RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

domingo, 4 de junho de 2017

DIVERGÊNCIAS SOBRE ACAMPAMENTO


Entidades tradicionalistas divergem sobre modelo de gestão do Acampamento Farroupilha

Tema foi alvo de debate na tarde deste sábado: enquanto o MTG pleiteia a coordenação exclusiva, a Acamparh pede a permanência da prefeitura

Por: Carlos Rollsing
 
 
 
Tradicional evento cultural do Rio Grande do Sul, o Acampamento Farroupilha poderá deixar de contar com a participação da prefeitura de Porto Alegre na gerência dos festejos que se estendem durante todo o mês de setembro no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho.
 
Há uma divergência entre entidades que precisa ser resolvida: enquanto o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) pleiteia a exclusividade na organização, a Associação dos Acampados da Estância do Harmonia (Acamparh) considera a saída do poder público da linha de frente um retrocesso.

Pelo menos 100 adeptos do gauchismo se reuniram na tarde deste sábado (3) na Câmara de Vereadores, no Plenário Otávio Rocha, para discutir a construção da estrutura do acampamento, dos galpões, dos palcos, o sistema de portarias, o regulamento e a agenda artística, incluindo shows e desfiles. Até o momento, o indicativo é de que as decisões e execuções de tarefas caberão ao MTG, que já trabalha na coordenação, mas outras entidades esperam contar com a reinserção do município na direção. Nos debates realizados, a prefeitura assegurou que irá disponibilizar serviços de limpeza do parque, distribuição de água e segurança com a Guarda Municipal.

— A prefeitura tem nos dito não ter condições e que quer deixar com o MTG. É mais fácil entregar e lavar as mãos. Nós entendemos que o poder público deve ser gestor e que ele não pode sair de um evento por onde passam 1,3 milhão de pessoas. É uma atividade pública tão grande que não pode ser monopolizada por um ou outro grupo — critica Ademir Machado Moraes, presidente da Acamparh, que promoveu o debate deste sábado.

Os tradicionalistas terão reunião com o secretário municipal da Cultura, Luciano Alabarse, na próxima quarta-feira, para debater o futuro do Acampamento Farroupilha.
 
— Estamos negociando com eles, é uma situação que não está definida. O MTG pediu ao prefeito formalmente que eles fossem os proponentes e únicos organizadores do evento. Vamos tentar uma conciliação, mas não é da prefeitura essa disputa. É um olhar diferente entre o MTG e a Acamparh. Já ouvi os dois em separado e, agora, vamos conversar conjuntamente para decidir o que for melhor para o acampamento — diz Alabarse.

Presidente do MTG, Nairioli Callegaro acredita que "pequenos ajustes irão acontecer com naturalidade" antes da assinatura do acordo de organização da festa com a prefeitura.
 
— O que nós queremos é um convênio tendo o MTG como gestor, mas a prefeitura continua parceira. O acampamento só acontece com o apoio do poder público. Essa questão de excluir a prefeitura não existe — afirma Callegaro.

Os tradicionalistas experimentaram certa independência desde 2016, primeiro ano em que não houve investimento de verba pública — no papel, o repasse estava previsto, mas ele não aconteceu por falta de caixa. Antes disso, o município destinava cerca de R$ 300 mil ao ano, montante que garantia o sistema de rede elétrica e de iluminação do parque. Na edição de 2017, o governo Marchezan avisou que não aplicará dinheiro da prefeitura no Acampamento Farroupilha ou em qualquer outro evento cultural.

Um mês de acampamento custará R$ 1,8 milhão, informa Moraes, da Acamparh. O MTG captou 70% do valor com patrocínios diretos de empresas e recursos via leis de Incentivo à Cultura (LIC) e Rouanet. Mas ainda falta pouco mais de R$ 500 mil a serem arrecadados pela organização.
 
— O evento sai de qualquer maneira. Se não buscarmos o que falta, algumas coisas terão de ser reduzidas — assegura Moraes.

As entidades afirmam que não há atrito com a prefeitura pela retirada da ajuda financeira. Os tradicionalistas dizem compreender o momento de crise, aceitando os serviços garantidos de segurança, água e limpeza.

— O MTG já vinha se precavendo e vai organizar sem aporte de dinheiro público. Todos sabemos das dificuldades, mas a prefeitura ainda tem a estrutura, o parque, as secretarias que podem aportar serviços. Todo o restante, como locações, convênios, contratações e programação cultural, já está praticamente pronto. O MTG está trabalhando nisso desde janeiro — diz Callegaro.
Alabarse alerta que o meio cultural terá de se adaptar.

— É um novo modelo de gestão. Temos de entender definitivamente que há um modelo esgotado de olhar para a prefeitura e achar que a verba é ilimitada. Não queremos exterminar com o calendário de eventos, mas as associações precisam entender que os recursos ficam a cargo delas. Não há nenhum motivo de conflito entre o MTG e a prefeitura. Em todas as reuniões, a primeira coisa que eles falaram foi que não estavam pedindo recursos orçamentários — disse o secretário.