"TEU PRESTÍGIO É PROPORCIONAL A TUA CONDUTA"

Léo Ribeiro


RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Indios, provavelmente charruas. Notem o chiripá. Foto: Autor desconhecido. Museu Nacional do Chile.

domingo, 17 de outubro de 2021

Domingo na pulperia - Rodolfo Ramos
(viñetas de Martin Fierro)



 

FILOSOFIAS GAUDÉRIAS (em trovas literárias)

 

Ele se diz "mui" capaz, 

bombacha branca e pregueada...

- Pode ser um bom rapaz

mas não pra lida forçada.


-Léo Ribeiro-  




DOMINGO.... CAUSO DE GALPÃO.

 

ENGATA AS “TRAÇÃO”



O gaúcho Adão Ondino Bueno, crioulo lá de Bagé, fraterno amigo e irmão de uma Ordem Maior, é destes tauras de lei que, na minha opinião, nasceram fora do tempo. Por seu estilo e estampa deveria ter brotado lá onde o Rio Grande começa. Nos campos sem alambrados, nos pealos de gado alçado a tiros de boleadeiras. Foi dançarino do Grupo de Arte Nativa Os Muuripás e andejou por este mundo velho de Deus sendo considerado um dos maiores sapateadores de chula e malambo do Rio Grande além de declamador de primeira e exímio executor de bombo legüero.

O Bueno, após abandonar as gauderiadas ao casar-se com a cambaraense Liane Borges, reapareceu lá por São Chico de Paula numa kombi já querendo bater os canecos na função de representante comercial de uma indústria de máquinas agropecuárias. Entre uma churrasqueada e outra vendia seus produtos. Seu “ajudante” lá por Cambará do Sul era o saudoso Severiano Lima, o gaúcho mais autêntico que conheci. Com ele não tinha gre-gre para dizer Gregório. Era o serrano típico que hoje não se vê mais... Para muitos era considerado um índio grosso mas, para mim, o Severiano Lima era a pureza em pessoa. Ao prosear tratava a todos, brancos, negros, velhos, crianças, de “Meu Querido”. Nunca ouvi o Severiano, velho monarca, chamar alguém pelo nome.

Era proprietário de uma rural willys tracionada que subia até em pinheiro e mesmo após muitos anos guiando a condução o "Tio Severo" não acostumou-se a dar sinal de esquerda ou direita. Botava o braço para fora e apontava para onde ia dobrar.

Por ser conhecedor de todos os moradores daquela terra bonita onde o frio fez morada, ajudava o Bueno nas vendas.

Certa feita trataram uma visita num lindeiro de campo do Severiano. Antes de dar ôh de casa no vizinho agendado, comeram uma feijoada engrossada a caracu, pois o Severiano não tinha pressa para nada e vivente que chegasse no seu rancho não saía assim no mais. Depois de uma ambrosia para adoçar as tripas embarcaram na Kombi do Bueno para a empreitada da venda.

- Vamo por dentro do campo, meu querido, que nóis ataiemo um eito – bradou o Severiano.

O Bueno profetizou: - Mas de Kombi será...

- Vamo que tô acostumado. Conheço cada palmo do terreno – afirmou o velho gaúcho.

Ao chegarem numa baixada da coxilha deram de frente com um manancial. Uns dez metros de banhado correndo ao comprido do campo. O Adão Bueno parou a Kombi e falou, meio sestroso.

- Acho que não passa...

Severiano Lima, vaqueano de campo e mato insistia:

- Passa, meu querido! Meta que eu garanto!

O Bueno, respeitando a idade do amigo e para não contrariar o parceiro de lida lascou uma primeira, pisou fundo e... parou no meio do banhadal com a água batendo nas paletas da kombi que patinava de sair fumaça.

Foi aí que o Severiano gritou:

- ENGATA AS TRAÇÃO!!!

- Não tem tração!!! – respondeu o Bueno, embaixo do mau tempo.

- ENTÃO NÃO PASSA MESMO... MEU QUERIDO!!!!


Causo recolhido e escrito por Léo Ribeiro




sábado, 16 de outubro de 2021

ESSA É PARA OS DINOSSAUROS...

 

....QUE TIVERAM O PRAZER DE CONHECER A

VIAÇÃO AÉREA RIO-GRANDENSE.



empresa de aviação que tinha em seus quadros um departamento de tradições gaúchas (Pagos da Saudade), fundado em 1958, com músicos de renome como Paulinho Pires e os melhores bailarinos do Sul levando ao Brasil e ao mundo a nossa cultura nativa.
   


JÁ FUI BOM

 



JÁ FUI BOM
- Irmãos Bertussi -

Recordando o meu passado
até me dói no coração
nos tempos de moço novo
fui um gaúcho "pimpão".
Eu laçava na coxilha 
derrubava no galpão 
coisa que eu mais gostava
 era montar num redomão.


CTG RANCHO DA SAUDADE

 

RECEBE PREMIAÇÃO INTERNACIONAL





A invernada artística do CTG Rancho da Saudade, de Cachoeirinha, diversas vezes campeã do Encontro de Artes (ENART), recebeu recentemente uma premiação internacional.

Uma comitiva composta por parte do júri e do diretor artístico Gurhan Ozanoglu, do 22º Festival Internacional de Arte e Cultura de Büyükçekmece, da Turquia, um dos maiores e mais importantes no gênero, se fez presente na sede do CTG para entregar o prêmio de campeão da edição online do concurso que, em virtude da pandemia, foi realizado a distância por diversos grupos de dança do mundo. Denotando a relevância de tal reconhecimento o prefeito de Büyükçelmece, Hasan Akgün, manifestou-se parabenizando a todos através de vídeo. 

O evento aconteceu no final de julho. 

Parabéns aos integrantes do Rancho da Saudade. Vocês orgulham nossa cultura. 

Foto: Deivis Bueno 


MULHERES CANTAM

 

O OUTUBRO ROSA





sexta-feira, 15 de outubro de 2021

O TEMPO VOA...

 


Parece que foi ontem que deixou este plano Francisco Romeu de Castilhos, o Xico, grande amigo, conterrâneo, fundador com Albino Manique do tradicional grupo de baile Os Mirins. Mas já se vão 18 longos anos. Em 15 de outubro de 2003 este serrano com voz de trovão foi alegrar as sesmarias do infinito. 
 
Com ele convivi um eito e tive diversas parcerias musicais. Músicas alegres, para cima, como alegre era seu jeito. 

É, minha gente, o tempo voa. Portanto, vamos aproveitar intensamente e sempre lembrando daqueles que um dia estiveram junto de nós. A preservação da memória é uma forma de mantê-los presentes.  

  


RÁDIO ECO DA TRADIÇÃO

 

Numa época em que a comunicação envolve a sociedade de uma forma diversificada e abrangente, é de fundamental importância estar atento ao que faz da comunicação uma das mais importantes atividades do nosso tempo. Pensando nisso e na tese de Barbosa Lessa que diz que “a cada trinta anos, ao ensejo de alguma rebordosa mundial ou nacional, e havendo clima de abertura para as indagações do espírito, termina surgindo algum "ismo" relacionado com a tradição”, o Movimento Tradicionalista Gaúcho criou um canal digital de comunicação: o Eco da Tradição. 

Idealizado para levar as informações aos mais longínquos rincões do nosso estado, o jornal Eco da Tradição foi por duas décadas o veículo oficial do MTG/RS. Ao completar 20 anos, em setembro de 2021, deu lugar ao complexo digital dedicado a ser o informativo oficial do tradicionalismo organizado. “Cada patrão, cada entidade, coordenador, conselheiro, peão ou prenda poderá usar o Eco da Tradição para divulgar suas atividades. O rádio é, sem dúvida nenhuma, um dos mais importantes e democráticos veículos de comunicação já inventados”, disse Savaris. 

O programa Chasque do MTG apresentado por Rogério e Liliane Bastos, com a participação de correspondentes regionais, nas manhãs de segunda à sexta-feira, terá muita música, entrevistas, tradição e folclore para todos os gostos. Em alguns dias da semana (que serão definidos no decorrer da programação) será inserido um programa de debate e outro, da área cultural. 

A união da cultura gaúcha, tradição e folclore com a comunicação mediada pelas tecnologias da informação tem potencial de transformação social no sentido de formar cidadãos, como preconiza a carta de princípios do MTG, que completou 60 anos. 

Serviço: 

Radio Eco da Tradição: https://ecodatradicao.com 

Facebook: https://www.facebook.com/EcoDaTradicaoOficial 

Programa Chasque do MTG: Segunda à sexta das 8h às10h



ORIGEM DO DIA DO PROFESSOR

 

Deputada Antonieta de Barros


Antonieta de Barros está entre as três primeiras mulheres eleitas no Brasil. A única negra. Foi eleita em 1934 deputada estadual por Santa Catarina, menos de meio século após a abolição da escravatura.

Nasceu em Desterro, como era chamada Florianópolis, no dia 11 de julho de 1901. No registro de batismo não aparece o nome do pai. A mãe era Catarina Waltrich, escrava liberta.

Tinha como bandeira política o poder revolucionário e libertador da educação para todos. O analfabetismo em Santa Catarina, em 1922, época que começou a lecionar, era de 65%. Isso que o Estado, sobretudo pela presença alemã, aparecia com um dos índices mais altos de escolarização do país, seguidos por São Paulo.

A primeira grande lei educacional do Brasil foi sancionada por dom Pedro I em 15 de outubro em 1827, um marco para a educação brasileira. A data era comemorada informalmente, mas foi um projeto de Antonieta a lei que criou o Dia do Professor e o feriado escolar nessa data de 15 de outubro (Lei Nº 145, de 12 de outubro de 1948) em Santa Catarina. A data seria oficializada no país inteiro somente 20 anos depois, em outubro de 1963, pelo presidente da República, João Goulart.


UM DIA DE REVERÊNCIAS

 

Escola Municipal de Aratinga, minha primeira sala de aula - 1960
Até hoje guardo os ensinamentos da Professora Leda. 

Às pessoas que dedicam sua vida no repasse de conhecimentos; aos mestres que contribuíram na formação de tanta gente importante; aos nobres que vivenciam problemas familiares de seus alunos e não podem ajudar a não ser sofrer juntos; aos que não são reconhecidos pelo poder público; aos que são ofendidos por pais de colegiais sem compostura; aos que andejam por lugares inóspitos para levar o aprendizado; aos educadores que cruzaram nossos caminhos a nossa eterna reverência. 

A educação é a luz para sair deste breu que nos envolve. 

  


quinta-feira, 14 de outubro de 2021

TEMOS QUE CONVIVER COM ISSO ?!

 

Não gosto de postar temas que direcionem para a seara política mas quando a falta de sensibilidade é tamanha, não podemos nos furtar: O Presidente da República, Jair Bolsonaro, ontem, dia 13, perguntado sobre o significado de CTG respondeu perguntando: Cemos Todo Grosso?  

Em seguida, entre risos, fez outra pergunta aos seus apoiadores: Pode contar piada de gaúcho aqui? 

Este tipo de chacotas é comum entre nossos mandatários pois em 2006 o ex-presidente Lula vomitou preconceito ao chamar Pelotas de "Polo exportador de viados".

Então eu pergunto: - Como se anula um voto? 




METEOROLOGIA CAMPEIRA

 

Antigamente nossos antepassados sabiam do tempo e suas variações bombeando o céu. Época de plantio, de colheitas, de secas, de enchentes, tudo era previsto ao soprar dos ventos.

Até uma dor na articulação óssea poderia ser sinal de mangaços de água. Os temporais eram "benzidos", e nos tempos de estio os arreios eram deixados na rua para "não espantar a chuva".

Parece que ainda ouço minha mãe olhar pela janela do rancho e murmurar: "cerração baixa, sol que racha" 

O termo meteorologia foi usado pela primeira vez no século 4 a.C., quando o filósofo grego Aristóteles (384-322 a.C.) escreveu um tratado chamado Meteorológica. No livro, o filósofo faz considerações sobre o clima, astronomia e ciências naturais. Algumas partes do texto são muito avançadas para a época, como o capítulo que trata da condensação da água.

O também filósofo grego Teofrasto (372- 287 a.C.), que era discípulo de Aristóteles e herdou todos os escritos do mestre após a sua morte, escreveu sobre a previsão de chuvas no seu Livro dos Sinais. Na obra, publicada por volta de 300 a.C., Teofrasto menciona oito maneiras de prever a chuva, 50 de prever tempestades e sete para o tempo, com até um ano de antecedência. Claro que ele cometeu erros, mas também houve muitos acertos.

Hoje tudo mudou. Um manancial de aparelhagens ligados a satélites nos trazem tais previsões inclusive no celular.

Deixa-se claro que continuam com muitos erros e acertos.  

Pois no dia de hoje, 14 de outubro, comemora-se no Brasil o "Dia do Meteorologista". A data foi escolhida porque foi em 14 de outubro de 1980 que a profissão de meteorologista foi regulamentada no país, pela  lei Nº 6.835.


Meteorologia campeira


quarta-feira, 13 de outubro de 2021

REPONTANDO DATAS / 13 DE OUTUBRO

 

Contracapa do livro OS FARRAPOS E A MAÇONARIA 
Léo Ribeiro de Souza 


Na manhã de 13 de outubro de 1307 (sexta-feira), todos os Templários da França são presos por ordem do rei Felipe IV o Belo. Esse ato de violência arbitrária pôs fim a uma Ordem de Monges-Soldados, de mais de dois séculos, que se tornou famosa na Terra Santa e que adquiriu poder e riqueza, atraindo a inveja dos feudais e a cobiça dos soberanos. Foi extinta em 1312, com o antigo nome. Mas a mesma passou a se chamar ORDEM DE CRISTO, alterada pelo rei D. Dinis, de Portugal em 14/03/1319, pois o Vaticano reivindicava os bens da Ordem extinta.

Porque toco neste tema? Pela relação que faço entre Os Pobres Guerreiros de Cristo e os soldados farroupilhas em meu livro que está no prelo: Os Farrapos e a Maçonaria. Aguardem.  




LANÇAMENTO DE "PUEBLITO"

 



Buenas. Convidamos a todos para o lançamento de Pueblito, Contos do Sul do Mundo, mais uma obra literária do escritor Juan Daniel Isernhagen

O Lançamento será dia 13 de novembro, na Cabanha Bom Jesus, em Itajai-SC, um evento campeiro com local para acampamento. Haverá shows do Quarteto Coração de Potro; André Teixeira; Juliano Moreno; Pedro Terra e intérpretes convidados

No dia 14 acontecerão shows com Ita Cunha; Raineri Spohr. Será uma grande festividade ao estilo Charla Musiqueira.

Também está começando a pré venda do projeto PUEBLITO, Contos regionais, crônicas, letras e desenhos de vários artistas além do CD Cantos do Sul do Mundo. Versos de Juan Daniel Isernhagen na voz de grandes intérpretes. Produção de Cristian Camargo e direção musical de Pedro Terra. 

Pré venda pela www.minuanodiscos.com.br

Transmissão ao vivo Roteiro e Tv Grota

Cabanha Bom Jesus - Itajaí ‐ SC

Contato e pix: 47 984959996 / 47 996512343 - Ingressos limitados

Instagram

@juan.daniel.isernhagen

Juan Daniel Isernhagen

@bagualles_e_pueblito




DRA. NADINE CLAUSELL SERÁ HOMENAGEADA

 

PELO GRANDE ORIENTE DO RIO GRANDE DO SUL  


Dra. Nadine Clausell


O Grande Oriente do Rio Grande do Sul, instituição Maçônica com Lojas (*grupos) em todas as regiões do Estado, realizará cerimônia para comemorar os 128 anos de fundação (14/10/1893).  

O evento ocorre no dia 14/10, às 20h, em sua sede principal, no Templo Maçônico ‘Caldas Júnior’, o maior do RS. Um dos pontos altos será a entrega do Troféu Grande Oriente do Rio Grande do Sul à presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Dra. Nadine Clausell, pelos relevantes serviços prestados à comunidade. Clausell liderou grande parte da expansão do hospital e esteve à frente das ações de combate à pandemia da COVID-19. 

Segundo o Grão-Mestre (*presidente) em Exercício do GORGS, Irmão Antônio Carlos Lampert, esta comenda simboliza o reconhecimento da Maçonaria ao trabalho de mulheres e homens que e ajudam a construir uma sociedade mais digna e justa para todos. O Troféu GORGS foi criado em 2020 para premiar personalidades com atuação destacada no Estado do Rio Grande do Sul. A 1ª edição teve como homenageado o vice-presidente da República Hamilton Mourão. 

A solenidade será pública, porém, cumprindo todos os protocolos sanitários, a presença será restrita. 

Cerimônia no GORGS

Para assistir, basta acessar o canal www.youtube.com/GORGSTV ou solicitar o link direto da transmissão pelo whats app 51 99348-4003. 

Observações: *Loja = grupos onde os Maçons se reúnem. *Grão-Mestre = presidente. 

Sr. Jornalista / chefe de redação: caso haja interesse em realizar cobertura no local, favor realizar o credenciamento pelo e-mail comunica@gorgs.org.br ou whats app 51 99348-4003. 

Peço a gentileza de enviar link ou imagem da publicação. 

Crédito fotos: Rodrigo Reus/Comunicação GORGS 

Cordialmente, Rodrigo Reus, jornalista. Assessor de Comunicação do GORGS





terça-feira, 12 de outubro de 2021

 

 


CADA INFÂNCIA COM SEU TEMPO

- Léo Ribeiro de Souza - 


Te bombeando, assim, dormindo, 
neste quarto decorado,
fico horas ao teu lado
te acariciando e sorrindo.
Meu neto... Que guri lindo! 
Passou o tempo soi viejo
foi num upa, num lampejo 
mas se a idade me golpeia
meu sangue corre em tuas veias 
e ao te olhar me revejo.

Somos de infâncias distintas,
fui um piá interiorano
criado meio haragano
sem adereços, sem tinta.  
Trazia presos na cinta.
um revolver de madeira 
e um punhal de taquareira  
que eu mesmo falquejei.
Estas eram minhas "leis"
nas rusgas de brincadeira.  

Eu tinha gado de osso, 
carro de lomba, tampinhas,
trem de latas de sardinhas
e um bodoque no pescoço.
Um petiço pra ir no poço 
buscar água em duas pipas.
Mas que infância bendita,   
que vida, que tempo nobre.
Se de patacas foi pobre 
de liberdade foi rica.

Hoje a infância das crianças
cruza os céus sem bater asas
porque sem sair das casas
andejam de toda trança.
É que lhes veio esta herança 
da internet e seus favores. 
O mundo, com suas cores, 
se vem pra dentro do lar
no botão de um celular,
ou pelos computadores. 

Não que isto esteja errado, 
ao contrário, acho bonito,   
copiar, colar um escrito,
games, jogos e outros legados.
No dedilhar de um teclado
de tudo se tem noção.
Mas falta o aperto de mão,
o conversar com as pessoas,
o banhar-se nas lagoas, 
os pés nus roçando o chão.  

Cada infância tem seu tempo,
cada vida a sua história... 
Feliz quem traz na memória  
belos e ternos momentos. 
Não maldigo nem lamento 
comparo por comparar...
Outra era, outro lugar, 
outras maneiras de afeto,
só te desejo, meu neto, 
que não deixes de sonhar.

O que me dói de verdade,
ao se falar de infância, 
é a humana ignorância
de quem castra a liberdade.
É a escravidão, a maldade, 
a exploração em segredo,
os orfanatos, o medo, 
a pobreza por destino, 
a turba de pequeninos 
que não conhecem brinquedo. 

Infância... tinha que ser   
rodeada de coisas boas, 
verões de sol e garoa,
sem certezas, só viver.
A infância é um bem querer 
que não devia ter fim.
Ao me ver sisudo assim
pergunto as minhas lembranças
onde andará a criança
que um dia morou em mim? 

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

UM FELIZ 12 DE OUTUBRO PARA TODOS NÓS

 

 
 
Nos meus tempos de criança, os "telefones" eram estes da foto  
Hoje, cada criança mais abastada tem um celular.


Feliz dia das crianças a todos nós que ainda guardamos um pouco de inocência na alma, que brincamos, que nos divertimos com coisas bobas. Os tempos mudaram mas criança sempre será criança, de acordo com sua época e ambiente e cada um deve valorizar sua infância, pois muitos não a têm ou não a viram passar.  

A minha criancice foi rodeada de matos e rios, carros-de-lomba construídos por nós mesmos, bodoques (hoje não se caça mais passarinhos - o que está correto), bolas-de-gude, bolas-de-meia, gado-de-osso... Sonhei com uma mas nunca tive bicicleta quando criança.

As meninas brincavam de roda, de cinco-marias, de bonecas de pano... e todos éramos felizes.

Hoje a infância esta monitorada pela informática. Muitos crescem sem contato com a terra, com animais... cada infância com seu tempo.    
 
Gracias, Patrão Velho, por vivermos num País onde, bem ou mal, temos uma infância livre apesar das injustiças sociais. Mil gracias, também, àquelas pessoas que recolheram brinquedos e donativos para brindar nossas crianças mais pobres. 
 
 
bola de meia - fez parte da minha infância



RÁDIO ECO DA TRADIÇÃO



Quando o Jornal Tradição, do saudoso Edson Otto, foi extinto em fevereiro de 2001, um vácuo se formou quanto aos registros das atividades tradicionalistas. o MTG, então, na gestão de Manoelito Savaris, criou o Jornal Eco da Tradição, em setembro daquele ano. Um encarte no jornal era dedicado às escolas, o caderno "Eco da Tradição na escola", se chamando mais tarde de Caderno Piá 21.

Com o passar dos anos e as mudanças sociais e midiáticas o papel passou a se tornar obsoleto (para alguns). Em 2021, quando o Eco completou 20 anos, se tornou o canal de comunicação do MTG. A partir deste mês de outubro o Eco da Tradição será a Radio Web do Movimento Tradicionalista Gaúcho e será o "guarda-chuvas" para outras mídias.

Nesta quarta-feira, 13, estreia a rádio que será o noticiadora dos acontecimentos tradicionalistas pelo Rio Grande, Brasil e pelo mundo.

https://www.facebook.com/EcoDaTradicaoOficial  


CINZAS DE JOÃO PANTALEÃO

   

SÃO LANÇADAS NO LOCAL QUE DEU ORIGEM 

A CIDADE DE LAGOA VERMELHA

Benhur, filho de Pantaleão, lança as cinzas do pai na lagoa. 


Fonte. NG Revista 

Foto: Marcos Roberto Nepomuceno


As cinzas do corpo de João Pantaleão Gonçalves Leite, poeta, compositor e declamador, falecido recentemente, em Passo Fundo, foram lançadas nas águas vermelhas da lagoa que deu origem ao município de Lagoa Vermelha, localizada as margens da BR-285, na saída para Vacaria. Artistas e familiares cumpriram, assim, o desejo de João Pantaleão que residiu, por muitos anos, nesta cidade.

As cinzas foram conduzidas por cavalarianos do Piquete 35, a partir do CTG Alexandre Pato, até o local da lagoa, no dia 7 de outubro, onde aconteceu o ato com a presença de amigos e colegas de João Pantaleão. Existe a sugestão da construção, junto à lagoa, de um memorial em homenagem a seus colegas falecidos, assunto que deverá ser encaminhado a consideração da Administração Municipal.

Os artistas naturais de Lagoa Vermelha ou com vínculos no município, deverão realizar shows nesta cidade com a finalidade de arrecadar recursos financeiros para ajudar na construção do memorial.

Entre as autoridades presente, destaque para o prefeito Gustavo José Bonotto; secretário do Desenvolvimento Econômico, Lucas Motta; patrão do CTG Alexandre Pato, Alessandro Muliterno; patrão do Piquete 35, Eduardo Melo; diversos tradicionalistas, lideranças da comunidade, amigos, bem como expressiva representação da Polícia Civil de Lagoa Vermelha, onde João Pantaleão Gonçalves atuou. O filho Benhur esteve presente no ato e depositou as cinzas do compositor na lagoa. 



domingo, 10 de outubro de 2021

24ª ESTÂNCIA DA CANÇÃO GAÚCHA

 

CONCORRENTES PREMIADOS 


Grupo que interpretou a Canção Vencedora 


Fonte: Blog Ronda dos Festivais - Jairo Reis


Por volta de uma hora da madrugada deste domingo, 10/10, foram revelados e premiados os destaques da 24ª Estância da Canção Gaúcha, de São Gabriel.

Nas noites de 6 e 7 de outubro, foi realizado o 1º Girasul - Circuito de Música Instrumental.

A 24ª Estância foi realizada nos dias 08 e 09 de outubro. A programação da noite final, iniciou com a apresentação das 12 canções finalistas,  seguidas do espetáculo estrelado pelo cantor Joca Martins.

Enquanto se desenvolvia o show de encerramento, a comissão avaliadora formada por Anomar Danúbio Vieira, Guilherme Collares, Joca Martins, Lúcio Yanel e Luis Carlos Borges se reuniu para deliberar o seguinte resultado:

 

Primeiro Lugar:  JOÃO SEM CORDA

Ritmo: Milonga

Letra: Evair Gomez

Melodia: Juliano Gomes

Violão: Quinto Oliveira

Guitarrón: Juliano Gomes

Contrabaixo: Luciano Fagundes

Flauta Transversal: Daniel Zanotelli

Violino: Pedro Kaltbach

Gaita botoneira: Ricardo Comassetto

Interpretação: Luiz Marenco

 

Segundo Lugar: REDOMÃO

Ritmo: Milonga

Letra: Rogerio Villagran

Melodia: Kiko Goulart

Violão solo: Maykel Paiva

Violão solo: Gustavo Oliveira

Violão base: Odair Teixeira

Contrabaixo:  Rodrigo Maia

Interpretação: Jari Terres

 

Terceiro Lugar: TRADIÇÃO

Ritmo: Chamamé

Letra: Adriano Alves

Melodia: Edilberto Bérgamo

Gaita de Oito Baixos: Edilberto Bérgamo

Violão: Daniel Cavalheiro

Violão:  Gustavo: Otesbelgue

Violão: Luis Clóvis Girardi

Contrabaixo: João Marcos Negrinho Martins

Interpretação: Daniel Cavalheiro

 

Mais Popular: CRUZADOR

Ritmo: Rasguido

Letra: Norton França

Melodia: Mauro Silva/Danner Marinho

Violão Base: Gabriel Jardim

Guitarrón: Danner Marinho

Violão Solo e Vocal: Lucas Gross

Gaita Botoneira: Mauro Silva

Contrabaixo: Aparício Maidana

Interpretação: Danner Marinho, Gabriel Jardim e Mauro Silva

 

Melhor Intérprete:  MARIA ALICE

Música: Miradas de Ilusión(Tango) 

Letra: Angelo Franco/Érlon Péricles

Melodia: Érlon Péricles

 

Melhor Instrumentista: RICARDO COMASSETTO

Instrumento: Gaita Botoneira

Música: João Sem Corda

 

Melhor Poesia: JOÃO SEM CORDA

Autor: Evair Gomez

 

Melhor Melodia:  JOÃO SEM CORDA

Autor: Juliano Gomes

 

Melhor Arranjo: REDOMÃO

 

Melhor Indumentária:  ÊNIO MEDEIROS

Música: O Caminhão do Florentino

 

Melhor Tema Campeiro: REDOMÃO

Ritmo: Milonga

Letra: Rogerio Villagran

Melodia: Kiko Goulart

Violão solo: Maykel Paiva

Violão solo: Gustavo Oliveira

Violão base: Odair Teixeira

Contrabaixo:  Rodrigo Maia

Interpretação: Jari Terres


CAUSO DE GALPÃO


A CREMAÇÃO



Texto e desenho: Léo Ribeiro

O Nicácio Rodrigues do Amaral, cria da missioneira São Nicolau, já estava aquerenciado há um certo tempo pelas voltas de Novo Hamburgo, mais precisamente em Hamburgo Velho. Pois este gaúcho de cruz na testa, talvez por saudade da querência, andava bebendo uma coisa por demais. Se queriam achar o Nicácio era ir até a venda mais próxima de seu rancho que ele, com certeza, estaria por ali esfolando os cotovelos no balcão. Encostou-se por "doente" na firma calçadista onde trabalhava e passava o dia empinando uma pura e proseando com o bolicheiro.


No dia em que morreu sua sogra, Dona Ermelinda, os filhos decidiram que o corpo ia ser cremado ali mesmo no crematório da cidade.


E assim estavam, depois de uma noite emotiva e cansativa, tapada de relembranças, chegou o momento mais comovente de qualquer velório. As encomendações. Filhos, filhas, genros, noras, netos e netas, consternados em volta da urna no adeus definitivo a Dona Ermelinda. 


O responsável pela cremação era o João da Funerária, já conhecido de muitos pois, sempre que alguém era cremado, era ele quem buscava o (ex)vivente. E já estava, o João, na cabeceira do caixão, esperando ás derradeiras despedidas para levar o corpo.


Foi neste momento que o Nicácio R. do Amaral, que recém havia dado um gole na boteja de canha escondida no porta-malas do carro, estando, portanto, em seu estado normal, ou seja, mais pra lá do que pra cá, subiu numa cadeira e solicitou a atenção dos presentes. Mesmo apreensivos com a situação os parentes acharam por bem deixar a coisa fluir. Não se teima com borracho. Todos esperaram um discurso emocionado do Nicácio a sua amada sogra visto que, nas festas de família, era comum sua oratória. 


Foi quando ele com aquele ar solene de grande tribuno que vai fazer o mais belo pronunciamento, estufou o peito e, apontando para o João da Funerária, atracou:


- Bueno minha gente querida. Comovido, aproveito este momento ímpar e peço a todos uma salva de palmas pro ASSADOR!