RETRATO DA SEMANA

RETRATO DA SEMANA
Identidade Visual dos Festejos Farroupilha 2024 / Cintia Matte Ruschel

sábado, 10 de dezembro de 2022

 

UMA ATITUDE COVARDE ? 


Tite retira-se para o vestiário

Lendo os rescaldos da derrota da seleção do Brasil para a Croácia os comentários vão de falta de humildade dos brasileiros até os erros grosseiros na parte tática passando, aí, por picanha recheada a ouro, dancinhas, endeusamentos, e a ilusão de que ainda temos o melhor futebol do mundo. Na verdade, tirante alguns minutos contra a fraca Coréia, em nenhum outro momento nosso time empolgou. 

Mas o que mais se comenta foram as atitudes do até então badalado treinador Adenor Leonardo Bacchi, o gaúcho Tite. Primeiro por não retrancar o time na hora que mais precisava, ou seja, quando vencíamos o jogo. Na hora do gol croata, em contra ataque, havia SETE  jogadores brasileiros no ataque deixando a defesa desprotegida. Fred, que entrou para fechar o meio de campo estava na ponta direita no momento da "tragédia". Outro erro do treinador foi a escolha dos jogadores para as penalidades. Até os leigos em futebol sabem que o melhor batedor deve iniciar as cobranças. E o que aconteceu? Ele (Tite) determinou que Neymar fosse o último a cobrar, o que acabou nem acontecendo. 

Mas as críticas mais duras vieram da atitude de Tite na hora que os jogadores mais precisavam do apoio do técnico, ou seja, na derrota. Enquanto os atletas choravam abatidos sentados no gramado ele virou as costas e foi para o vestiário. Foi chorar escondido? Talvez, mas o certo era chorar abraçado aos seus comandados, ali, no campo de batalha. Correr da briga, enfiar a cara na terra, virar as costas para os problemas, não é uma conduta digna de um líder.

Para o mal dos pecados estou em Uruguaiana trabalhando na Califórnia da Canção Nativa, num hotel tapado de argentinos que já começaram a invadir nossas praias. Em virtude do calor vi o jogo no meu quarto. No gol do Brasil, silêncio absoluto. Parecia que só havia eu de brasileiro por aqui. No jogo seguinte, o da Holanda com a Argentina, a cada gol dos "hermanos" era uma gritaria de acordar a fronteira. Ao cabo, tomaram conta da piscina e foram neste tranco até altas horas. 

Mas vamos em frente, a vida continua e ninguém vai pagar os meus carnês. 

Quanto a pergunta inicial se foi uma atitude covarde: - Quem sou eu para julgar mas que ficou feio, ficou.