conselho de Cultura do Município de Porto Alegre (não vi nenhuma entidade tradicionalista aqui de Porto Alegre se manifestar - penso que estão de acordo com a transferência) o assunto ganhou peso. 

Ontem pela manhã, no programa Bom Dia Rio Grande, o jornalista Cláudio Brito falou no assunto, diretamente do Porto Seco (foto acima) e manifestou-se contrário as transferências dos desfiles, do acampamento, inclusive do próprio carnaval que já acontece lá. Disse que tal procedimento foi um erro e que deve-se respeitar as origens culturais e seus locais de identificação. 

Não queremos mérito algum por um assunto que levantamos ter-se tornado pauta de uma grande emissora. Isto já aconteceu outras vezes. Apenas queremos mostrar o nosso contentamento em poder contribuir, como cidadãos, para uma cidade e um estado melhor. 


     

 

VOLTEANDO DATAS / 22 DE AGOSTO


Dia Internacional do Folclore. Esta é uma palavra composta de Folk, que quer dizer povo, e Lore, que quer dizer saber, no idioma inglês. Até 1846, o recolhimento de cantos e contos , de lendas e para lendas, de crendices e superstições, de adágios e provérbios, de comparações e adivinhações populares, de usos e costumes de  um povo era classificado de Antiguidade Popular. Nesse ano o arqueólogo inglês William John Thoms escreveu uma carta ao jornal londrino “The Atheneum” lembrando que os fatos arrolados como Antigüidades Populares constituem, na verdade, de um Saber Popular e propôs que fossem chamados de Folclore. Essa carta foi publicada em 22.08.1846 e por essa razão o 22 de agosto é o Dia Internacional do Folclore.

Também num dia 22 de agosto, do ano de 1796, nascia em Taquari David José Martins, depois de 1825, David Canabarro, o quinto e último general farrapo, responsável pela assinatura do tratado de paz de Ponche Verde em nome dos farroupilhas. Seu nome também ficou relacionado em um episódio nebuloso daquele conflito, ou seja, a histórica Batalha dos Porongos, onde os Lanceiros Negros, sob suas ordens, foram desarmados e, naquela noite, emboscados pelos imperiais. Alega-se, sem provas substanciais, que tal fato havia sido acordado entre o comando revolucionário e Caxias. 


 

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

GAÚCHO PAGA PROPINA EM GARRAFA DE CANHA


Aqui no Rio Grande do Sul é assim. Não tem frescura de dólar em cuecas. As propinas são pagas em garrafas de canha mesmo. Coisa de macho! Ou seria coisa de quem bradou inocência porque escapou da Operação Rodan, por falha no processo?

E não me venham com esta lenga-lenga de que somos o povo mais politizado do Brasil. Com o voto dos gaúchos "eles" estão lá pelo Planalto Central, mamando de novo... 



Relatório da Polícia Federal encaminhado ao Supremo Tribunal Federal afirma que José Otávio Germano (PP-RS) e Luiz Fernando Ramos Farias (PP-MG) pagaram R$ 200.000 como “agrado” numa embalagem de “garrafas de cachaça” para Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, favorecer a empresa Fidens Engenharia.

THIAGO BRONZATTO
20/08/2015 - 14h58 - Atualizado 20/08/2015 16h01 

O primeiro relatório de conclusão da série de investigações de políticos envolvidos na Operação Lava Jato, conduzidas pela força-tarefa da Polícia Federal em Brasília, foi finalizado e protocolado no Supremo Tribunal Federal (STF) na última quarta-feira (19/08). Trata-se de um relatório que compromete o Partido Progressista (PP). Segundo a PF, os deputados José Otávio Germano (PP-RS) e Luiz Fernando Ramos Farias (PP-MG) agiram em favor da contratação empresa Fidens Engenharia para atuar em obras do Comperj, no Rio de Janeiro, e da Refinaria Premium I, no Maranhão, da Petrobras. Para viabilizar a contratação da companhia pela estatal, os parlamentares deram um “agrado” de R$ 200.000 em espécie no hotel Fasano, no Rio de Janeiro, para Paulo Roberto Costa, então diretor de abastecimento da Petrobras e delator do escândalo do Petrolão. 

O pagamento do “agrado” de R$ 200.000 pela contratação da Fidens foi feito numa embalagem utilizada para acondicionar “garrafas de cachaça” num quarto do hotel Fasano, em Ipanema, no Rio de Janeiro, onde estavam hospedados os dois deputados do PP, segundo Paulo Roberto Costa. A Polícia Federal teve acesso a um registro de reserva realizado no dia 30 de agosto de 2010 em nome dos dois parlamentares  – e uma diária de um quarto duplo em nome de José Otávio Germano, entre o dia 1º e 2 de setembro de 2010. Essa estadia foi confirmada, inclusive, pelo próprio parlamentar, em seu depoimento. Diante da inexistência de vídeos da época da hospedagem dos deputados, a PF mapeou os extratos de chamadas telefônicas realizadas entre os dois parlamentares e o executivo Rodrigo Alvarenga Franco. Foram encontradas 27 ligações entre José Otávio Germano (PP-RS) e Luiz Fernando Ramos Farias (PP-MG), além de 44 contatos entre Luiz Fernando e Rodrigo Alvarenga. Foi constatada também a entrada de Luiz Fernando Ramos no escritório do doleiro Alberto Youssef, em São Paulo, no dia 20 de setembro de 2011. Segundo Youssef, em depoimento à PF, a Fidens foi contratada para a obra de terraplanagem da refinaria Premium I devido a “uma ingerência pessoal do Deputado Federal LUÍS FERNANDO do Partido Progressista junto a PAULO ROBERTO COSTA, sendo que a comissão seria paga diretamente ao mesmo pela FIDENS”.