RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
26º RONCO DO BUGIO (1 e 2 Setembro) - PRAZO DE INSCRIÇÕES DIA 28 DE JULHO

COMEÇANDO A LIDA BLOGUEIRA COM:

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

ASSIM É DIFÍCIL



Que o Brasil é o País dos corruptos não precisa reforçarmos aqui. Basta olhar os índices mundiais. Quem não gostar de gráficos que bombeie, diariamente, os noticiosos de rádios, televisões e jornais.  A retrospectiva de 2016 foi só em cima dos graxains, dos mãos-peladas, dos amigos do alheio.
Mas não é só na política que a raposada mora. Está em nosso dia-a-dia, em nós mesmos. Aprendemos bem com os graúdos de Brasília. Somos um bando de contraventores, embora em escala de volumes menores. Infração de leis é com a gente mesmo.
Passei a virada do ano aqui por nosso litoral norte e é impressionante a malandragem, o subterfúgio às normas.
Há pouco foi proibido o som alto nos carros. Se o agente fiscalizador escutar a música além do vidro fechado do carro, recolhe-se o veiculo. O que vimos, no entanto, foi um festival de carros a beira do mar numa disputa de qual tinha a maior parafernália de som e as músicas mais ridículas para todos que estivessem na volta escutassem o dia inteiro. A tal de bate-estaca, o rap e o sertanejo universitário deram o tom.
De outra parte, é proibido cachorro na praia em virtude de doenças que os animais possam deixar na areia. Pois nunca vi tanto cachorro se banhando comigo aos olhos orgulhosos de seus donos (e olhem que sou cachorreiro).
Outro fato irritante. É destinado aos pescadores uma área específica para a prática de seu esporte. Pois eles insistem em pescar no meio dos banhistas, como se fossem os donos do pedaço num perigo iminente para quem está na volta.
Para terminar meu início de ano de mau humor um gambá (bêbado, borracho, pau-de-cana) resolveu fazer "zerinho" com seu chevete nas areias povoadas de pessoas. Não deu outra. Atropelou um jovem sentado em sua cadeira. O salva-vidas teve que intervir, deixando sua obrigação de bombear o mar de lado. Pois o pinguço atropelador ainda quis bater no moço, como dono da razão. A brigada foi chamada e estamos até hoje, dia 02, esperando. Simplesmente porque não tem brigadianos. Estamos acéfalos em matéria de segurança.
E assim caminha sem mudar o tranco o nosso Rio Grande velho. Que Deus nos proteja porque, se dependermos da cultura de nosso povo e dos desmandos do governo, estamos sem pai nem mãe.