"TEU PRESTÍGIO É PROPORCIONAL A TUA CONDUTA"

Léo Ribeiro


POESIA DA SEMANA


O NADA
(Rodrigo Bauer)

O nada singra no sem fim das horas,
está no copo de quem já bebeu
ficou na estrada de quem foi embora
e veste as roupas de quem já morreu.

Habita as sombras, num lugar incerto
e após a chuva vai virar estio,
o nada é um pássaro de céus desertos
fazendo ninhos pra viver vazio!




RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Autor: Aldo Chiappe

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

domingo, 2 de fevereiro de 2020

OS CIRCOS DA MINHA INFÂNCIA



 
"Hoje é domingo, teu pai é um gringo... Hoje tem marmelada? Tem sim "sinhô"... E o palhaço o que é? É ladrao de "muié"....

Mas... Espere um pouco! Para onde foram os circos da minha infância? Aqueles onde as lonas rasgadas, quais colchas de retalhos, eram lar e trabalho dos artistas que não passavam de uma família e mais dois ou três "artistas" arrebanhados pelas andanças?

O pai era o cantador de tangos, o equilibrista, o mágico que transformava as velhas apresentações em pratos de comida. Os filhos, nômades, sem escola, sem amigos fixos, se contentavam com pouco: davam os “saltos mortais” sobre um tonel e olhavam o mundo sem enxergar o amanhã. A mãe, apesar da idade e do corpo um tanto desgastado, era contorcionista tanto no picadeiro quanto no velho fogão. Os amigos que tinham algumas habilidades como atirar facas, cuspir fogo, caminhar sobre cacos-de-vidros, não passavam mais do que uma “temporada”, pois o inverno era rigoroso entre as frestas dos carroções. Quem se aquerenciou por mais tempo foi um anão, por não encontrar uma vasa fora dos burlantins.

Para onde foram os circos da minha infância?

Aquele pequeno cenário rodeado por arquibancadas de madeiras repregadas, onde o único animal, um cusco bragado, rolava no chão e se fazia de morto, era um mundo de sonhos ou será que, sonhando, vi meu tempo ir-se embora com os circos da minha infância?

A nossa vida é um circo! Vamos faze-la sorrir!