"TEU PRESTÍGIO É PROPORCIONAL A TUA CONDUTA"

Léo Ribeiro


RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
NÃO TE ENTREGA, MEU AMIGO VELHO! Desenho: Léo Ribeiro de Souza

sexta-feira, 19 de junho de 2020

101 ANOS DE GILDO DE FREITAS


Na data de hoje, 19 de junho de 2019, comemora-se o nascimento do maior trovador que este Rio Grande viu nascer, ou seja, Gildo de Freitas. Gildo  nasceu no Bairro do Passo d'Areia, Porto Alegre, era filho de Vergílio José de Freitas e Georgínia de Freitas.

Consagrado na tradicional “Mi Maior de Gavetão”, em versos de sextilhas, acabou criando um estilo próprio, nos dias de hoje muito difundido pelos trovadores do Rio Grande do Sul. Foi, também, compositor de grande talento e algumas de suas obras tornaram-se verdadeiros clássicos do cancioneiro gaúcho, como é o caso de “Eu Reconheço que Sou Grosso”.

Cronologia de Gildo de Freitas

1931 - Gildo foge de casa pela primeira vez, aos 12 anos.

1937 - É tido como desertor, por não ter se apresentado à convocação militar. Envolve-se na primeira briga séria, onde morre um jovem amigo. Primeira prisão. Cria ódio da polícia.

1941 - Casamento com dona Carminha. Passa a ter morada fixa no bairro de Niterói, em Canoas, Grande Porto Alegre. Continuam os contratempos com a polícia.

1944 - Nasce o primeiro filho depois de dois perdidos. Gildo começa a viajar bastante e a ser reconhecido como trovador.

1949 - Trovador com fama ascendente em todo o Rio Grande do Sul, desaparece de casa e reaparece na fronteira gaúcha. Em longa temporada passada no Alegrete, mal consegue caminhar, com problema de paralisia nas pernas.

1950/51 - Em São Borja, conhece Getúlio Vargas e entra em sua campanha política. Param as perseguições policiais. Primeira viagem ao Rio de Janeiro.

1953/54 - Faz fama como trovador nos programas de rádio ao vivo em Porto Alegre. Volta à viver no Passo d`Areia, com a família.

1955 - Encontro e identificação como Teixeirinha. Muitas viagens. Mudança para o bairro Passo do Feijó e abertura do primeiro bolicho.

1956/60 - Maior atração do programa Grande Rodeio Coringa dos domingos à noite. Mais viagens com Teixeirinha.

1961/62 - Declínio dos programas de rádio ao vivo, televisão começando. Gildo resolve largar de mão a "cantoria" e inventa de criar porcos.

1963 - Viagem a São Paulo para gravar o primeiro disco.

1964 - É lançado o primeiro LP. Em meados do ano é "convidado" a prestar depoimento sobre suas ligações com o trabalhismo.

1965 - Início da célebre disputa com Teixeirinha através dos discos. Jango o convida para viver no Uruguai e ele não aceita.

1970/77 - Várias internações em hospitais, sucesso popular das gravações, muitas viagens. A "briga" com Teixeirinha chega ao auge. Mudança para Viamão.

1978 - Inaugura em Viamão a Churrascaria Gildo de Freitas e dá início aos bailões.

1982 - Grava o último disco, para a mesma gravadora dos outros todos, Continental. Última internação em hospital, últimas aparições públicas em programas de TV. Morte em 4 de dezembro.
 
No inverno de 1958, durante um jantar festivo por parte da direção e funcionários da Viação Férrea na churrascaria Gaúcha de Aquiles Magro, apresentou-se a dupla de cantores Gildo de Freitas na gaita e Teixeirinha no violão que, por vezes faziam parcerias.