RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Bandeira do Rio Grande hasteada na chaminé de 92 metros do Shopping Total em Porto Alegre. Foto: Divulgação Shopping Total.

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

 

SETEMBRO AMARELO


Há muitos anos, quando eu ainda residia no bairro Bom Fim, aqui em Porto Alegre, esteve em meu apartamento um formando da UFRGS buscando subsídios para seu Trabalho de Conclusão de Curso. O tema que ele abordou era suicídio. 

Dizia-me, o aluno, que o Rio Grande do Sul era o Estado com o maior número de suicídios do Brasil e um dos maiores do mundo. Na sua concepção o motivo para tanto era de que o gaúcho, sempre se autodeterminando um homem viril, ao chegar em certa idade e não podendo mais fazer o que estava acostumado quando moço, não se conformava com tal situação e acabava tirando a própria vida. 

Pois esta semana vi que tal número, infelizmente, continua o mesmo, ou seja, após tantos anos nosso Estado continua ponteando tal estatística.  Parece um fenômeno cultural.

Pois este mês de setembro em que comemoramos a revolução farroupilha também é chamado de Setembro Amarelo pois é dedicado à prevenção do suicídio. Trata-se de uma campanha, que teve início no Brasil em 2015, e que visa conscientizar as pessoas sobre o suicídio, bem como evitar o seu acontecimento. 

Ao mesmo tempo em que há muita discussão sobre o tema e que são organizadas caminhadas, durante esse mês alguns locais são decorados com a cor amarela. Assim, já foram iluminados de amarelo o Cristo Redentor, o Congresso Nacional, a Catedral e o Paço Municipal de Fortaleza, entre outros. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 32 pessoas se suicidam por dia no Brasil, sendo que o Rio Grande do Sul é o que apresenta um número bem maior em relação aos demais Estados. O suicídio mata mais brasileiros do que doenças como a AIDS e o câncer. 

O assunto é envolto em tabus, por isso, a organização da campanha acredita que falar sobre o mesmo é uma forma de entender quem passa por situações que levem a ideias suicidas, podendo ser ajudadas a partir do momento em que as mesmas são identificadas. 

As situações que levam a esse fim podem surgir de quadros de depressão, bem como do consumo de drogas. 

É por isso que “Falar é a melhor solução” é o slogan da campanha, cujos envolvidos na sua organização acreditam que conscientizando as pessoas podem prevenir 9 em cada 10 situações de atos suicidas. 

O Setembro Amarelo começou nos EUA, quando o jovem Mike Emme, de 17 anos, cometeu suicídio, em 1994. 

Mike era um rapaz muito habilidoso e restaurou um automóvel Mustang 68, pintando-o de amarelo. Por conta disso, ficou conhecido como "Mustang Mike". Seus pais e amigos não perceberam que o jovem tinha sérios problemas psicológicos e não conseguiram evitar sua morte. 

No dia do velório, foi feita uma cesta com muitos cartões decorados com fitas amarelas. Dentro deles tinha a mensagem "Se você precisar, peça ajuda.". A iniciativa foi o estopim para um movimento importante de prevenção ao suicídio, pois os cartões chegaram realmente às mãos de pessoas que precisavam de apoio. 

Em consequência dessa triste história, foi escolhido como símbolo da luta contra o suicídio, o laço amarelo.