RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

terça-feira, 22 de agosto de 2017

"FALANDO EM FOLCLORE"


No dia mundial do Folclore nada melhor do que esta baita programação promovida pela Comissão Gaúcha de Folclore e a Rádio Web Campo fora. Não percam.

 
 
Constituído por lendas, mitos, provérbios, danças e costumes que são passados de geração em geração, o folclore é o conjunto destas tradições e manifestações populares. Palavra que teve origem no inglês, "folklore" - "sabedoria popular", formada pela junção de folk (povo) e lore (sabedoria ou conhecimento). 


            O folclore brasileiro inclui mitos, lendas, ritos, cerimônias religiosas, contos populares, brincadeiras, provérbios, poesia, cordéis, adivinhações, gastronomia, vestuário, adereços e tudo o que está inserido neste universo do imaginário popular.  E no dia 22/08 celebramos o seu dia. 


            E para comemorar a data, a Comissão Gaúcha de Folclore estará promovendo um programa especial - "Falando em Folclore" - dia 22 as 19h com os membros da Diretoria da entidade. A transmissão será feita nos estúdios da AG Produtora, através do amigo Odilon Ramos, em sua Rádio Web Campo Afora.


 Algumas rádios estão fechando parceria para retransmissão:
Radio Santa Isabel FM de Viamão - Do amigo Celdo Broda.
Radio Campo Afora, Santo Antonio da Patrulha - Odilon Ramos.
Rádio Nordeste FM, de Bom Jesus -Diretor Fernando Valmórbida
Radio Ideal FM, de Formigueiro - Antônio Missau
Radio Campeiro FM. com, Cruzeiro do Sul - Diretor Claiton Miranda
- Rádio Guapo On Line, de Viamão - Diretor Adilson Castro
- Nova Onda Fm, de Bagé  - Diretor Oriovaldo Fagundes
Radio Web Voz da Querência, de Canoas - Diretor José Biulchi 
- Radio WEB Quero Quero, de Porto Alegre - Diretor Ricardo Fontoura
- Rádio chimarrão, de Caxias do Sul - Com apoio de Rudy de Faveri             
- Rádio UAB FM, de Caxias do Sul                        
- Rádio Passos, de Água Santa RS                        
- Rádio Castelhana FM, de Mato Castelhano/RS                       
- Rádio Taborda, de Ponta Grossa/PR                        
- Mix Web Rádio Bento Gonçalves, de Bento/RS                       
- Rádio Tchê Gaudéria, de Passo de Torres/SC                       
- Web rádio Universo, de Ibiaçá RS
- Radio Capital Web, Luis Eduardo Magalhães/BA - Antonio Zanco, "Toninho Gaúcho"
 
 



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

IDENTIDADE CULTURAL


PRESERVAR É PRECISO
 
 

Todos sabem, mas nunca é demais repetir, que a nossa identidade cultural passou a ser revitalizada pelo “Grupo dos Oitos” ao final da segunda grande guerra, tendo como motivo basilar a invasão de valores do povo da América do Norte, via televisão, revistas e principalmente cinema. O Brasil estava sendo aculturado massiva e inconscientemente por costumes sociológicos alheios ao chão nativo. Isto sem falar nas barreiras impostas aos pendores naturais de cada Estado, na ditadura Vargas. 

Hoje, sete décadas após, o ciclo se fecha e o perigo da unificação das culturas se manifesta através da globalização, via internet. 

Mas o que me assusta, é que esta padronização não está tão longe assim de nós, gaúchos, como parece. Basta ver que a outrora bela e pura cultura caipira (e mesmo a sertaneja), quase que evaporou-se do Estado de São Paulo apesar dos esforços de pessoas como Inezita Barroso, Monteiro Lobato, Cornélio Pires, Mazzaropi, o pintor Almeida Junior e outros que pelearam pela preservação das raízes. Dos costumes caboclos, o pouco que ainda resta são algumas minguadas Festas do Divino pelo interior paulista.

Musicalmente falando, a moda de viola se arrasta e Tonico e Tinoco, Tião Carreiro e Pardinho, Pedro Bento e Zé da Estrada, e outros da mesma estirpe, só vivem em nossa lembrança. Não deixaram herdeiros. Os trabalhos autênticos perderam a queda-de-braço para o rebolativo sertanejo universitário.

E quem desejar conhecer um típico rodeio dos Estados Unidos, não precisa cruzar a América Central. Vá até Barretos.

Poderíamos fazer igual citação a outros Estados da Federação onde o rap, o funk, o raggae, e similares ditam as regras nas “baladas”.  O baião, o forró, o frevo, estão tornando-se apenas uma mostra musical, uma forma de “conhecer antes que morra”, para os turistas que visitam o nordeste. 

Por estes e por outros motivos, penso bem antes de elevar críticas a pessoas e entidades que vem cumprindo o seu papel de guardiões dos rumos já definidos por quem estruturou nossa estampa regional sul-brasileira, por quem tem compromissos com a autenticidade, e me tapo de angústia com quem prega a diversidade cultural não com o intuito de promover outras manifestações, mas com o fim de definhar aquela que recebemos de nossos ancestrais.

Embora respeitando e valorizando os hábitos de povos que migraram e ajudaram na formação de nosso Estado, o cerne folclórico rio-grandense é aquele oriundo da influência do solo pampeano sobre seus habitantes, ou seja, nós. Sim, pois nós temos história própria.

O mundo todo admira a preservação dos costumes orientais. Como pode, em meio a progressista Tóquio, uma tradição milenar manter-se autêntica, atrativa, e tão representativa?

É simples mas difícil. 

As tradições japonesas, ou russas, ou turcas, ou ciganas, enfim, mantém-se numa redoma que não permite a invasão “alienígena” a qual começa com uma liberação aqui, outra ali, mais uma acolá, e quando nos damos por conta tudo aquilo que é fidedigno, genuíno, legítimo, lídimo, original, não existe mais. E aí não tem volta.

Sei que poderei ser taxado de velho, antiquado, retrógrado, um homem fora do tempo, ao redigir este texto. Mas não sou assim (apesar de uma certa idade). Vivo meu mundo, olho para a frente, viajo, aprecio manifestações artísticas, sociais, lingüísticas e comportamentais de diversos povos e por isto mesmo afirmo. Temos que viver intensamente o presente, alicerçar o futuro, mas lutar com todas as armas na defesa da preservação do passado, da história e da memória. 

Poderia ter dedicado minha vida a tantas outras coisas mas preferi o rumo que irmana homem e cavalo, campo e cidade, vestido de prenda e bombacha. As coisas da minha terra. E ao fim de tudo reafirmo. Não me arrependo.

Nós somos ás águas dos rios que passam e vão embora. A Tradição Gaúcha é o próprio rio, que é o mesmo, que é perene, que tem nome e identidade. Não vamos mudar seu curso.


 

domingo, 20 de agosto de 2017

ACAMPAMENTO A MILHÃO


madeirame chegando e galpões garrando corpo no acampamento
 
Ontem pela manhã estive dando uma bombeada no Parque da Harmonia e fiquei impressionado com o andamento do Acampamento Farroupilha. Piquetes, centros de tradições, entidades diversas, famílias inteiras a milhão na construção dos galpões. Ao que parece a falta de incentivo financeiro devido aos cortes promovidos pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre não vai afetar este evento que, para mim, ao lado do Rodeio de Vacaria, representa uma das maiores manifestações da cultura gaúcha. 
 
Como diria meu amigo Nilsom Gonçalves Monarca, será que teriam a mesma disposição no cabo de uma foice para abrir uma roça, para semear uma lavoura?
 
Brincadeiras a parte é lindo ver este povo rengueando da mesma perna quando se trata de cultivar a tradição gaúcha.  Em torno de 360 ranchos que variam na sua construção de 10 a 100 mil servirão de morada a milhares de gaúchos que fazem de setembro o mês do gaúcho.
 
Parabéns a quem meteu o peito na água e não se mixou com o abandono oficial.   

no intervalo da lida, um assado de ovelha inteira e um costelão
 
 
 

sábado, 19 de agosto de 2017

É ISSO AÍ, PLUTARCO !



Pergunto aos leitores deste periódico gaudério: - Alguém, aí, já tinha ouvido falar em Plutarco? Eu não. Mas agora eu já sei quem é e vou usá-lo em meus argumentos em defesa dos nossos protagonistas da Guerra dos Farrapos.

Plutarco foi um filósofo grego que nasceu no ano de 46 e morreu em 120 e que proferiu a seguinte frase: O TEMPO DAS ARMAS NÃO É O DAS LEIS.

Então, quando vierem com essa estória chata e sem fundamento de que o general Bento Gonçalves era ladrão, bandido, estuprador e coisa e tal, eu vou de Plutarco para cima deles, embora eu saiba de que toda essa ladainha nas vésperas de setembro é conversa fiada de quem quer aparecer neste período histórico para o Rio Grande do Sul.
 
 
 
 
 

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

CHASQUE DO MTG


Músicos têm encontro técnico no MTG
 
 
O vice-presidente artístico do Movimento Tradicionalista Gaúcho, José Roberto Fishborn, anunciou para segunda-feira, a partir das 19h30min, um encontro técnico com músicos tradicionalistas. O encontro acontecerá presencialmente na sede da entidade, em Porto Alegre, e será também transmitido ao vivo pela TV Tradição e pela página do Facebook do MTG.
 
O objetivo, segundo Fishborn, é divulgar e prestar esclarecimentos sobre a Nova Diretriz de Música, a partir das proposições aprovadas durante a Convenção Tradicionalista, realizada recentemente em Lagoa Vermelha. “Convidamos todos para que se façam presentes. Tragam seus instrumentos musicais”, afirma Fishborn.
 
A sede do MTG fica na Rua Guilherme Schell, 60, Bairro Santo Antônio, em Porto Alegre e o link da TV Tradição pelo qual será transmitido o encontro é www.tvtradicao.com.br. Também será realizada live pela página no Facebook do MTG:
 
 
Sandra Veroneze
Porto Alegre: 51 99370 0619
São Paulo: 11 98878 9079
 
 
 
 

ORDEM DE APRESENTAÇÃO


DAS CONCORRENTES DO 26º RONCO DO BUGIO
 
 
FASE LOCAL - SEXTA-FEIRA
 
1 - HERANÇA DE UM SERRANO
Letra: Israel Da Sois
Música: Israel Da Sois
 
2  - BUGIO ENCARANGADO
Letra: Flamariom Fagundes Pinto
Música: Flamariom Fagundes Pinto
 
3 - SERRANATAS
Letra: Tomaz Augusto Schuch
Música: Cirilo Barcelos Schuch
 
4 - VELHO RETRATO
Letra: Alisson Camilo da Silva Machado
Música: Alisson Camilo da Silva Machado
 
5 - BUGIO CRIOULO
Letra: Paulo Ricardo Costa
Música: Jardel Borba / Luis Fernando da Silva
 
6 - EXALTANDO O BUGIO
Letra: Laura Lúcia Reis
Música: Diego Buchebuam / Mateus Reis Machado
 
7 - JANELA DO MUNDO
Letra: Nelson Ortácio
Música: Rodrigo Pires
 
8 - CORAÇÃO TROPEIRO
Letra: Adão Quevedo / Silvana Reis 
Música: Adão Quevedo
 
9 - TROPA QUARTEADA
Letra: Jairo Fonseca
Música: Volnei Gomes / Leonel Almeida
 
10 - CAMINHO DAS TROPAS
Letra: Paulo Morais Trintin / Lucas Ferreira
Música: Cristiano Martins 
 
FASE GERAL - SÁBADO
 
1 - MÚSICA CLASSIFICADA DA FASE LOCAL
 
2 - MÚSICA CLASSIFICADA DA FASE LOCAL
 
3 - UM BUGIO PARA SÃO CHICO
Letra: Velho Milongueiro
Música: Eliandro Luz
 
4 - O BUGIO QUE EU TRAGO
Letra: Paulo Ricardo Costa
Música: Arison Martins
 
5 - LONGE DE TI
Letra: Maxsoel Bastos de Freitas
Música: Anderson Marcolino Gaspar
 
6 - ÚLTIMOS ACORDES
Letra: Carlos Omar Villela Gomes
Música: Beto Roquete
 
7 - ASSIM QUE É LINDO
Letra: Marco Antônio Nunes / Nilton Ferreira
Música: Nilton Ferreira
 
8 - MINHA GENTE SERRANA
Letra: Gabriel Claro
Música: Gabriel Claro
 
9 - PÃO SOBRE A MESA
Letra: Rômulo Chaves
Música: João Quintana / Vani Vieira / Henrique Bagesters
 
10 - BUGIO DO VIÚVO
Letra: Binho Pires / Diego Muller
Música: Matheus Alves
 
11 - SÃO FRANCISCO POR ESCOLA
Letra: José Claro
Música: José Claro
 
12 - CRIOULO DO RIO GRANDE
Letra: Érlon Péricles
Música: Érlon Péricles
 
 
  


quinta-feira, 17 de agosto de 2017

DA SALA PRA COZINHA


MAS SE BOTAR NA BALANÇA ANDAMOS NO LUCRO
 
Balança das antigas, regalo de meus primos Hélio e Vera
para enriquecer nosso museu particular
 
 
Meus amigos. Neste mês de agosto andamos da sala pra cozinha de tanta tarefa a ser cumprida. Estamos avaliando os trabalhos de dois festivais ao mesmo tempo. Um de poesia (Seival) e outro de música (Trincheira do Canto Xucro) e poemas e canções nos chegam aos borbotões, diariamente, para nossa análise.  Com aquelas obras do agrado de cada um, posteriormente, vamos nos reunir e escolher as classificadas.
 
Ao mesmo tempo estamos lidando nos "finalmentes" (que são muitos) do Ronco do Bugio que acontece dias 01 e 02 de setembro.
 
A saúde está meio nos pés-da-égua e não podemos facilitar. Contudo, como já tinha agendado algumas palestras, temos que levar adiante. Segunda-feira, agora, ainda iremos subir a serra para uma prosa no Rodeio Serrano. Então, temos que preparar tais oficinas.
 
Além disso, tenho atado de fazer umas letras para uns amigos que estão gravando e, também, não deixar cair a peteca deste blog véio.
 
Atrelados a todas estas lidas, dois grandes projetos (que na verdade são dois sonhos) estão em pleno andamento. Se der certo vocês ficarão sabendo em seguidita.
 
O que nos consola é que no entremeio destas empreitadas recebemos alguns carinhos, como foi o caso de nossa ida no Orelhano, sítio dos primos Hélio e Vera. Por lá, além da hospitalidade costumeira, comemos um pernil de ovelha e ainda trouxemos, de regalo, uma linda e antiga balança. Peça, rara, toda em ferro, que vai ornamentar nosso museu. Mil gracias, meus amigos.
 
Como dizia minha avó Maria Elisa, se cruzar o mês de agosto, o resto vai que nem faca em melancia.
 
     
 

PASSAPORTE FARROUPILHA


 
 
Adquira seu Passaporte Farroupilha e assista a todos os bailes do Acampamento no Parque da Harmonia de Porto Alegre com toda a tranquilidade e por um preço bem mais acessível. Grupos como Os Monarcas, Joca Martins e Alma Gaudéria, Luiz Marenco e Marcelo e Machado do Tchê, João Luiz Correa e Grupo Campeirismo, Os Mateadores, Grupo Rodeio, Tchê Guri e Gurias Gaúchas, Cesar Oliveira, Rogério Melo e Moisés Oliveira, Baitaca e Grupo Quero-Quero, Xiru Missioneiro e Grupo Minuano, Brunetto y Santafé e Grupo Beira D'Estrada e Jorge Moraes serão as atrações que você poderá assistir e aproveitar obtendo seu Passaporte Farroupilha. Televendas pelo fone: 51 3223 5194 
 
 
 
 
 
   

FESTIVAL EM PAROBÉ



 
 
 

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

TROFÉU GURI


 
O cantor Joca Martins, foto acima, e Thomas Machado, abaixo ao centro, são os representantes da cultura regional gaúcha a serem homenageados na 20ª edição do Troféu Guri, uma promoção da Rádio Gaúcha. Os prêmios serão entregues durante a Expointer, no Parque de Exposições de Esteio. Parabéns aos dois agraciados, legítimos representantes da musicalidade rio-grandense.   
 
 
 
 

CHASQUE DO MTG


Mais de 10 mil crianças são aguardadas
na Ciranda Escolar do Acampamento Farroupilha
 
 
 
O Movimento Tradicionalista Gaúcho, gestor do Acampamento Farroupilha 2017, aguarda mais de 10 mil crianças para a programação da Ciranda Escolar. O projeto será desenvolvido pelas manhãs e tardes dos dias 4, 5, 6, 11, 12, 13, 14 e 15 de setembro, na Casa do Gaúcho, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, tendo como público alvo crianças matriculadas nas escolas municipais, estaduais e particulares da Região Metropolitana.
 
A programação prevê apresentação e oficina de danças, além de apresentações teatrais, sempre com temática tradicionalista, ensinando sobre indumentária, usos e costumes gaúchos. Uma parceria com o Sesc viabilizou atrações de danças folclóricas, teatro de bonecas, contação de histórias e causos.
 
Segundo a coordenadora das atividades, Vera Meno Barreto, a procura por parte das escolas para agendamento já está intensa. “No ano passado atendemos 12 mil crianças e a tendência é que cheguemos a esse número de novo neste ano”, afirma.
 
A participação das escolas se dá via agendamento, que pode ser feito pelo email vera.lucia.mb@hotmail.com e pelo telefone 51 99686.4166.
 
Confira a programação
04 de setembro, segunda-feira, das 9 às 17h
05 de setembro, terça-feira, das 9h às 17h
06 de setembro, quarta-feira, das 10 às 16h (Programação Sesc - Danças Folclóricas)
11 de setembro, segunda-feira (10h/11h/14h/15h: Ciranda Escolar, na Casa do Gaúcho, Programação Sesc - Contos da Floresta, Apresentação:  Fantomania Teatro de Bonecos)
12 de setembro, terça-feira (10h/11h/14h/15h: Ciranda Escolar, na Casa do Gaúcho, Programação Sesc - Negrinho do Pastoreio, Apresentação: Fantomania Teatro de Bonecos)
13 de setembro, quarta-feira (10h/11h/14h/15h: Ciranda Escolar, na Casa do Gaúcho, Programação Sesc - Cantos e Contos do Rio Grande do Sul, Apresentação: Beto Hermann, na Casa do Gaúcho)
14 de setembro, quinta-feira (10h/11h/14h/15h: Ciranda Escolar, na Casa do Gaúcho, Programação Sesc – Causos do Romualdo, Apresentação: Coletivo Artístico Palco Aberto)
15 de setembro, sexta-feira (10h/11h/14h/15h: Ciranda Escolar, na Casa do Gaúcho, Programação Sesc – As Gineteadas do Valente Toninho Corre Mundo na Estância do Cidão Dornelles, Apresentação: Grupo TIA)
 
Foto: TV Tradição
 
 
Sandra Veroneze
Porto Alegre: 51 99370 0619
São Paulo: 11 98878 9079.
 
 
 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

NA CHAMA DA TRADIÇÃO


É A MÚSICA TEMA DOS FESTEJOS FARROUPILHAS 
 
Érlon Péricles e Cristiano Quevedo
 
 
O Movimento Tradicionalista Gaúcho, durante a solenidade de distribuição da Chama Crioula, realizada no dia 12 no município de Mostardas, fez o lançamento oficial da música dos Festejos Farroupilhas. Com letra e música de Érlon Péricles, a música “Na chama da tradição” tem interpretação de Érlon Péricles e Cristiano Quevedo, com Guilherme Castilhos nos violões e contrabaixo. Confira:
 
Vejo no lume da nossa CHAMA CRIOULA
O mesmo brilho que guiou os ancestrais,
Fogo de luta, valentia e liberdade,
Pela conquista de direitos mais iguais.
 
Chama que ascende nosso orgulho de gaúcho
E deixa em brasa a alma tradicionalista
Mostrando a força regional do gauchismo
Louvando os feitos dos heróis idealistas.
 
- “NOS DÊ COMANDO”... GENERAL BENTO GONÇALVEZ...
ESTAMOS PRONTOS PRA SEGUIR NESSA MISSÃO!
CADA GAÚCHO TEM NO PEITO UMA FAGULHA
DA CHAMA VIVA DA NOSSA REVOLUÇÃO!
 
Joaquim Teixeira, Antônio de Souza Neto,
O Garibaldi, o Canabarro e o Jardim.
Alguns dos nomes que marcaram nossa história
Armas em punho em cada toque de clarim.
 
Bento Manuel e o Vicente da Fontoura
Corte Real, Onofre Pires e outros mais,
Figuras fortes no comando das batalhas
Chamas acessas defendendo os ideais.
 
Bandeira hasteada sobre a luz da chama ardente
Reverenciando a saga revolucionária,
Guardando a glória dos farrapos que tombaram
Doando a vida pela causa libertária!
 
E em cada pago onde esta chama é cultuada
Novos gaúchos vão seguindo a velha trilha,
Candeeiro acesso, coração sempre aquecido,
Em cada ronda da Semana Farroupilha!
 
 Link do áudio:
 
Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
Cel e Whatsapp: 51 99370 0619
 
 
 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

POR ESSAS E OUTRAS.....


...NOSSA CULTURA NÃO MORRE
 
Gabriel Castilhos dos Santos
 
Há pouco tempo atrás tive conhecimento deste novo fenômeno da música gaúcha. Crioulo lá de Jaquirana, na serra do nordeste gaúcho, Gabriel Castilhos dos Santos tem impressionado a todos que o assistem abrindo uma botoneira.
 
É dom que vem de berço? Com certeza, pois o Gabriel tem apenas dois anos e pouco de lida com o instrumento. A partir de 2014, com a morte de seu avô Zaldo Ribeiro de Castilhos, que tinha gosto por tocar uma cordeona e abrir o peito numa trova, é que Gabriel, então com nove anos de idade, mostrou interesse musical. Pediu uma gaita para seu pai e, ao cabo de pouco tempo, meio que solito, já dava seus primeiros acordes. Como todos notaram que ali havia um talento nato, incentivaram a família a procurar um professor e o lendário João Maria, de Vacaria, ensinou as primeiras técnicas ao guri. Com seu progresso musical, hoje Gabriel vai uma vez por semana a Caxias do Sul para ter aulas com o professor Thiago Camargo.
 
A comunidade de Jaquinara se orgulha deste talentoso filho. Como sua antiga gaita tinha poucos "recursos" e os pais não podiam comprar uma nova, foi feito um almoço em benefício do pequeno gaiteiro. Foram vendidos 650 ingressos, uma enormidade para o tamanho da cidade, e hoje o Gabriel Castilhos dos Santos já floreia numa gaita nova.
 
Por isto que eu digo: Por mais que queiram mudanças, inovações, progressos, enquanto houver o repasse de sangue para sangue, nossa tradição será perene.
 
Parabéns e avante Gabriel e tantos outros meninos e meninas deste Rio Grande eterno. 
 
 
     


domingo, 13 de agosto de 2017

"PAI. COMEÇA O COMEÇO"


Com a estampa de meus três filhos, Lucas, Mariana e Thiago, quando ainda crianças, e com este belíssimo texto de um autor que desconheço, quero homenagear a todos os pais neste domingo, 13 de agosto, especialmente meu querido e saudoso Pai Bernardino Souza, que tanta falta me faz.
 
 
"PAI COMEÇA O COMEÇO"

 
Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: - “pai, começa o começo!”. O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.

Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que encontro pelo caminho. Hoje, minhas “tangerinas” são outras. Preciso “descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.

Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis....

Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.

Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus:

“Pai, começa o começo!”. Ele não só “começará o começo”, mas resolverá toda a situação para você.

Não sei que tipo de dificuldade eu e você encontraremos pela frente neste ano. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for preciso: “Pai, começa o começo!”.
 
 
 
 
 
 

sábado, 12 de agosto de 2017

70 ANOS DA CHAMA CRIOULA


Nairo Callegaro, Presidente do MTG, acendeu a Chama Crioula
 
As 30 Regiões Tradicionalistas se fizeram representar no dia de ontem, em Mostardas, para o acendimento da Chama Crioula, ato que dá início às comemorações farroupilhas, repetindo o gesto de João Carlos D' Ávila Paixão Côrtes que, em 1947, portando há 70 anos, retirou uma centelha da Pira da Pátria levando-a para o Colégio Júlio de Castilhos e rondando-a por uma semana. Aquele gesto deu início a quase tudo que vemos hoje em matéria de tradicionalismo.
 
A cada ano o acendimento acontece em algum lugar do Estado. Este ano Mostarda foi escolhida por ser o local onde os heróis farroupilhas Giuseppe e Anita tiveram seu único filho no Rio Grande do Sul, ou seja, Menotti Garibaldi.  
 
A partir de hoje a chama percorrerá milhares de quilômetros, a pata de cavalo, onde será redistribuída para centenas de municípios. 

Dezenas de entidades se fizeram presentes na "Pedra da Anita",
local onde nasceu Menotti Garibaldi
 
 
 
 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

MTG ADERE AO "ELAS POR ELAS"


O Movimento Tradicionalista Gaúcho, na quinta-feira, 10 de agosto, aderiu ao programa “Eles por Elas”, desenvolvido pela ONU – Organização das Nações Unidas. A solenidade aconteceu na Assembleia Legislativa, durante ato em homenagem às novas gestões de Prendas e Peões do Rio Grande do Sul, com a presença da diretoria, tradicionalistas e comunidade.
 
Segundo o presidente do MTG, Nairo Callegaro, trata-se de uma oportuna iniciativa pela igualdade de gênero e a entidade se envolverá desde a base, nas entidades tradicionalistas.
 
 
O Movimento ElesPorElas (HeForShe)
 
Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, o movimento ElesPorElas (HeForShe) é um esforço global para envolver homens e meninos na remoção das barreiras sociais e culturais que impedem as mulheres de atingir seu potencial, e ajudar homens e mulheres a modelarem juntos uma nova sociedade.
 
O alcance da igualdade de gênero requer uma abordagem inclusiva, que reconheça o papel fundamental de homens e meninos como parceiros dos direitos das mulheres e detentores de necessidades próprias baseadas na obtenção deste equilíbrio. O movimento ElesPorElas (HeForShe) convoca homens e meninos como parceiros igualitários na elaboração e implementação de uma visão comum da igualdade de gênero que beneficiará toda a humanidade.
 
A meta é ambiciosa: garantir o compromisso de 1 bilhão de homens de apoiar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, começando com uma mensagem positiva simples e rumo ao envolvimento mais profundo através da adoção de medidas específicas que contribuam para a mudança social.
 
Objetivo - O movimento ElesPorElas (HeForShe) tem como objetivo engajar homens e meninos para novas relações de gênero sem atitudes e comportamentos machistas. Para a ONU Mulheres, a voz dos homens é poderosa para difundir para o mundo inteiro que a igualdade para todas as mulheres e meninas é uma causa de toda a humanidade.
 
Nesse sentido, ElesPorElas quer ampliar o diálogo sobre os direitos das mulheres e acelerar os progressos para alcançar a igualdade de gênero. Isto será obtido através de uma reformulação da igualdade de gênero, fazendo que esta deixe de ser uma questão das mulheres para se tornar uma questão que exige a participação de homens e mulheres, beneficiando toda a sociedade nos âmbitos social, político e econômico.
 
Estratégia global - O movimento ElesPorElas está organizado nos seguintes princípios:
 
Atenção: educação, sensibilização e conscientização
 
Homens se identifiquem com as questões da igualdade de gênero, reconhecendo o papel fundamental que eles podem desempenhar para acabar com a desigualdade enfrentada por mulheres e meninas em todo o mundo, em suas próprias vidas e também em níveis mais estruturais em suas comunidades.
Argumentação: impacto através de políticas e planejamento
 
Apoia a agenda de políticas e planejamento da ONU Mulheres, envolvendo homens e meninos na realização de seus objetivos estratégicos: Empoderamento Econômico das Mulheres; Fim da Violência Contra as Mulheres; Governança e Liderança; e Paz e Segurança.
 
Ação: captação de recursos e outras ações
 
Diretrizes de implementação abrangentes, possibilitando a mobilização social de indivíduos, governos, ONGs, agências das Nações Unidas, universidades e empresas. O programa-piloto “Impacto 10x10x10″ é uma proposta para o envolvimento de governos, empresas e universidade.
 
Com informações do ONU Mulheres (www.onumulheres.org.br)

 
Sandra Veroneze
Assessoria de Imprensa MTG
Cel e Whatsapp: 51 99370 0619
 
 
 

15º BIVAQUE DA POESIA GAÚCHA


INSCRIÇÕES ABERTAS DE 7 DE AGOSTO A 15 DE SETEMBRO,
REGULAMENTO E INSCRIÇÃO NO SITE
http://www.festivaiscampobom.com.br/bivaque2017.php
 
 
 
 
 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

MEU PATRIMÔNIO


 
Aos 61 anos, posso afiançar que, afora algum trabalho como jurado de festival, não ganhei valores monetários com a cultura. Editei 8 livros e, fora uma meia dúzia que deixei há uns dois anos na Livraria Miragem, doei todos (8 mil). Tenho em torno de três centenas de músicas gravadas por dezenas de artistas e jamais cobrei um pila com isto. A arrecadação de ECAD é uma piada. É como secar gelo, some no Imposto de Renda.
 
O que me vale é a emoção. Esta não tem preço. Igual a que senti ontem, em São Francisco de Paula, quando, durante o dia todo, assisti apresentações de crianças humildes, muitas botando uma pilcha gaúcha pela primeira vez, apresentarem trabalhos de teatro, declamações, jograis, danças, músicas, após terem trabalhado mais de mês tendo meu livro São Francisco, Sua História em Poesia como mote.
 
Muito obrigado pelo convite e pelo carinho de todos, Diretora Mirian, Professoras, Auxiliares e alunos da Escola de Ensino Fundamental Castelo Branco, a mesma que foi arrasada pelo tornado deste ano e que agora trabalha em salas com poucas condições, mas que tem consciência de que a educação é a saída para este País. Mil gracias por esta lição de não perder a alegria de viver.
 
Nota: Não estou condenando aqui músicos, artistas, palestrantes, escritores, que tem algum viés da cultura gaúcha como profissão. Ao contrário. Sou admirador de todos. Falo, apenas, de uma questão pessoal.
 




 
 
 
 
 
 
   

CONCURSO CULTURAL LITERÁRIO


 
 
O poeta e amigo Cândido Brasil, meu afilhado na Estância da Poesia Crioula, está novamente a frente da patronagem do Piquete Chama Nativa dos funcionários do Grupo Hospitalar Conceição. E, como já fazia quando Presidente da E.P.C. os concursos literários afloram em seu sangue. Que bom que todos levassem consigo uma réstia de poesia.
 
O regulamento, está aí. Vamos participar.