"TEU PRESTÍGIO É PROPORCIONAL A TUA CONDUTA"

Léo Ribeiro


RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Crédito: autor desconhecido

segunda-feira, 10 de maio de 2021

REPONTANDO DATAS / 10 DE MAIO

 


Num dia 10 de maio, do ano de 1808, nascia na estância de seus avós maternos, nas proximidades da Vila de Nossa Senhora da Conceição do Arroio, hoje, Osório, Manuel Luiz Osório, depois Marques do Erval, Patrono da arma de cavalaria do exército brasileiro. E aqui uma curiosidade que poucos conhecem. Manuel Luiz Osório, por sua bravura e devotamento, na realidade era para ser o Patrono do próprio exército mas Duque de Caxias tinha mais influência, mais nome junto a Corte e acabou sendo o escolhido.    
 
Manoel Luiz Osório
 

General Osório (1808-1879) foi militar e político brasileiro. É o Patrono da Arma de Cavalaria do Exército brasileiro. Herói da Guerra do Paraguai.
General Osório (1808-1879) nasceu em Nossa Senhora da Conceição do Arroio, atual Osório, Rio Grande do Sul, no dia 10 de maio de 1808. Filho de Manuel Luís da Silva Borges, comandante do Regimento de Salto, e de Ana Joaquina Osório. Aprendeu as primeiras letras com o mestre-escola Miguel Alves. Muda-se com a família para a cidade de Salto, onde teve aulas com o capitão dos dragões Domingos José de Almeida.
Em 1822, com a independência do Brasil, inicia-se no sul do país a Guerra da Independência, e seu pai no comando do Regimento de Salto, resolve levá-lo. Embora não participe dos combates, vai se empolgando pela luta. Antes de completar quinze anos, inscreve-se no Exército, como voluntário da Legião de São Paulo.
General Osório, desde os primeiros combates, mostra sua habilidade com o manejo das armas. Em 1824, já era cadete e depois alferes, no Terceiro Regimento da Cavalaria de Linha. Com o fim da guerra Osório pretendia se licenciar da Cavalaria e estudar no Instituto Militar, mas teve seu pedido de licença negado. Entre 1825 e 1828, participa da campanha na Guerra Cisplatina. No fim do combate é promovido a primeiro-tenente.
No dia 15 de novembro de 1835, casa-se com Francisca Fagundes, filha de um juiz de paz. Neste mesmo ano combate na Guerra dos Farrapos. Luta junto com os legalistas nas batalhas em Porto Alegre, Bagé e Caçapava e na região de Herval, onde em 1838, se distingue e é promovido a capitão. O pai morrera nos combates, a mãe passava necessidades, Osório queria voltar para junto da esposa. Com 31 anos pede reforma do Exército, mas não se cogitava dispensar um dos seus melhores soldados.
Em 1842, Osório recebe a condecoração do Cruzeiro do Sul e é promovido a Tenente-Coronel. Em 1851, lutou contra Rosas. Em 1864, teve início a Guerra do Paraguai. A Osório foi confiado o comando do Exército. As dificuldades logo foram superadas e o Exército Brasileiro começou a somar significativas vitórias.
O maior combate registrado em toda Guerra do Paraguai foi o que se travou em Tuiuti. Coube a glória a Osório de haver planejado a batalha da qual participou com heroísmo. Com apoio da esquadra, o Exército Brasileiro iniciou a invasão do Paraguai. Depois disso, Osório foi substituído pelo General Polidoro Jordão. Como a luta prosseguia, Osório passou a Comandar o III Corpo do Exército, organizado no Rio Grande do Sul. Dirigiu a Marcha de Flanco de Tuiuti.
Em 1866, recebeu o título de Barão. Em 1869, Marquês de Herval e em 1877, Marechal de Exército. Foi eleito Senador pelo Rio Grande do Sul, e finalmente foi nomeado para a Pasta da Guerra Nacional. General Osório é o Patrono da Arma de Cavalaria do Exército Brasileiro.
Manuel Luís Osório Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 4 de outubro de 1879.