RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Bandeira do Rio Grande hasteada na chaminé de 92 metros do Shopping Total em Porto Alegre. Foto: Divulgação Shopping Total.

terça-feira, 30 de agosto de 2022


MATIZES SERRANAS 


Atendendo alguns (vários) pedidos estamos postando a letra da composição Matizes Serranas com escrita de minha lavra, musicada pelo gaiteiro Ubiratã Reis e defendida pelo Grupo Batendo na Marca no 29º Ronco do Bugio. Tal música recebeu os prêmios de Música Mais Popular e também o de Primeiro Lugar na Fase Local, recebendo por esta classificação o Troféu Ronco da Terra.


Crédito: Sílvio Kronbauer
 


MATIZES SERRANAS

Letra: Léo Ribeiro

Música: Ubiratã Reis


Já deu  "oh casa" a boca d' outono

i'eu puxo pro sono meu poncho cardado

na tarde uma réstia de sol do verão

reflete no chão um tom de dourado.

 

Matizes da serra, de folhas caindo,

tapete mais lindo lhes juro eu não vi

é meu São Francisco e sua avenida

pedaços de vida deixei por aqui.  

 

Eu sou como as folhas, rebroto das quedas, 

a chuva me leva e o vento também   

por tempos me ausento do pago nativo

pra voltar mais vivo no ano que vem.  

 

Sentado e pitando no banco da praça

em meio a fumaça bombeio o passado

e vejo tropeiros tinindo seus relhos

pelo desparelho do antigo povoado. 

 

Aqui neste chão cruzaram pessoas

de lembranças boas, de semblantes sérios,

gaúchos serranos de poses torenas

mantendo o sistema de antigos gaudérios.  

 

Eu sou como as folhas, rebroto das quedas, 

a chuva me leva e o vento também   

por tempos me ausento do pago nativo

pra voltar mais vivo no ano que vem.

 

Ranchos com varanda beirando a calçada

no rumo da estrada a rua se vai

levando consigo a minha saudade

da velha cidade dos pais de meus pais.

 

É a velha São Chico dos campos dobrados

da cuia, do lago, das noites de frio,

se avulta em meu peito tal qual um braseiro

quando um gaiteiro retrecha um bugio.