"TEU PRESTÍGIO É PROPORCIONAL A TUA CONDUTA"

Léo Ribeiro


POESIA DA SEMANA


O NADA
(Rodrigo Bauer)

O nada singra no sem fim das horas,
está no copo de quem já bebeu
ficou na estrada de quem foi embora
e veste as roupas de quem já morreu.

Habita as sombras, num lugar incerto
e após a chuva vai virar estio,
o nada é um pássaro de céus desertos
fazendo ninhos pra viver vazio!




RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Autor: Aldo Chiappe

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

UM "VIVA" A DECLAMAÇÃO !


Romeu Weber
 
Léo Ribeiro
 
Valdemar Camargo
 
Este time integra a Comissão de Declamação Peão.
 

Se tem coisa que acho linda é um poema bem recitado. O declamador coloca sua alma nos versos e faz a gente viajar junto deles. Temos excelentes representantes da arte declamatória neste Rio Grande de São Pedro. Do saudoso Marco Aurélio Campos, o Boca, para mim o melhor de todos, até este pessoal festivaleiro, de estilo mais contemporâneo. 
Estou tocando neste assunto porque pela 5ª vez seguida faço parte do corpo de avaliadores da declamação masculina do maior rodeio crioulo do Brasil, ou seja, o Rodeio Internacional de Vacaria. Faz 10 anos (o evento é de 2 em 2 anos) que adentro nas plagas vacarianas para ouvir e opinar sobre as recitações de 100 concorrentes somente nesta categoria (masculina). 
Também vou avaliar, pela 3ª vez seguida, o Concurso de Poesias Inéditas.
Não sou um grande declamador pois faço parte daqueles viventes que precisa de um ambiente adequado para soltar o verso. Não consigo me concentrar com gritaria na volta. Penso que poesia tem hora e lugar. Nos templos maçônicos, aonde não se escuta um mosquito, ou na beira de um fogo de chão, entre amigos, me dou bem. Contudo, meu ouvido é afinadíssimo para ouvir uma poesia e jamais pecarei pela falta de isenção em uma avaliação.   
Acompanho, nesta jornada, dois dos maiores declamadores que conheço, os multicampões Romeu Weber e Valdemar Camargo Athayde. Estes são feras.
A gente sabe que tudo depende do dia, do foco, da memória, da escolha do poema, da ansiedade, do domínio do tema abordado, enfim, de um somatório de bons fluídos. De toda a forma desejo uma boa sorte a todos os competidores.