RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Retratista: Desconhecido

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

terça-feira, 4 de agosto de 2015

REPONTANDO DATAS / 04 DE AGOSTO


Num dia 04 de agosto, do ano de 1849, morre, na Itália, Anita Garibaldi



O CÚMULO DA INCOMPETÊNCIA!


Toniolo divulga vídeo pichando Monumento aos Açorianos 
"pela milésima vez"

 Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Por: Gustavo Foster

É até difícil ver o Monumento aos Açorianos em sua forma original. Um dos alvos preferidos de pichadores em Porto Alegre, a escultura inaugurada em 1974 pelo artista Carlos Gustavo Tenius tem um danificador contumaz: Sérgio José Toniolo, mais conhecido apenas pelo último nome. No último sábado, o pichador foi além e publicou um vídeo em que aparece pintando o monumento "pela milésima vez".

No registro, Toniolo aparece usando um spray de tinta amarela para pintar seu nome seis vezes no aço patinável do monumento, que já tem o nome do ex-policial civil de 69 anos pintado outras tantas vezes em branco. Na maioria das vezes, Toniolo pinta por cima de pichações aparentemente mais antigas.

De acordo com a promotora de Justiça Ana Maria Moreira Marchesan, da Promotoria de Defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre, a ação é crime e se enquadra na Lei de Crimes Ambientais (9.605, de 12 de fevereiro de 1998). O problema é que, para a Promotoria, Toniolo é um fantasma.

– Ele é uma lenda. Já estou há alguns anos trabalhando nessa área e nunca o processei, ao contrário de outros pichadores que são constantemente pegos. Eu nem sei te dizer se não é uma dessas identidades assumidas por um grupo. A gente nunca conseguiu pegá-lo – diz a promotora.

Há duas formas de enquadrar um pichador: denúncia ou flagrante. Agora, com um vídeo publicado na internet, é possível que um processo tome corpo. Segundo Ana, isso "certamente" vai acontecer.

Com vistas numa provável restauração próxima, autoridades têm dúvida se vale a pena gastar dinheiro e tempo limpando as letras de Toniolo – e de tantos outros pichadores que ali já deixaram suas mensagens. O monumento está quase destruído pela corrosão, e Luiz Bolcato Custódio, coordenador da Memória Cultural da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, diz que a urina (tanto humana quanto animal) e a umidade já deixam a obra a ponto de cair:
– O problema principal é a degradação do metal. A pichação, em si, é um problema estético secundário – garante, para depois completar: – Mas esse cara existe? Eu achava que era mito, que não era uma pessoa, mas alguns seguidores. Então ele está vivo...

Um projeto de restauração do Monumento aos Açorianos já está praticamente pronto, esperando por recursos. As peças da parte de baixo da obra seriam retiradas, trocadas por chapas de aço do mesmo formato e espessura e refixadas na base de concreto. Quem explica é Edegar Bittencourt da Luz, arquiteto responsável pela instalação da obra em 1974 e designado para essa reforma. Preço e tempo para executá-la não estão definidos, mas quando o documento foi lançado, há mais de dois anos, a ideia era gastar cerca de R$ 190 mil – valor contestado por Carlos Tenius, o escultor responsável pelo monumento.

Tenius não se preocupa mais com pichações. Já se acostumou a ver sua obra cheia de intervenções. Ri ao falar de Toniolo – "a gente convive, não tem outro jeito" – e se surpreende ao saber que o pichador segue ativo. Aos 76 anos, o escultor e professor segue trabalhando com arte e tem um projeto em andamento para Porto Alegre, algo sobre o qual não pode dar detalhes. Seu maior medo é que a corrosão no Monumento aos Açorianos faça com que seu trabalho acabe ruindo. Até por isso, já definiu o material do próximo trabalho:
– Essa eu vou fazer de aço inoxidável, para evitar esses problemas.

Nota do blog: Desde que vim para Porto Alegre, isto há mais de quarenta anos, vejo, por todos os cantos, pichações deste senhor que, para mim, é um débil mental. Mas o que realmente preocupa é ler que os responsáveis por reprimir este tipo de crime consideram este sujador de monumentos como “um fantasma” e, por isso, não conseguem prendê-lo. Isto é o cúmulo da incompetência! 





segunda-feira, 3 de agosto de 2015

OS JOVENS E A TRADIÇÃO




"Hoje no barraco, / Quero uma pessoa, / Pra passar a noite, / Só fazendo coisa boa. ... E dai em diante, Ninguém é de ninguém, Todo mundo se pegando..."

Este é o Tche Garotos no Galpão Crioulo deste domingo, grupo voltando as origens Gaúchas!!!! "Com foco na tradição" como disse o Neto.
 
Fim de semana com o maior festival Mirim do estado, 1500 crianças, Tchê Encontro com 500 jovens reunidos em Ametista... e ainda gente que só adora dar ênfase ao maxixe reclamando: "MTG nunca me manda matéria!".
 
A foto é no Tche Encontro, do Rogério Bastos, pq nem vale a pena dar ênfase aquilo que se "diz" tradição... muito melhor é mostrar tradição de verdade.

Somos grandes e somos fortes, cada vez mais... durma-se com esse barulho. E ainda nos cabe valorizar outros pontos fortes de cultura gaúcha fora dos CTGs, como nativistas, campeiras, pajadas, ou uma simples roda de chimarrão em volta do fogo de chão, onde "Cachorro perigoso" é quando um capa preta foge do pátio do vizinho.
 
 
 

OIGA-LÊ RIO GRANDE VÉIO!



SAINDO PRAS LIDAS
(Léo Ribeiro)
 
Depois de uns dias no "lagoão salgado",
golpeando uns mates ao clarão da lua,
já na cidade vou sair pras ruas
pois de dinheiro não nasci folgado. 
Mas pela "rádia" tenho escutado
que hoje é um dia de muito perigo
e até a brigada vai ficar no abrigo
deixando livre toda anarquia....
Não sou medroso mas por garantia
meu "canivete" vou levar comigo.
 
 
Obs: Diante de toda esta situação absurda, só levando a coisa na farra, embora seja tudo muito sério. Mas no fim, tudo vai dar certo.... Boa segunda-feira a todos.
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 

domingo, 2 de agosto de 2015

PREMIADAS NA COXILHA NATIVISTA


FASE GERAL   

 
Primeiro Lugar:   Quando Proseio Com os Velhos
Autores: Sílvio Genro/Tuny Brum
Interpretação: Tuny Brum 

Segundo Lugar:  A Fronteira e o Vento                                                    
Autores: Jaime Vaz Brasil/Nilton Junior/João Bosco Ayala
Interpretação: Robledo Martins e Grupo Chão de Areia 
 
Terceiro Lugar:  Balcãozito Curandeiro                     
Autores: Diógenes Lopes/Robson Garcia
Interpretação: Robson Garcia 
 
Mais Popular:  Peão Gaudério                                     
Autor: Sergio Matias
Interpretação: Sergio Matias 
 
Tema Sobre Cruz Alta:  Apego
Autores: Jorge Moreira/Beto Barcellos
Interpretação: Beto Barcellos  
 
Melhor Intérprete:  Cristiano Fantinel -  Meus Guardiões
Melhor Instrumentista:  Luciano Maia -  Testemunha
Melhor Letra:  A Fronteira e o Vento - Jaime Vaz Brasil 
Melhor Melodia:  Quando Proseio Com os Velhos - Tuny Brum 
Melhor Arranjo: Meus Guardiões (Luiz Carlos Ranoff) 
Melhor Conjunto Vocal:    Apego  (Beto Barcellos e Grupo) 
Melhor Indumentária:   Guto Gonzales  -  Aquarela Aporreada 
 
FASE LOCAL: 
 
Primeiro Lugar:  Quem Vem Lá
Autores:  Jorge Nicola Prado/Kauê Diaz
Interpretação: Leonardo Diaz Morales 
 
Segundo Lugar: Coxilhas
Autores: César Silveira/Aquiles Dias
Interpretação:  César Silveira 
 
Terceiro Lugar:   Apego
Autores: Jorge Moreira/Beto Barcellos
Interpretação: Beto Barcellos 
 
Troféu Baianinho:  Apego  
 
Troféu Origens:   Beto Barcellos
 
 
Fonte: blog Ronda dos Festivais
 
 




PARA DESCONTRAIR UM POUCO...


CHARLA DE PEÃO
 
*Juarez Cesar Fontana Miranda
 
Cassetinho com Chimia

Buenas Gauchada!
 
Cuê-pucha, me infiaram a picana no alcatre, tchê!
 
Bueno, fui lá na cidade, na cooperativa de produtores, da qual sou associado, para comprar trigo. Paguei quase dois pilas por quilo.Isso é uma barbaridade!
 
Me disseram que o motivo foi a quebra da safra. Segundo a Emater a perda na produção, andou beirando os cinquenta por cento.
 
- Entonces o cacetinho virô uma cacetada, parcero? 
 
- É verdade, Eleutério. Só que cacetada é com “c” e cassetinho é com dois “ss”. A palavra vem de Paris, na França. Lá, ainda hoje, existe uma rua com o nome de Cassete, onde, desde 1800, fazem com farinha de trigo, água e sal, o “pão françês”. 
 
- A la fresca, eu pensava qui u cassetinhu era um pão missionero, tchê!
 
Te digo isso, pruque teve um tempu qui eu andei chibiando de chalana, nas água do Uruguai, arrancacontrabandianu farinha de Yapeju prá São Marcos. De certa feita, eu tava isperanu a noite chegá i a Gendarmeria Argentina afloxá a guarda, prá mete o bote na água. 
 
Sentado nas barranca eu dava uma linhada, prá disfarça, inquanto chuliava us milico du otro lado do rio. Foi aí qui eu sinti um ronco nas tripa i me dei conta qui as bicha já tavum cum fome, de novo, entonces me bandiei prá venda, prá forrá u bucho cum uma bóia casera, da Lica, a criola du nego Sebo.
 
Entrei, puxei uma cadera, me sentei ocupanu uma mesa, defronte da janela que dá prus ladu du rio i fiz um pidido pru Sebo:
- Ô Sebo, me enche uma gamela de bóia prá cevá as lumbriga, tchê!
- Seu Eleutério, hoje nóis temo sem bóia. A Lica não tá. Foi fazê uma canja de galinha prá irmã dela, a Néia, qui tresontonte pariu um piá.
- A La pucha, tchê! Nem café?
- Bueno, prá um cafezito se dá um jeito, vivente!
-Tá loco de especial. Entonces ma enche uma cambona de café cum leite i a cabresto, um pão d’água cum mortandela.
- Insiguidita, no más, índio veio.
passadu uns dez minuto, me vem u negu Sebo cum uma cambona de leite, ispumando de quente, uma gamela atuida de pão i uma cumbuca de porongo cum doce inté us gurgumiu.
- Taura, u café já tá na mão i como nóis temo sem boia, u pão i a mistura é pur conta da casa.
- Mas ah, Sebo véio. Tu não te mixa pur poca cosa, heim tchê!
- Por supuesto, i más uma cosita, Parcero! Esse pão qui eu vô te regalá, troxe lá da pulperia do turco Mozia: é um tal de Cassetinho i de lambuja não vai uma mortandela michuruca, vai uma chimia das buenacha, de goiaba, daqui das barranca e feita pela Lica, nu tacho dus ciganu.
 
Nun vá, aboletei a chimia Nu tal do cassetinhu i me atraquei na caneca de café cum leite. Quanu tava nu meio da tribuzana, senti chero de carniça. De soslaio, ispiei pela janela e vi, se aproximanu, um chibero, daqueles borracho pur demás, i pió: correntino.
 
Mi fiz de chancho rengo, mas u disgramadu du argentino, cum uma bituca infiada nus beiço i ruminando uma goma de mascá, foi inticanu:
- Buenas gaudério, tienes fuego?
- Não tenho, tchê!
- Tchê, te gusta uma gomita?
- Ô correntino, taura bueno não mastiga chiclete, prá afiá us dente, serve um naco de charque.
- Y que estás comiendo?
- Tu não tá venu qui é pão, tchê? Issu aqui é um cassetinho, tu naum conhece?
- No conosco. Tu pan tiene solo cascará.En argentina nosotros solo comemos la parte más macia. La parte más dura ponemos en una olla de cobre, hacemos cassetinhos i los vendemos a los gaúchos.
- Y que estás poniendo en el pan?
- É chimia, ora!
- Em argentina no hay chimia. Nosotro solo comemos la fruta, fresquita no más. Las cascarás i las semillhas ponemos en una olla de cobre, hacemos chimia i vendemos pa los gaúchos.
- Entonces, me diz uma cosa, correntino esgualepado: U qui vocês fazem cum as camisinha depos di usá elas?
- Nosotros las pusimos en el latón de la bassura.
- Nós não. Premero nóis usemo bastante, adespos vamu juntanu inté inche uns quatro o cinco pinico, aí nóis soquemu tudu num tacho de cobre, metemu fogo, transformemo in chiclete e vendemo tudu prus argentinu.


*Escritor e Poeta Nativista 
juarezmiranda@bol.com.br
 
 
 

sábado, 1 de agosto de 2015

SOMOS IGUAIS A TODA A RALÉ POLÍTICA


Caros amigos leitores do blog. Hoje, como todo gaúcho que se preze, estamos entristecidos, desiludidos, desonrados com a série de desmandos políticos e administrativos que há tempos vem acontecendo em nosso Estado e que culminou naquilo que todos nós já sabemos, ou seja, o fracionamento do pagamento do funcionalismo público estadual. Mas isto foi só o reflexo, a gota que fez derramar um copo que continha mais sujeira do que água pura de vertente.
 
Segundo informações, há 37 anos viemos gastando mais do que recebemos. Portanto, não cabe aqui responsabilizar este ou aquele governo. TODOS foram incompetentes. A diferença é que antes tinha fundos de pensões, precatórios, decisões judiciais e outros caixas que permitiam tapar o furo. Foram empurrando com a barriga e agora nasceu a criança. Criança não, um monstro.
 
O que mais me indigna, como eleitor de Sartori, não é o problema em si, visto que, como disse, não é dele a culpa. O que me chateia, foi a forma como o problema foi repassado. Um gaúcho não manda recado. Vai lá e diz. Um verdadeiro líder não é aquele que mostra o rumo mas sim aquele que abre o caminho. 
 
Agora vamos ficar jogados (ainda mais) as traças, a sorte, ao Deus dará...

E não esperem nada do poder central pois este é sugador, vampiresco, embolsador. Não está nem aí para os estados e municípios. Querem mais é engordar seus partidos, seus próprios bolsos, naquela sanha maquiavélica de, chegando ao poder, matar a própria mãe para lá permanecer.  
 
Também não me venham mais com a ladainha de que gaúcho é politizado. Quem reelege um deputado que só escapou do processo do DETRAN por falha técnica no citado processo e que agora com nosso voto (não o meu) está novamente relacionado nos recebedores de propina da Petrobrás, quem bota na Assembleia Legislativa uma pessoa que foi ótimo jogador de futebol mas que, se perguntado, não sabe porque está lá, não pode orgulhar-se, estufar o peito e dizer que é o povo mais politizado do País. Somos iguais a toda a ralé política que campeia de sul a norte do Brasil.
 
Me desculpem, mas não estou com ânimo para falar em cultura num momento como este.
 
Bom fim de semana a todos.
 
 
 
      

sexta-feira, 31 de julho de 2015

PAULLO COSTA NO BOTECO TCHÊ





LEONEL GOMES FARÁ SHOW


NO 3º APARTE DA CANÇÃO NATIVA DE CACHOEIRA DO SUL

 
O cantor, compositor e gaiteiro de Santana do Livramento Leonel Gomez fará o show de intervalo do 3º Aparte da Canção Nativa, que acontecerá dia 2 de outubro no CTG José Bonifácio Gomes, dentro da programação da 65ª Feira Agropecuária de Cachoeira do Sul (Feapec). O evento é promovido pelo Sindicato Rural, CTG José Bonifácio Gomes e Núcleo Cachoeirense de Compositores Nativistas (NCCN).

 

Para César Sena, patrão do CTG, o show de Leonel Gomez é a chave de ouro para fechar a programação do Aparte.
 
“Um artista que tem o perfil do festival: campeiro, original, com um canto que integra as pátrias gaúchas, que fala o nosso dialeto e traz a sonoridade de campo em seu timbre autêntico e na voz de sua cordeona”, enfatiza.
 
Cleiton Santos, secretário do NCCN, afirma que Leonel Gomez desfruta de uma sólida imagem junto ao público nativista. “Fiel às origens e sempre muito influenciado pelas culturas uruguaia e argentina, interpreta temas genuínos e, além de compositor e cantor de muitos sucessos, é também um instrumentista virtuoso e virá acompanhado de um grupo de músicos que figuram na elite dos festivais”, acrescenta.

Gomez, que começou a ganhar notoriedade como gaiteiro e tocando com Luiz Marenco, nos anos 90, já lançou oito Cds, participou do longa-metragem Cerro do Jarau, venceu dezenas de festivais e tem como principais parceiros musicais os poetas Rogério Ávila, Jayme Caetano Braun, Sérgio Carvalho Pereira, Gujo Teixeira, Tadeu Martins, Anomar Danúbio Vieira, Evair Gomez e Fernando Soares, entre outros. É natural de Sant'Ana do Livramento, com 30 anos de carreira.
 
Já foi indicado quatro vezes ao Troféu Açorianos de Cultura. É autor de Romance Musiqueiro, El Bocal, La Campana, Pela Cordeona do Tempo, Namoro de Corvo, Ladrão de Vaca entre outras obras.
 
ABERTURA - O espetáculo de abertura do 3º Aparte da Canção Nativa será instrumental, a cargo de Felipe Radünz, graduado em Música pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) e seus convidados. Radünz é neto do idealizador do Aparte da Canção Nativa, Elêm Cavalheiro Bartmann, um dos fundadores do NCCN, é associado ao CTG José Bonifácio Gomes e de tradicional família agropecuarista, ligada ao Sindicato Rural de Cachoeira do Sul.
 
Radünz já participou de mais de uma centena de festivais como instrumentista, compositor ou fazendo shows. “Além de uma homenagem à memória do 'seu' Elêm, é uma forma que encontramos de valorizar também a composição instrumental, que raramente ganha o devido espaço. Não há música sem melodia”, resume César Sena.
 
O espetáculo instrumental terá cinco obras clássicas do folclore gauchesco e latino, de compositores gaúchos, uruguaios e argentinos, e será seguido das 12 composições concorrentes. Depois destas, Leonel Gomez faz o show e, em seguida, será anunciada a premiação.
 

INSCRIÇÕES
As inscrições para o 3º Aparte da Canção Nativa estão abertas até o próximo dia 15 de agosto. O regulamento, fichas e a inscrição automática podem ser feitos no blog www.apartedacancao.blogspot.com.br.
 
Até a última quarta-feira, 42 composições já haviam sido inscritas e recebido as respectivas confirmações. Os organizadores esperam cerca de 500 inscrições. A ajuda de custo por composição é de R$ 2 mil e a premiação será com troféus personalizados. 
 
JURADOS
Mateus Neves da Fontoura, Rafael Teixeira Chiappetta, Zé Renato Daudt, Andrigo Xavier e Manuel Oribe Fernández Alves (Negro Manolo).

  

quinta-feira, 30 de julho de 2015

UM PROBLEMA ANTIGO, MAS RECORRENTE



Fico muito feliz ao saber que jovens talentos do nosso Rio Grande do Sul, emprestam suas vozes para as canções dos compositores dos festivais nativistas do Estado!
 É gratificante ver e ouvir nossos versos e melodias nos palcos de rodeios e festivais, é a continuidade, a renovação, a arte cumprindo seus ciclos.
 Porém deixo registrado um pedido e um alerta: quando buscarem um composição para apresentar, informem-se quem são realmente os autores daquela música; quem escreveu a letra, quem compôs a melodia. Soube que no Festival Gaúcho e Gastronômico de Arte e Tradição muitos intérpretes se refiram a apenas um autor ou, pior ainda apenas a quem cantou ou gravou determinada obra. Sugiro aos professores que orientem seus alunos nesse sentido, sugiro que se coloque nos regulamentos desses eventos a obrigatoriedade de se citar a autoria correta, no ENART peço que o amigo cantor vice presidente José Roberto Fischborn tenha um olhar terno a esse respeito.
Um poema, uma melodia são como filhos, para seu autor, quando são apresentadas, sem a devida identificação e referência, nos sentimos desvalorizados em nosso arte. Não se trata de vaidade, mas de respeito ao nosso trabalho e daqueles se dedicam à criação artística de corpo e alma.
Adão Quevedo - Músico e compositor
 
Nota do blog: A manifestação acima é do meu amigo, músico e compositor de São Lourenço do Sul, Adão Quevedo. Tal nota recebeu dezenas de manifestações de apoio de diversos autores, contando histórias onde seus nomes também foram e são esquecidos. Na realidade, em nosso meio, o nome que aparece é o de quem sobe no palco, pouco importando quem é o criador da obra apresentada. Uma tremenda injustiça.
Também vou contar uma passagem ocorrida comigo.
Quando entrei na maçonaria, fiz um poema que se tornou nacionalmente conhecido intitulado Um Gaudério na Irmandade, que conta, de modo bem autêntico, a visão de um gaúcho interiorano (no caso eu) diante daquela novidade.
Pois bueno.
Certa feita dando uma campereada na internet vi o citado poema tendo como autor outra pessoa.
Não precisa dizer que subi num porco...
Rastreando o caminho de volta, cheguei ao dito cujo, que mora em Brasília.
Não tive dúvidas em pegar o telefone e ligar para ele. Sabem qual foi sua justificativa, talvez mal acostumado com os meandros das politicagens de nossa capital federal?
- Achei bonito e resolvi botar meu nome!
Agora o detalhe final:
O indivíduo que resolveu, na mão grande, se apoderar de meu trabalho é "irmão", ou seja, maçom! 
 
 
 
      

quarta-feira, 29 de julho de 2015

E A CHAMA VEM VINDO....

 

Dez gaúchos brasileiros e dez gauchos uruguaios já passaram pela belíssima Punta Del Este e rumam ao Chuí, donde deverão chegar na virada do mês. E a chama votiva vem se refestelando no candeeiro crioulo para ser repassada a dezenas de piquetes que a esperam do lado de cá.
 
 
 
 

NESTE SÁBADO TEM SARAU


 
 

2ª TERTÚLIA DA POESIA DE SANTA MARIA




7 de novembro de 2015 
Theatro Treze de Maio – Santa Maria, RS

Alguns tópicos do regulamento
Art. 4º - A 2ª TERTÚLIA DA POESIA é uma promoção/realização da Prefeitura Municipal de Santa Maria, Galpão da Poesia Crioula e CPF Piá do Sul.
Art. 8º - Somente poderão participar poemas inéditos, ou seja, que não tenham sido gravados, impressos ou divulgados em qualquer veículo de comunicação de massa, podendo, entretanto, terem participado de outros festivais, desde que não tenham sido premiados ou registrados em disco ou livro.
Art. 9º - Os poemas deverão versar sobre os usos e costumes tradicionais do povo gaúcho, sendo que o tema deverá estar devidamente identificado com o contexto histórico, político, econômico, social, artístico ou cultural do Rio Grande do Sul, podendo ser valorizados os aspectos locais.
Art. 12º - Cada poeta poderá inscrever quantos poemas desejar, podendo classificar apenas 01 (um).
Art. 13º - Cada trabalho inscrito deverá estar acompanhado da ficha de inscrição preenchida, e de 01 (uma) cópia do poema, digitado em fonte tamanho 12 (word ou similar), constando apenas o título. Não será necessária a gravação.
§ único: Somente serão considerados inscritos os trabalhos que receberem a confirmação do efetivo recebimento por parte da comissão executiva.
Art. 14º - As inscrições serão encerradas no dia 01 de setembro, impreterivelmente.
Art. 15º - Os trabalhos deverão ser enviados para um dos endereços abaixo:
a) Correio ou pessoalmente: Casa de Cultura de Santa Maria/2ª Tertúlia da Poesia, Praça Saldanha Marinho, s/nº, Santa Maria, RS.
b) E-mail: tertuliadapoesia@gmail.com
Art. 16º - A Comissão Avaliadora selecionará até 12 (doze) poemas, que comporão o CD da 2ª TERTÚLIA DA POESIA.
Art. 18º - O CD da 2ª TERTÚLIA DA POESIA será gravado antecipadamente e lançado durante o evento.
Art. 19º - Os autores serão responsáveis pela gravação do trabalho selecionado e deverão entregá-lo gravado em CD até o dia 08 de outubro, única oportunidade de corrigir a ficha técnica com o nome dos autores, intérpretes e amadrinhadores, para o encarte ou capa do CD da 2ª TERTÚLIA DA POESIA. Vale a data do efetivo recebimento e não a de postagem.
§ único: Em caso de entrega da gravação via e-mail este deverá ser no formato “wave” (não mp3).
Art. 20º - O trabalho que não for entregue gravado na data estipulada será desclassificado e substituído pelo 1º suplente na classificação, e assim sucessivamente.
Art. 21º - O estúdio para a gravação do trabalho é de inteira responsabilidade dos autores, porém a qualidade da gravação deverá ser aprovada pelo produtor do disco e o técnico de masterização.
§ único: Caso a gravação não seja aprovada, o concorrente terá o prazo de até 04 (quatro) dias para entregar nova gravação, sob pena de substituição pelo trabalho suplente.
Art. 22º - A duração da gravação não poderá exceder a 08 (oito) minutos, sob pena de ser editado pelo técnico de masterização ou desclassificado.
Art. 24º - Os poemas serão apresentados no palco da 2ª TERTÚLIA DA POESIA no dia 07 de novembro de 2015, sábado, a partir das 20 horas.
Art. 25º - A apresentação no palco deverá ser realizada pelos mesmos que participaram da gravação, salvo motivo de força maior e com autorização expressa da comissão executiva.
Art. 27º - Cada declamador ou amadrinhador poderá participar da apresentação de apenas 01 (um) poema, de sua autoria ou não.
Art. 28º - Os declamadores e amadrinhadores, quando da apresentação, deverão estar pilchados com a indumentária gaúcha.
Art. 32º - Para a apuração dos vencedores a avaliação levará em conta o conjunto, ou seja, o poema e a apresentação no palco.
Art. 33º - A escolha do “Melhor Poema” observará somente a qualidade da obra literária, assim como a escolha do “Melhor Declamador” e “Melhor Amadrinhador” levará em conta o desempenho individual.
Art. 34º - Os critérios de avaliação serão de responsabilidade da Comissão Avaliadora (julgadora).
Art. 35º - A Comissão Avaliadora da 2ª TERTÚLIA DA POESIA, indicada pela Comissão Executiva, será composta por pessoas de reconhecida capacidade e conhecimento, sendo de 3 a 5 componentes. Suas decisões avaliativas, técnicas ou subjetivas, serão soberanas e irrecorríveis.
Art. 36º - Cada um dos 12 (doze) poemas selecionados para participar da 2ª TERTÚLIA DA POESIA receberá uma premiação (ajuda de custo) no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), entregues logo após a apresentação do trabalho no palco, para o autor ou para o declamador, através de cheque nominal.
Art. 37º - Os autores receberão a quantidade de 10 (dez) CDs do evento para cada poema de sua autoria apresentado no palco da 2ª TERTÚLIA DA POESIA, a título de ressarcimento pelo custo da gravação.
Art. 38º - Os vencedores receberão a seguinte premiação:
1º lugar  ...................................               Troféu Antonio Augusto Ferreira + R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais)
2º lugar ....................................               Troféu Antonio Carlos Machado + R$ 1.000,00 (mil reais)
3º lugar  ...................................               Troféu Prado Veppo + R$ 500,00 (quinhentos reais)
Melhor Poema ........................               Troféu Jayme Caetano Braun + R$ 500,00 (quinhentos reais)
2º lugar ....................................               Troféu Chico Ribeiro + R$ 300,00 (trezentos reais)
3º lugar ....................................               Troféu Joarez Fialho  + R$ 200,00 (duzentos reais)
Melhor Declamador(a) ............               Troféu Marco Aurélio Campos + R$ 500,00 (quinhentos reais)
2º lugar ....................................               Troféu Ladmir Candaten + R$ 300,00 (trezentos reais)
3º lugar ....................................               Troféu Renê da Silva Nunes + R$ 200,00 (duzentos reais)
Melhor Amadrinhador(a) ........                Troféu Noel Guarany + R$ 500,00 (quinhentos reais)
2º lugar ....................................               Troféu Cenair Maycá + R$ 300,00 (trezentos reais)
3º lugar ....................................               Troféu Chaloy Jara + R$ 200,00 (duzentos reais)
 

terça-feira, 28 de julho de 2015

ASSIM QUE SE PROCEDE



O presidente do MTG, Manoelito Carlos Savaris, em Farroupilha, acompanhou a Edição de Ouro do FEGGART. Foi recepcionado pelo prefeito Claiton Gonçalves, e o presidente do evento, Tiago Ilha.
 
O FEGGART de Farroupilha foi um sucesso. Que coisa buena para a cultura regional gaúcha. Contudo, se retrocedermos um pouco no tempo, nos lembraremos da série de empecilhos que antecederam a realização deste grandiosos evento. Os debates entre o MTG e a administração de Farroupilha foram longos e, por vezes, ríspidos. Tudo foi resolvido com muita prosa, lapidação de arestas e bom senso. Entraves que se resolveram a moda gaúcha, isto é, com uma cuia de chimarrão circulando. 
 
Eu, sinceramente, imaginei que, mesmo com os pormenores resolvidos e feridas cicatrizadas, ninguém do MTG apareceria pelas bandas de Farroupilha. Pois, com prazer, mordi a língua.

O representante maior do Movimento Tradicionalista Gaúcho, ou seja, seu Presidente Manoelito Carlos Savaris, cavalheirescamente esteve em Farroupilha prestigiando as festividades, onde foi recebido pelo Prefeito Municipal, senhor Claiton Gonçalves e pelo Presidente do FEGGART, o jovem Tiago Ilha.

Como diria meu amigo Joca Martins: - Aí que eu me refiro....


  
  

segunda-feira, 27 de julho de 2015

A VOLTA DO NOVELEIRO


 
Eu sou um ex-noveleiro, pois já gostei muito de novelas. Lembro que ali pelos meus 10 anos, como não tínhamos televisor em casa, saíamos (meu pai, minha mãe, meu irmão e eu) TODAS as noites para ir assistir "O Direito de Nascer" na casa de uma tia, cinco quadras de nossa residência, lá em São Chico de Paula, isto na década de 60. Antes disto, lá pela legendária Aratinga, eu já escutava, junto com minha saudosa mãe, as novelas de rádio. Aliás, o meu nome de Francisco (Léo Francisco Ribeiro de Souza) vem de um personagem de novela que minha mãe adorava. Deveria ser o "galã" da dramaturgia....
 
Não perdia um capítulo do Meu Pé de Laranja Lima, Bem Amado, Saramandáia, Roque Santeiro e ai a coisa foi degringolando... A Globo, em busca de audiência, perdeu-se como referência neste segmento e, atualmente, o que se vê é o mal sobrepujando-se ao bem, a degradação da família, a sacanagem imperando.
 
Mas, e sempre tem uma "mas", uma nova série está me atraindo para a frente da TV todos os dias, as seis da tarde. É a novela Além do Tempo. Talvez por ser de época, ou por que tenha sido filmada aqui pelos pagos do Sul, mostrando uma fotografia incrível, com nossos vinhedos, nossos cânions, enfim, muito de nossos costumes (a novela se passa entre o centro do país e Porto Alegre), eu me pego grudado diante do televisor. 
 
Espero que continue assim, com um enredo bonito e com um show de paisagens sulistas, como esta das mulheres, em uma festa italiana, amassando uvas.
 
 
 
 
      
 
  

domingo, 26 de julho de 2015

PARABÉNS, FARROUPILHA!


PARABÉNS TV COM! FEGGART FOI UM SUCESSO! 
 
Devo confessar que neste domingo não botei os pés para fora do rancho. A bem da verdade só levantei do catre para passar uma água no lombo. Até o "vazio" que eu havia comprado para levar à churrasqueira foi parar no forninho do fogão, sob os cuidados da prenda. E tudo teve um motivo único. A transmissão ao vivo pelo Canal 36, a nossa TV COM, desta maravilha que foi o FEGGART de Farroupilha em sua Edição de Ouro. 
 
Me grudei diante do televisor do quarto e não afrouxei mais.
 
O evento que deu origem ao atual ENART, desde sexta-feira, reculutou centenas de artistas e bailarinos amadores nas oito categorias propostas. Invernadas artísticas foram trinta e três onde 20 classificadas reapresentaram-se no dia de hoje, sob a ótima apresentação do pajador Pedro Junior Lemos da Fontoura. Vi todas!
 
Pedro Pedroso, vice-prefeito de Farroupilha, um dos grandes responsáveis pela reativação do festival e a grande declamadora Liliana Cardoso, diversas vezes campeã na década de 80 e 90, assessoraram com competência nos comentários televisivos. 
 
Estão de parabéns todos os promotores, organizadores, autoridades municipais, o repórter Giovani Grizotti, Tiago Soldá, Tiago Ilha, Alexandre Batisti, Claiton Gonçalves (ilustre prefeito de Farroupilha), e demais pessoas que trabalharam voluntariamente para a realização deste espetáculo que nos deixou orgulhosos, como gaúchos. Também queremos estender nossos cumprimentos a TV COM pela disponibilização de seu equipamento, de sua grade, de seus profissionais, para a cultura regional de nosso Estado. Aliás, a RBS, na noite de ontem, e a TV COM no dia de hoje, foram os poucos canais televisivos a voltarem seus olhos para Farroupilha.   
 
Passando das 20:00 hs César Oliveira e Rogério Melo encerraram sua apresentação, isto após cantarem o pezinho (e outras) para a dança da integração que reuniu as invernadas participantes no tablado do ginásio completamente lotado.
 
Agora (20:53) o resultado do FEGGART
 
União Gaúcha, de Pelotas, levou o primeiro lugar no FEGGART
 
1º Lugar: União Gaúcha Simões Lopes Neto - Pelotas
 
2º Lugar: CTG Aldeia dos Anjos - Gravataí
 
3º Lugar: CTG Ronda Charrua - Farroupilha
 
4º Lugar: CTG Tiarayú - Porto Alegre
 
5º Lugar: CTG Heróis Farroupilhas - Caxias do Sul

Grupo de Danças Mais Popular: CTG João Sobrinho
Capão da Canoa 
 

Melhores Entradas - Danças Tradicionais
1 - CTG Aldeia dos Anjos (Gravataí) – 1ªRT
2 - CTG Tiarayú (Porto Alegre) – 1ªRT
3 - CTG Heróis Farroupilhas (Caxias do Sul) – 25ªRT

Melhores Saídas - Danças Tradicionais
1 - CTG Ronda Charrua (Farroupilha) – 25ªRT
2 - CTG Campo dos Bugres (Caxias do Sul) – 25ªRT
3 - CTG Gildo de Freitas (Porto Alegre) – 1ªRT


Intérprete Solista Masculino
1 - Patrick Antunes – CTG Lalau Miranda – Passo Fundo
2 - Henrique Vargas Guimarães dos Santos – União Gaúcha João Simões Lopes Neto – Pelotas
3 - Alex Sandro Morais Moreira – CTG Carreteiros do Sul – Pelotas
4 - Fabiano Dias – CTG Unidos pela Tradição Rio-Grandense – Carazinho
5 - Juliano da Silva Dias – CTG Gildo de Freitas – Porto Alegre

 
Intérprete Solista Feminino
1 - Virgínia Martins Mello – CTG Júlio de Castilhos – Júlio de Castilhos
2 - Pyetra Hermes Pereira – CTG Laço da Amizade – Gravataí
3 - Bruna da Silva Machado – CTG Aldeia dos Anjos – Gravatai
4 - Caroline Quinteiro Macedo – CTG Gildo de Freitas – Porto Alegre
5 - Luciana de Melo Armesto – CTG Carreteiros do Sul – Pelotas

 
Declamação Masculino
1 - Jair da Silva Silveira – CTG Tiarayú – Porto Alegre
2 - Joilson Ramos de Oliveira – CTG Paisanos da Tradição – Bento Gonçalves
3 - Gustavo Oliveira da Silva – CTG M’Bororé - Campo Bom
4 - Pablo da Rosa – CTG Vaqueanos D’Oeste – Chapecó/SC
5 - Samuel Albuquerque Maciel – União Gaúcha João Simões Lopes Neto – Pelotas

 
Declamação Feminina
1 - Clara Lisiane Faccio – CTG Passo dos Tropeiros – Rolante
2 - Yasmim Barbosa – CTG Chilenas de Prata – Farroupilha
3 - Sofia Milagros Alonso Netto – CTG Unidos pela Tradição – Viamão
4 - Rosa Maria Makoski Linn – CTG Lalau Miranda – Passo Fundo
5 - Romila Hoffman do Amaral – CTG Ronda Charrua – Farroupilha

 
Chula
1 - Leonardo Brizolla de Mello – GF Chaleira Preta – Ijuí
2 - Bruno Schenatto Rodrigues – GAN Lagoa Vermelha – Lagoa Vermelha
3 - Pedro Chassot Candido Angeli – CTG Estância do Montenegro – Montenegro
4 - Erik Fialho Hoffmann CTG Ronda Charrua Farroupilha
5 - Adrian Machado Latroni - CTG Aldeia dos Anjos - Gravataí

 
Rei da Trova
1 - Paulo Rogerio Lima Chaves - CTG Tarumã - São Gabriel - 18ª RT
2 - Celso de Oliveira - CTG Velha Cambona - Portão - 15ª RT
3 - Jadir Oliveira Filho - CTG Velha Cambona - Portão - 15ª RT
4 - Roger Josiel Da Silva Chaves - CTG Caiboaté - São Gabriel - 18ª RT

 
Gaita Tecla
1 - Vinicius Bianchini - CTG Alexandre Pato - Lagoa Vermelha - 8ª RT
2 - Luiz Miguel Melos Valim CTG Sinuelo Caxias do Sul - 25ª RT
3 - Wesley Canal Grolli - CTG Trilha Serrana - Carlos Barbosa - 11ª RT
4 - Guilherme Rodrigues - CTG Chegando no Rancho Caxias do Sul - 25ª RT

 
Gaita Ponto
1 - Pablo Schelski - CTG Gildo de Freitas - Porto Alegre - 1ª RT
2 - Nicolas Moro Muller - CTG Ronda Charrua - Farroupilha - 25ª RT
3 - Vinicius Bianchini - CTG Alexandre Pato - Lagoa Vermelha - 8ª RT
4 - Luiz Miguel Melos Valim - CTG Sinuelo - Caxias do Sul - 25ª RT
5 - Rodrigo Filipini - CTG Sentinela da Querência - Santa Maria - 13ª RT 
 
 
 
 
 

 


81ª CONVENÇÃO TRADICIONALISTA



A 81ª Convenção Tradicionalista que ocorreu neste sábado, 25, no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa reuniu cerca de 800 conselheiros e coordenadores com o objetivo de discutir e aprovar, ou não, proposições que venham melhorar o Movimento.

O vice-prefeito de Porto Alegre Sebastião Melo (usando a palavra na foto acima), salientou a importância de o MTG atuar ao lado do governo, em permanente parceria. "O povo do Rio Grande do Sul escolheu ser brasileiro. Nós temos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) na Ilha da Pintada, na Restinga, nos bairros da zona Norte e nos Estados Unidos", disse Melo, referindo-se à amplitude da cultura gaúcha pelo mundo.
 
O secretário da Cultura do Estado, Victor Hugo Silva, falou em nome do governador José Ivo Sartori. "O governo sabe muito bem o significado da palavra junto. Eu vejo no plenário a família do movimento tradicionalista. Aproveito para lembrar quando Bento Gonçalves leu o seu manifesto, na Ponte da Azenha, onde já se referia à necessidade de revisão das resoluções e atos do governo central. Agora, nós precisamos de uma revisão do sistema público fazendário da Lei de Incentivo à Cultura", ressaltou o secretário. 
 
Já o presidente do MTG, Manoelito Savaris, defendeu o resgate do trabalho pelo reconhecimento da pilcha como traje oficial, do rodeio crioulo como atividade cultural e do gaúcho e sua cultura como patrimônio da humanidade. "O MTG é solidário ao projeto empreendido por sociedades tradicionalistas e crioulas de Brasil, Argentina e Uruguai, que fecharam um acordo para trabalhar no sentido de que a figura do gaúcho seja declarada Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura)", ressaltou o presidente do movimento. 

Também estiveram presentes a primeira prenda do RS, Marina Giolo, o deputado federal Pompeo de Matos e representantes do movimento. Após o encerramento do ato oficial, prosseguiu a programação da 81ª Convenção Tradicionalista, que foi encerrada às 21h.
 
 
 


sábado, 25 de julho de 2015

REPONTANDO DATAS / 25 DE JULHO


 
No dia 25 de julho, do ano 1773, o governador de Rio Grande de São Pedro, coronel José Marcelino de Figueiredo, transfere a capital gaúcha de Viamão para Porto Alegre.
 
 
 
 

DICA DE LEITURA


Foto: Luiz Munhoz 
 
Na Zero Hora de Hoje, dia 25 de julho, uma bela reportagem de Alexandre Lucchese intitulada Borghetti Ponto a Ponto. São três páginas do Segundo Caderno recheadas de fotos representativas da carreira do músico. Na verdade a matéria baseia-se no livro biográfico Esse Tal de Borghettinho, de Márcio Pinheiro, que está sendo lançado. A obra de 256 páginas, editado pela Belas Letras, ao custo de R$ 69,90 (capa dura) e R$ 44,90 (brochura), conta desde os tempos do gaiteiro como integrante da invernada artística do 35 CTG até seu projeto Fábrica de Gaiteiros, nos dias de hoje. Vale a pena ver a reportagem e o livro fica, é claro, como uma boa dica de leitura.