RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
ACAMPAMENTO FARROUPILHA, E PRONTO!

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

UM ELOGIO A SER FEITO



No Acampamento passado fizemos essa brincadeira: Ache o Jayme
Só aparecia a copa de seu chapéu
 
Na verdade não sei nem a quem dirigir este elogio, se a SMAM, Secretaria Municipal de Cultura.., enfim, os autores da obra sintam-se elogiados.
 
Falamos da revitalização da estátua do pajador Jayme Caetano Braun, escultura do artista Vinícius Ribeiro, no ACAMPAMENTO FARROUPILHA, outrora no ostracismo, servindo para amarrar barracas, completamente deteriorada e abandonada.
 
Por diversas vezes nos manifestamos sobre o tema e até tentamos, com o Secretário responsável, a transferência do Monumento para uma área mais visível do parque ou mesmo para o espaço da Estância da Poesia Crioula, cercado, arborizado, entidade que Jayme foi Presidente.
 
Sob a alegação de que o memorial estava posicionado embaixo de uma timbaúva (árvore), local que empresta o nome onde Jayme Caetano Braun nasceu, nunca tiraram ela dali.
 
Contudo, agora, com as devidas arrumações, o local está bonito e arejado, com uma calçada ao largo e sete bancos com a inscrição das Reduções Missioneiras em cada um.
 
Parabéns! É assim que deve agir o poder público em relação às suas praças, saúde, segurança, educação.... Além da preservação da memória de quem muito fez por nossa cultura. Nota dez!
 
No Acampamento deste ano uma calçada com sete bancos,
com o nome de cada redução missioneira, foi construída.


terça-feira, 30 de agosto de 2016

DINHO COLOCA BOLA NAS COSTAS...


...DA COMISSÃO MUNICIPAL
DOS FESTEJOS FARROUPILHAS
e de próprios colegas vereadores. 
 
Dinho, que tantas alegrias me proporcionou como jogador,
estraga com as mãos o que fez com os pés
 
 
Após nossa postagem de ontem sobre o Projeto de Lei apresentado pelo Vereador Dinho do Grêmio e aprovado pela Câmara Legislativa de Porto Alegre, indo a Sanção (ou não) do Prefeito Municipal, que muda o nome do Acampamento Farroupilha para Acampamento Farroupilha Nico Fagundes, muitos fatos novos chegaram ao nosso conhecimento, dentre estes a posição da Comissão Municipal dos Festejos Farroupilhas, colegiado de várias entidades que coordenam o evento, e a manifestação do Vereador Bernardino Vendruscolo (que não concorre mais), colega de Dinho.
 
Ambos dão a entender que foram ludibriados pela manobra do legislador Dinho.
 
Vejam o que nos enviou Bernardino Vendruscolo:
 
"Lamentavelmente, na última quinta-feira, dia 25 de agosto, no final da tarde, próximo das 18 horas, a Câmara de Vereadores, aprovou por votação simbólica, com meia dúzia de Vereadores presentes em Plenário, vários Projetos ao mesmo tempo.

Entre eles, o que pretende mudar o nome do Acampamento Farroupilha. Saliento que esta votação não estava prevista para ocorrer no dia, mas, por solicitação do autor, houve alteração na ordem de votação.

Fomos grandes amigos do Nico Fagundes, mas não é razoável e nem tem cabimento a Câmara mudar o nome de algo tão significativo e que surgiu por vontade popular."
 
A Comissão Municipal dos Festejos Farroupilhas também salienta que dentre vários assuntos pautados nas reuniões de tratativas do Acampamento o citado projeto foi motivo de debate e de um posicionamento oficial da Comissão que teve garantias (fio de bigode) de que tal projeto seria arquivado. 
 
Vejam o que disse a Comissão dos Festejos Farroupilha em trechos retirados de uma longa documentação de 82 páginas.  
 
"...Agora, enfim, entramos no ponto crucial do que este encontro tem de mais importante, ou seja, o Projeto de lei nº 166/2015 que inclui na denominação Acampamento Farroupilha a expressão Nico Fagundes, Proposta pelo Ilustre Vereador Dinho do Grêmio. 
Quando esta Comissão Municipal dos Festejos Farroupilhas teve conhecimento da tramitação deste Projeto de Lei, novamente reuniu-se para saber e discutir que rumo tomaria, para de maneira ordeira e democrática, saber se verídica a existência de tal projeto e como estaria a tramitação do mesmo na câmara, para poder agir. Eis que, o projeto já estava pronto a ser votado, isto é, já havia passado por todas instâncias possíveis na tramitação normal resultando agora apenas o voto do plenário para ser transformado em Lei e assim foi feito.
Desta forma, Senhores Vereadores, esta Comissão Municipal dos Festejos Farroupilhas vem a este encontro para dizer que a entidade e seus representantes, incluindo as Associações que representam a totalidade dos Acampados do evento Acampamento Farroupilha Tradicional de Porto Alegre, são contrários a tramitação deste Projeto de Lei e de algum tipo de denominação para este evento que já tem seu nome popularmente conhecido..."
"...Não obstante, no entanto, em relação ao Acampamento Farroupilha, pelo menos é a pretensão deste manifesto, porque o evento é da cidade, de seus cidadãos, do Estado, do País, que a denominação permaneça sem as modificações pretendidas, pois se tratando de um evento sem igual, e que assim representa uma coletividade, não se pode personificar..."  
"...Certamente a reunião de hoje não existiria se o Vereador tivesse feito, em tempo, uma consulta, uma visita aos organizadores, aos participantes do Acampamento Farroupilha..."
"...Assim, e por fim, queremos salientar que não há nada contra o homenageado, pelas razões já expostas, e tão pouco contra o vereador proponente da homenagem. O que este grupo, de gaúchos trabalhadores envolvidos de uma forma ou de outra com o Acampamento Farroupilha solicita e deseja é que este projeto lei não prospere e que a denominação deste evento ímpar, maiúsculo, sem paralelos de uma outra cultura regional, e local, no sentido de sua reverência, culto, preservação, transmissão e perpetuação de nossas próprias raízes e história regional as gerações que nos sucederem, não se modifique...".  
E segue o escrito com a assinatura de diversos órgãos que compõe a Comissão Municipal dos Festejos Farroupilhas. 

Nota do Blog: Concluímos, assim, que tal projeto é pura demagogia de alguém que busca visibilidade num campo em que não tem nenhuma vivência e conhecimento e que não buscou ouvir e conversar com pessoas envolvidas. 
 
 

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

PERGUNTAR NÃO OFENDE


Os vereadores de Porto Alegre aprovaram na tarde desta quinta-feira (25) o projeto de lei que altera o nome do Acampamento Farroupilha para Acampamento Farroupilha Nico Fagundes. Falecido em junho de 2015, o tradicionalista, cantor e compositor Antônio Augusto Fagundes, mais conhecido como Nico Fagundes, nasceu em 1934, no interior do município de Alegrete, cidade que anos mais tarde seria homenageada por ele com a canção Canto Alegretense.

A proposta é de autoria do vereador Dinho do Grêmio (DEM). O projeto segue para a sanção do prefeito José Fortunati.
 
Este ano recebi, do 35 CTG, o Troféu Antônio Augusto Fagundes
fato que muito me orgulha, mas não muda meu modo de pensar
 
Então eu pergunto:
 
- Se estamos diante de um evento que comemora a Revolução Farroupilha, o que Antônio Augusto Fagundes tem a ver com tal epopeia? Onde ficam nomes como Bento Gonçalves da Silva e Antonio de Souza Netto? O vereador Dinho sabe quem são estas pessoas? 
- Se é para nominar "in memoriam" apenas por importância cultural não haveria uma longa lista a começar por Barbosa Lessa?
- Se existe a necessidade de homenagear alguém que tenha feito algo pelo evento não seria o caso de reverenciar o poeta Luiz Menezes que, ao lado de Eraldo de Carvalho (Xiru) e Índio Sepé, estruturaram o Acampamento dentro do Parque da Harmonia? Tendo o "canhão" da RBS no costado Antônio Augusto Fagundes não poderia ter feito algo mais que gravar o Galpão Crioulo no local? 
- Entidades como MTG, IGTF, ACAMPARH, Comissão Gaúcha de Folclore e o povo que ali vivencia o gauchismo foram consultados?
- Não seria este ato de um vereador completamente alheio à nossa cultura, encampado por colegas que não estão nem aí para as nossas tradições, um oportunismo político em busca de visibilidade?
- Por que nossa briosa Câmara não luta pela criação do Museu do Gaúcho, por um Parque Temático permanente, por mais recursos para o próprio Acampamento, já que só o que temos a mostrar para os turistas são sapateadores em churrascarias?     
- Por que obscuros legisladores municipais (que até já tentaram retirar o Acampamento do Parque e levar para o Porto Seco) não preocupam-se com projetos de reais valores para  a comunidade ao invés de discutirem sobre saleiros nas mesas, cores clubísticas nas paradas de ônibus e troca de nome do Acampamento?
Respeito e admiro a obra de Antônio Augusto Fagundes mas penso que esta festividade não tem que receber denominação alguma. É Acampamento Farroupilha e pronto. Sei que vou arrumar encrencas com esta postagem, mas... é a minha opinião.     
 
 
 
  
 
 

sábado, 27 de agosto de 2016

MAS QUE CHASQUE BUENO,


MEU AMIGO ISRAEL LOPES!
 
 
ESTÁTUA DO MAIOR ESCRITOR REGIONALISTA
JOÃO SIMÕES LOPES NETO
 
Recebi o JORNAL DA NOITE, edição de agosto de 2016, trazendo essa notícia sobre a "Estátua para o Maior Regionalista Gaúcho". O saudoso jornalista e humanista DANILO UCHA, falecido em 20 de julho, havia deixado pronta a edição de agosto. Nessa matéria, o grande jornalista santanense, dava notícia sobre o que disse o pesquisador Mário Mattos, de que, a elite pelotense, que "construiu obstáculos aos caminhos de Simões", procurando se redimir no Centenário da morte do maior escritor regionalista, criador de Contos Gauchescos e Lendas do Sul, vai construir uma estátua, em tamanho natural e irá colocá-la no Centro Histórico da Cidade, entre a Prefeitura e a Biblioteca Municipal. A obra será do artista plástico Léo Santana, autor da escultura do poeta Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Sem dúvida, o Maior Escritor Regionalista Gaúcho. Eis, a matéria do JORNAL DA NOITE com essa notícia, resgatando mais um pouco da História desse grande escritor gaúcho.
 
 
 
 

FALOU POR MIM!


Eugênio Paes Amorim - Promotor de Justiça
 
Eu tenho dito aqui há muito tempo que o Judiciário tem que assumir sua culpa e cortar na carne, sem corporativismo...

Pois bem.

Fabrício Farias, o cidadão preso por matar a mulher ontem no latrocínio em Porto Alegre, foi preso em 26 de novembro de 2015 e solto em 12 de abril de 2016 sob alegação de excesso de prazo de prisão cautelar (meros 5 meses). O Ministério Público não concordou com a soltura, mas a Juíza Vanessa Gastal de Magalhães colocou o criminoso nas ruas (Process
o 2.15.0094971-8).

Nas ruas, foi preso por outro assalto em 15 de julho de 2016 e, mesmo estando respondendo a outro processo por roubo, e no novo roubo com reconhecimento pelas vítimas já no registro de ocorrência, foi solto no dia seguinte, 16 de julho de 2016, provavelmente na festejada audiência de custódia, pela Juíza Plantonista Andrea Nebenzhal, também contra a vontade do Ministério Público, que recorreu da soltura, recurso até agora não julgado (Processo 2.16.0056569-5).

40 dias depois destrói uma vida e uma família, solto, armado e fazendo o que sabe fazer: roubar.

 A pergunta que faço é: Sem as mentiras de que foi apenas cumprida a lei (nenhuma lei autoriza soltar no dia seguinte assaltante reconhecido que responde a outro processo por roubo), e sem terceirizar a culpa, o que o Poder Judiciário tem a dizer à população e que medidas efetivas tomará além de culpar os políticos de costas largas?
 
 
 
 
 
 

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

COMENTÁRIO DE JUAREZ FONSECA


EM ZH, SOBRE O TRABALHO DE SHANA MÜLLER

 
 
 

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A POESIA VIVE DE... POESIA


MAS TEMOS QUE PROCURAR NOS VALORIZAR

 
Há um tempo fizemos uma postagem que rendeu diversos comentários inteligentes e produtivos, aqui em nosso blog e no facebook sobre a "Falta de Iniciativa e Organização" no que refere-se, aos festivais de poesia no Estado. Mais especificamente referindo-se que diversas cidades, a um baixo custo, poderiam ter seus nomes gravados ao lado de um belo evento poético.  
 
Hoje, sem mudar o tranco da dança, apenas passando de uma vaneira para uma chamarra, ousamos dizer que a classe poética é uma das mais fraternas, utópicas e diferenciadas, do mundo cultural rio-grandense e talvez por isso 90% (ou mais) dos poetas, declamadores e amadrinhadores se façam presente nos eventos do gênero para dar seu abraço, levar seu apoio a um amigo que está concorrendo ou mesmo apoiando seu concorrente, muitas vezes tirando dinheiro do próprio bolso para ali estar.
 
Vejam bem. Vou citar dois casos específicos e recentes.
 
Ainda este ano passei dois poemas em dois festivais dos pouquíssimos e louváveis eventos poéticos que ainda se sustentam lutando só com o cabo da faca.
 
No Sinos do Verso Gaúcho, de São Leopoldo, passei com o Melhor Tema (Infância) e na Sesmaria da Poesia, de Osório, estamos classificados com o poema Quem Vem ao Mundo Pelo Chão de Areia.
 
Agora os detalhes importantes que me alicerçam aonde quero chegar.

Ajuda de custo do Sinos do Verso Gaúcho: R$ 100,00
 
Ajuda de custo da Sesmaria: R$ 800,00
 
O número de concorrentes nos dois festivais passaram de 300. 
 
Por estar envolvido e acompanhando os citados eventos posso afirmar que a nata dos declamadores, poetas e amadrinhadores participou e participará igualmente dos dois festivais, não é verdade, meu amigo Pedro Junior da Fontoura (foto)?   
 
Isto atesta minha teoria, ou seja, de que a seara que envolve a poesia é diferenciada. A Poesia vive de... Poesia.

Ao mesmo tempo, temos que buscar meios de nos valorizar e por isso saudamos a Tertúlia da Poesia de Santa Maria que recentemente lançou regulamento com ajuda de custo de R$ 1.200,00 e ótima premiação. É mais um festival que veio para ficar e marcar seu nome no calendário de eventos poéticos do Estado. Salve Santa Maria!


 

AGENDA ALMA DE CAMPO


ALTERAÇÃO NA DATA DE LANÇAMENTO

 
Bom dia! Desculpe o transtorno, mas em função de ajustes internos mudamos a data do lançamento. Ficou para sábado dia 27/08 as 20h na loja Santa Fe. Contamos com a sua presença! Abraço.
 
Marione Fernandes
 
 
 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

FRATERNIDADE GAÚCHA


COM NOVA PATRONAGEM
 
 
O Grupo Tradicionalista Fraternidade Gaúcha, ala gaudéria da maçonaria, elegeu, ontem à noite, sua nova Patronagem. Após relevantes trabalhos Paulo Renato Novo Moreira e Jorge Bregão entregam os rumos do Fraternidade aos Irmãos Luiz Dutra Niederauer (Patrão) e Reginaldo de Souza (vice).
 
Na mesma reunião fizemos um apanhado do que foi nossa Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula, ouvimos agradecidos as despedidas do Patrão que deixava o cargo após conduzir com brio nossa entidade, bem como as proposições dos que agora assumem esse Piquete que hoje é destaque no cenário tradicionalista do Rio Grande.
 
Após vários anos no Departamento Cultural irão me substituir na função os competentes Edgar Pereira Barbosa (Cacaio) e Masxoel Bastos de Freitas. Quanto a mim, que já tive a honra de ser o segundo Patrão do Fraternidade, coube a missão que ninguém quer assumir em lugar algum, ou seja, a de Secretário, atividade que também já estou exercendo na Estância da Poesia Crioula.
 
Parabéns a quem se despede e sucesso aos novos responsáveis, porque já está dando "ôh de casa" o Acampamento Farroupilha, as Sessões Magnas em louvor a revolução, as palestras e assim vai....   
 
 
 
  

terça-feira, 23 de agosto de 2016

REPONTANDO DATAS - 23 AGO


Num dia 23 de agosto, do ano de 1851, nascia em Cachoeira do Sul Ramiro Fortes de Barcellos, médico, político, escritor, jornalista e poeta.
 
Exerceu vários cargos políticos, tendo sido ministro, secretário da fazenda, procurador do Rio Grande do Sul, superintendente de Obras da Barra de Rio Grande, deputado provincial nos períodos de 1877 a 1878, 1879 a 1880 e 1881 a 1882; elegeu-se senador da República pelo Rio Grande do Sul de 1890 a 1899 e de 1900 a 1906. Criou, em 1902, como senador, a moeda cruzeiro, que só veio a ser adotada na década de 1940, no governo de Getúlio Vargas.

Empresta seu nome a uma importante rua em Porto Alegre e outras cidades do Estado. Se notabilizou na literatura pela autoria de um poemeto campestre (obra musicada no vídeo acima por Martin Coplas), elaborado entre 1910 e 1915, em razão de uma briga política contra seu primo, Antônio Augusto Borges de Medeiros, então presidente do estado, ali retratado como Antônio Chimango.

Este livro é um dos mais conhecidos da literatura gaúcha.



 

O RIO GRANDE É UM PAÍS A PARTE

 
 (CULTURALMENTE FALANDO)
 
 
 
Terminados os jogos Olímpicos que, mesmo contra todas as previsões negativas, foi um sucesso e mostrou que o povo brasileiro ainda tem autoestima, apesar dos diversos contratempos que ocorreram, o que é natural num evento deste porte, também percebemos, mais uma vez, que na visão dos encarregados da abertura e encerramento, o Brasil só existe, culturalmente falando, do Rio de Janeiro para cima. Já estamos acostumados com isto. Nós, gaúchos, somos alienígenas dentro da própria terra. O que tem valia é samba, frevo e bumba-meu-boi....
 
Mas nós mesmos pouco nos valorizamos. Nossa TV Estatal, em toda sua grade de programação, tem apenas um programa voltado para as nossas tradições. As demais emissoras de canal aberto? Com exceção da RBS TV, não lembro de nada significativo.
 
Por esta razão ergo as mãos para o céu quando o canal 12 coloca em sua tela, por longos minutos, um projeto como o Desafio Farroupilha. Nesta hora não procuro critérios do citado projeto, apenas vibro com a sua aparição. Os pormenores, as formas de escolha das invernadas (tem muito grupo reclamando que o estilo de dança Paixão Côrtes foi penalizado), realmente não me chamaram a atenção. Gostei da ideia como um todo e de vê-la projetada na maior rede de comunicação do Sul. Pena que a maioria destas promoções culturais tenham voz e vez, aqui mesmo no Rio Grande do Sul, no iminente mês dos Gaúchos. De toda a forma, melhor assim do que nada.
 
 
 
            

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

TEMPO DE LEMBRANÇAS E DESPEDIDAS


Segundo o folclorista Paixão Côrtes, que fala em tom de brincadeira, é claro, quando começam a te homenagear é porque não te resta muito tempo de vida.
 
Pois então a minha está na reta final, pois a semana passada foi de homenagens e reencontros.
 
Começou na quinta-feira, quando comemoramos 30 anos de formandos do Curso de Direito da PUC. Colegas que eu não via há muitos anos estavam lá, com suas histórias de lutas. Muitos morreram, outros estão bem longe, mas as recordações de todos afloraram naquela noite.
 
Sexta-feira foi dia da seção onde trabalhei os últimos anos no Ministério da Defesa (meu órgão de origem é o Ministério da Fazenda) prestar-me uma linda e emocionante homenagem pela passagem de minha aposentadoria que ocorre hoje, segunda-feira, dia 22 de agosto. Ganhei uma simbólica baioneta adaptável ao fuzil "mosquetão" dos tempos em que se guerreava olhando nos olhos do inimigo, além de dizeres que me fizeram chorar.
 
Sábado, sob chuva e frio, a "velha guarda" do CTG Rodeio Serrano reuniu-se no Galpão Aconchego dos Gaudérios para darmos boas risadas de tempos idos.
 
É isto que se leva (ou se deixa) da vida.   

Quinta-feira: Alguns dos colegas presentes no Jantar Comemorativo aos 30 anos de formatura do Curso de Direito. (PUC - Julho de 1986)

Sexta-feira: Almoço de despedida de meus colegas de Seção em face de minha aposentadoria, sacramentada pelo Diário Oficial da União de hoje, dia 22 de agosto.     

Sábado: Jantar da Velha Guarda do CTG Rodeio Serrano, ocorrida no Galpão Aconchego dos Gaudérios, em São Francisco de Paula. Momento de recordações.

 

domingo, 21 de agosto de 2016

ANATOMIA DE UMA DERROTA


Cliquem no link abaixo da foto do "Tchê Garotos" e vejam uma importante matéria produzida no Jornal ZH sobre o início e o fim do Projeto Tchê Music.    

Em 1999, a Tchê Music ensaiou dominar o país. O que deu errado?

Uma gravadora gaúcha e uma paulista mobilizaram-se para espalhar pelo país o movimento de grupos como Tchê Garotos, Tchê Barbaridade e Tchê Guri. Uma sucessão de erros interrompeu o voo.

 
http://zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/musica/noticia/2016/08/em-1999-a-tche-music-ensaiou-dominar-o-pais-o-que-deu-errado-7298662.html#showNoticia=XD5+NV9NcUozMDIwNDk2Nzg5NjQ1MDI5Mzc2PHdsNTE1MjM4NDAwMjQxNTg3MDU3MCV3XjMzMDA1MjA2ODU2MTY0OTY2NDBeTjpnMjEhcV9iREEwel9IO1g=


sábado, 20 de agosto de 2016

BATENDO MARTELO



Começa hoje (oficialmente) as construções dos, aproximadamente, 365 galpões que comporão o Acampamento Farroupilha de Porto Alegre. Mesmo com as dificuldades financeiras que assolam todos os setores da economia, os organizadores estão confiantes em um grande evento. O tempo está osco aqui pelas bandas da capital mas não vamos nos achicar. Vamos bater martelo e na boca do meio dia, empilhar uns tijolos, lascar fogo numa lenha e largar uma costela no fogo, só para não perder o costume.
 
 
 
 
 
 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A CRISE NA AVENIDA



Ao que parece, a crise que assola o Brasil e, principalmente, o Rio Grande do Sul, deixou as marcas de suas garras nos desfiles dos festejos farroupilhas. Total, se a nossa segurança está ao Deus Dará, ou melhor, está nas mãos dos bandidos, imaginem a nossa cultura.
 
Com a fuga dos patrocinadores o Desfile Temático que, devido a sua grandeza, vinha acontecendo separadamente do desfile tradicional, em 2015 deixou de acontecer e, neste ano, não se ouve falar nada a respeito. Provavelmente virá junto, novamente.
 
Os tradicionalistas mais ortodoxos se darão por contentes pois viam em tal manifestação algo beirando o carnaval. A grande maioria, porém, via nos imponentes carros alegóricos algo bonito e diferente da mesmice de sempre. Os organizadores, por sua vez, trabalhavam com a ideia de que nosso folclore ultrapassasse as fronteiras do Rio Mampituba. Ao menos para acalmar os ânimos dos debatedores, a crise serviu.
 
Não deixaremos de ser mais ou menos gaúchos pela importância de nossas comemorações. Aliás, eu trocaria qualquer manifestação neste sentido (nossa área cultural está estagnada, mesmo) por poder sair às ruas de minha cidade, tranquilo, de bota e bombacha, sem o sentimento do medo.
 
Quem diria. Meu rancho virou cadeia de mim mesmo.... Como dizem os entendidos: Estou em prisão domiciliar.
 
 
  
 
    
 
  

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

FIM DAS COMPETIÇÕES


ENTRE OS PROJETOS DO ACAMPAMENTO FARROUPILHA
 
Valter Fraga Nunes, palestrando sobre Tropeirismo no
Fraternidade Gaúcha
 
Gostaria de saudar, na figura do amigo Giovani Tubino, Coordenador da Tradição e do Folclore da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre, toda a Comissão dos Festejos Farroupilhas por terminar com as disputas entre os galpões, no que tange aos projetos culturais apresentados.
 
Os mesmos continuarão sendo avaliados e TODOS receberão o certificado, que não deixa de ser uma premiação, intitulada Simões Lopes Neto, ou seja, a obrigatoriedade de apresentação dos projetos continua, o que termina é a disputa entre eles. 
 
No ano passado fui um dos que questionaram tal concurso em face de seu dúbio regramento onde a subjetividade imperava.
 
Vejam bem:
 
Em 2015 nosso galpão Fraternidade Gaúcha apresentou o tema Tropeirismo e levamos como palestrante o experiente Valter Fraga Nunes, que ministra uma palestra de suma importância sobre tal atividade que marcou época em nosso Estado. A nota dele, na avaliação dos encarregados, foi máxima, ou seja, dez.
 
Por coincidência um CTG tinha o mesmo tema (tropeirismo) e também levou o amigo Valter para ilustrar este trabalho que, novamente e merecidamente, acabou levando nota dez.
 
Para nossa surpresa este CTG acabou classificando-se em terceiro lugar entre os mais de 300 galpões do acampamento e nós... não ficamos nem entre os quarenta melhores.
 
Na época questionei o resultado e  somente ontem fui saber os "critérios" de desempate, mas é melhor nem expô-los aqui para não causar risos.
 
A verdade é que projetos diferentes não podem competir em condições de igualdade. Como vou avaliar poesia com gastronomia? ... e com avaliadores distintos entre os galpões?
 
Por isso, e novamente, parabéns ao Giovani, ao Ademir (da Acamparh), ao MTG, ao IGTF, e a todos que labutam para aprimorar este que é um dos maiores acontecimentos de nossa cidade.
 
Temos outras novidades, mas como a prosa já está comprida, deixamos para um segundo momento.
 
 
 
 
 
         
 
     

NOVOS CONCURSOS LITERÁRIOS

 
DA ESTÂNCIA DA POESIA CRIOULA
 
 
 
 
 

AGENDA ALMA DE CAMPO


 
Um espetáculo fotográfico e poético estará sendo lançado durante a 39ª Expointer, de 27 de agosto a 04 de setembro. Falamos da Agenda Ama de Campo, da fotógrafa e amiga Marione Fernandes.
 
A riqueza de detalhes ilustrativos, os efeitos visuais, associados aos belos poemas de diversos poetas gauchescos emprestam um charme e uma autenticidade incomum em trabalhos deste porte.
 
Na agenda de 2016 tive a honra de participar com um poema na agenda feminina (mês de janeiro), o que transbordou-me de contentamento. Pois agora esta alegria triplicou pois tenho três versos ajojados nesta verdadeira relíquia. Dois na agenda feminina e um na masculina.
 
Parabéns, Marione, por esta bela obra que os gaúchos e as gaúchas já tem por balda carregar consigo do galpão à casa grande. A disputadíssima AGENDA ALMA DE CAMPO. 
 
 
 
 
 

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

CLIMA DE SETEMBRO



O acendimento da Chama Crioula na Ilha do Fanfa, local onde Bento Gonçalves foi surpreendido e preso após combate no ano de 1836, por Bento Manuel Ribeiro, o primeiro "melancia" (pessoa de duas cores) que se tem notícia no Rio Grande do Sul, e a posterior distribuição às dezenas de regiões tradicionalistas que se fizeram presentes na cidade de Triunfo - sendo considerada uma das maiores dos últimos anos - marcou o início das comemorações farroupilhas de setembro (que já começou em agosto).
 
O transporte da Chama, a chegada em suas cidades, a construção dos galpões no Acampamento Farroupilha de Porto Alegre que já anda alta do chão, assim como em muitas cidades do interior, dá indícios de que teremos grandes festividades.
 
Resta saber até onde os resquícios do "mormo" e a crise financeira afetarão os desfiles de cavalarianos e os festejos como um todo. Dezenas de prefeituras municipais já negaram apoio, mesmo sendo época de eleições. Falando em eleições, preparem-se para ver muitos candidatos pilchados, de bota nova apertando no pé....
 
 
  
 
   


terça-feira, 16 de agosto de 2016

VEM PRA CASA, PAIXÃO!!!



As 19.35 hs de sábado, dia 13 de agosto, o meu amigo Pascoal, Venerável Mestre da Loja Maçônica Virtude, me ligou: - Léo. Vem pegar o Paixão aqui em baixo que eu não tenho onde estacionar.  E lá fomos nós. O Grão-Mestre do Grande Oriente do Rio Grande do Sul Tadeu Pedro Drago e eu buscar um dos homenageados da 6ª Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula. O outro era o Movimento Tradicionalista Gaúcho, na figura de seu Presidente, Sr. Nairo Callegaro.
 
Da Alberto Bins até seu lugar de honra no teatro do SESC fizemos uma verdadeira via sacra pois todos queriam, tirar uma "self" com o maior ícone do tradicionalismo gaúcho. Na subida das escadas ele me confidenciou: - Boca da Serra (me chama assim). Não vim de bombachas porque emagreci demais. Nenhuma me serve mais.
 
Nestes breves momentos eu pude sentir o carinho, a idolatria que crianças, jovens e velhos tem por João Carlos D'Avila Paixão Côrtes.
 
Fizemos as homenagens logo no início do festival pois nosso trato com a sua esposa, Dona Marina, é que ela o liberaria, mas não por muito tempo.
 
Qual nada...
 
Paixão Côrtes foi ficando, foi ficando... tirando fotos, atendendo a todos, contando e ouvindo histórias, dando gostosas gargalhadas. Estava feliz, após meses de enfermidade.
 
Vivenciava o meio criado por ele. 
 
E só saiu de lá na hora em que cruza o Boi Tatá, ou seja, em riba da meia noite. 
 
Enquanto isto, meu amigo Pascoal seguidamente atendia o celular. Era Dona Marina gritando: - Vem pra casa, Paixão!
 
Abaixo algumas fotos de: Rádio Clarim Farrapo; Djalma Pacheco (Esteio da Poesia) e outros
    








 
 
 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

TERTÚLIA MAÇÔNICA EM FOCO


Quem Somos?
Autor: Maxsoel Bastos de Freitas 
Intérprete: Maxsoel Bastos de Freitas
Amadrinhador: Jader Leal   

Uma Pedra em Meu Caminho
Autor: Luis Lopes de Souza
Intérprete: Paulo Ricardo dos Santos
Amadrinhador: Rodrigo Cavalheiro

Aprendiz
Autor: Rômulo Chaves
Intérprete: Antônio Mauro Rodrigues Cadorin
Amadrinhador: Antônio Mauro Rodrigues Cadorin Filho

Itaú
Autor: José Estivalet 
Intérprete: José Estivalet
Amadrinhador: Jader Leal   


A Capela de Rosslyn
Autor: Moisés Menezes
Intérprete: Rodrigo Canani Medeiros
Amadrinhador: Henrique Arboitte Torrel de Bail  

Extremo Sul de Mim
Autores: José Luis Flores Moró e Ari Pinheiro
Intérprete:Vitor Lopes
Amadrinhador: Jorge Araújo  

As Leis do Fundo de Campo
Autor: Paulo de Freitas Mendonça
Intérprete: Paulo de Freitas Mendonça
Amadrinhador: Raul Quiroga  

Herança de Guerra
Autor: Cândido Brasil
Intérprete: Jair Silveira
Amadrinhadores: João Aquino e Maicon Euriques   
 
A Morte Envolta no Lenço
Autor: Rodrigo Bauer 
Intérprete: Pedro Junior da Fontoura
Amadrinhadores: Henrique Scholz e Paulinho Pires  

 
Epílogo
Autor: Silvio Aymone Genro
Interprete: Silvana Giovanini
Amadrinhadores: Adão Quevedo e Paulinho Pires
 
 
Fotos: Revista O Delta
 
 

 
 
 

O DIA SEGUINTE


público lotou o Teatro do SESC
Foto: Rádio GORGS

Comentários no facebook de quem foi o primeiro, o segundo e o terceiro lugar na linha livre da VI Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula.
 
Na verdade, premiação pouco importa, pois TODOS são merecedores. A crítica construtiva dos participantes também será sempre bem vinda. 
 


13 h
Mil gracias Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula pelo carinho fraterno e amigo de sempre. É realmente um grande privilégio participar desse grande encontro de amigos e irmãos, acima de tudo.

Obrigado meu irmão querido Rodrigo Bauer (Negra Marchezan) pela confiança em nosso trabalho e pela irmandade de sempre. Que balaço!!! Estamos contando a história dos lenços gaúchos e fazendo história junto deles. Sem palavras para agradecer.

Obrigado Henrique Scholz mano de quase trinta anos de palcos juntos e tantas histórias. Depois das emoções do Juvenart no final de semana passado, mais um momento de êxito e arte. Tu é o cara!!!

Mestre Paulinho Pires. Que sorte a nossa de poder sorver de tanta sabedoria, humildade e grandeza. Foi mágico dividir esses momentos com a tua arte.


Abraçar o nosso guru Paixão Cortes e reviver tantas histórias foi um presente dos Deuses.



Ontem saí da Tertúlia Maçônica direto em viagem e não pude me deter a maiores comentários sobre o festival, o qual participei pela primeira vez como concorrente nesta sexta edição, embora tenha feito o espetáculo na segunda e assistido à quinta edição. O evento, ano a ano, se consagra pelo bom nível dos concorrentes nas duas linhas, mas nesta sexta edição teve um alto brilho espiritual que fez transcender o palco. A inteligente decisão de homenagear ao MTG e ao Paixão Côrtes, criatura e criador, mostra a grandiosidade da alma dos seus organizadores, capitaneados por Léo Ribeiro de Souza e a responsabilidade cultural de um certame poético que vislumbra algo mais do que a difusão da poesia. 

 Ao render seu reconhecimento aos homenageados, o festival presta um agradecimento. Este magistral ato soa-me como alguém que se curva ante seus ancestrais e agradece a oportunidade de poder ser seguidor de seus feitos. A Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula ganha, pela presença de João Carlos D'Ávila Paixão Côrtes, uma iluminação espiritual inigualável, porque este homem é assim. Aos 89 anos de idade tem uma energia jovial e uma espiritualização com o poder de elevar a força da terra ao núcleo do maior saber artístico e de devolver ao Pago a genialidade do seu folclore, da sua arte e do seu saber mais profundo. E tudo isso faz com que onde ele esteja haja a luz emanada por sua aura. Assim foi a Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula neste dia 13 de agosto. Um evento iluminado, na mais expressiva concepção da palavra, um festival no qual se abraçaram felizes "os concorrentes" a cada bom trabalho apresentado no palco e no final, os que foram premiados. Um momento inesquecível a todos que lotaram o Teatro do Sesc no centro da capital gaúcha e a todos que tiveram o privilégio de participar do festival. 


 A premiação? Ah!!! A premiação já está amplamente divulgada e é apenas uma consequência do sucesso do evento, do talento de cada poeta, de cada declamador (a) e de cada amadrinhador...




 
Cândido Brasil adicionou 4 novas fotos — com Paulo De Freitas Mendonça e outras 34 pessoas.

21 h
 

VI TERTÚLIA MAÇÔNICA DA POESIA CRIOULA
E ontem participamos deste importante certame cultural, onde fomos agraciados com a premiação de 3º lugar, com o Poema "HERANÇA DE GUERRA", interpretado magistralmente por Jair Silveira, amadrinhado por João Aquino e Maicon Ouriques. Meu muito obrigado a eles e a organização deste magnífico evento, onde todos são ganhadores, visto que não há o que pague confraternizar momentos de convivência com seres iluminados como os que lá estavam